As fragatas Adelaide, o plano anti-Belh @ rra da Lockheed na Grécia

A Marinha Helénica procura há muitos anos adquirir embarcações francesas, primeiro FREMMs na versão FREDA, depois FTIs, talvez apoiados por corvetas Gowind2500. E há anos que, face às dificuldades financeiras do país, a França não consegue oferecer um pacote financeiro e industrial satisfatório em Atenas.

É a tal ponto que, para muitos industriais franceses, a Grécia já não é considerada um parceiro potencial, e por isso não nos surpreenderemos com a informação de que o Grupo Naval não participou na última reunião de trabalho. Autoridades gregas sobre uma proposta de venda de 2 FTI, por € 1,3 bilhão.

Mas enquanto a França procrastina com um mercado que considera garantido, os americanos estão a ganhar poder e estão mesmo prestes a eliminar todas as oportunidades francesas. Na verdade, foram oferecidas à Grécia duas fragatas australianas de segunda mão da classe Adelaide para fortalecer rapidamente o seu poder naval contra a Turquia.

No entanto, estes edifícios são oferecidos a um preço atractivo, 180 milhões de euros, mas sem munições. E é aí que entra a Lockheed, com uma proposta baseada em LCS. Porque se a Grécia optasse por adquirir as 2 Adelaides, teria de adquirir, ao mesmo tempo, as munições para os edifícios, num valor estimado em 350 milhões de euros. E a Lockheed propôs um edifício capaz de implementar essas armas, o LCS, em particular o eficiente mas caro SM2.

Na verdade, se Atenas chegasse a um acordo sobre as fragatas australianas, as esperanças de Paris de vender as suas fragatas à Marinha Helênica teriam terminado. Além disso, vários outros países estão na corrida para oferecer soluções à Grécia, principalmente a Alemanha e a Itália…

Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos