A Força Aérea dos EUA quer preparar seus oficiais para a chegada iminente de armas de energia dirigida

Para a Força Aérea dos EUA, a entrada em serviço de armas de energia dirigida, como lasers ou armas eletromagnéticas (Rail Gun), mudará profundamente os paradigmas da guerra aérea num futuro próximo. Para se preparar para isso, além da pesquisa realizada para ter esses sistemas, o Laboratório de Pesquisa da Força Aérea acaba de publicar uma chamada de propostas para integrar essas armas em suas simulações e jogos de guerra, a fim de estudar as implicações operacionais, os pontos fortes desses sistemas bem como os meios para lidar com eles, do ponto de vista tático e estratégico.

E, de facto, estes sistemas são constitucionalmente muito diferentes dos sistemas de combate, particularmente dos sistemas antiaéreos, conhecidos até à data. Assim, uma vez deixada a bolha de protecção de muito curto alcance ainda coberta por certos sistemas de artilharia antiaérea, a ameaça actual, para os aviões de combate, é constituída por mísseis guiados, cujos pontos fortes e fracos são perfeitamente conhecidos: número limitado de munição, radar ou orientação infravermelha que pode ser bloqueada ou atraída, etc.

Os sistemas de armas dirigidas, como os lasers ou os canhões ferroviários, têm parâmetros constituintes muito diferentes, como uma capacidade de fogo muito maior, tiros insensíveis a iscas, alta velocidade dos projéteis, mas também efeitos limitantes, como a redução no desempenho de um laser. nas camadas mais baixas da atmosfera devido à nebulosidade ou aumento da sensibilidade às manobras. Ao possuir modelos avançados de desempenho destes sistemas, a Força Aérea dos EUA poderá estudar a eficácia das táticas utilizadas e das tecnologias selecionadas, como radar stealth, e até mesmo revelar suas deficiências diante desses novos atores.

Protótipo de teste de canhão ferroviário nos Estados Unidos Defense News | Armas laser e energia dirigida | Canhão elétrico Railgun
o protótipo American Rail Gun foi testado novamente nesta primavera

O programa de treinamento do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea é dividido em 5 componentes: modelagem de sistemas, simulação de seu uso, análise dos diferentes parâmetros e táticas de uso desses sistemas, fornecimento de dados para estudos de sistemas e programas de armas da Força Aérea dos EUA, e finalmente, jogos de guerra, a fim de integrar esses elementos na condução das operações. Ao fazê-lo, a AFRL pretende permitir que os oficiais da Força Aérea possam antecipar a entrada em serviço destes sistemas, tanto nas suas próprias forças como nas forças adversárias, de modo a beneficiarem de uma estratégia táctica e marcada.

Lembre-se que a China e, em menor medida, a Rússia, estão actualmente a desenvolver sistemas de armas de energia dirigida, como o Naval Rail Gun, que equipará a partir de 2025, os destróieres pesados ​​Tipo 055 Chinês, ou Laser Perevest em serviço com as forças russas. Durante vários anos, os Estados Unidos investiram maciçamente em sistemas de armas a laser, tanto a nível da Força Aérea dos EUA com oautoproteção a laser de aeronaves SHIELD, que o Exército dos EUA com os sistemas MEHEL e HEL TVDe a Marinha com lasers de proteção aproximada anti-drones e anti-mísseis já implantados em determinados edifícios. O Programa American Rail Gun, antes em declínio, experimentou um retorno desde o aparecimento do Chinese Rail Gun, há um ano, com novos testes realizados há algumas semanas.

Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos