Ataque a instalações de petróleo saudita supostamente realizado por armas iranianas

Segundo o porta-voz das forças armadas iranianas, coronel Turki al-Malki, o ataque realizado no sábado, 14 de setembro de 2019, teria sido liderado por armas de origem iraniana, de acordo com os primeiros resultados da investigação em curso. Ele também especifica que os ataques não foram realizados a partir do Iêmen, como afirmam os rebeldes Houthi, sem, no entanto, especificar a origem. Parece também que a tese de um ataque de drones é cada vez mais posta em causa, em favor de um ataque por mísseis de cruzeiro, mais condizente com os danos causados.

As autoridades sauditas parecem querer tomar todas as precauções necessárias para identificar o culpado destes ataques que privaram o país de metade da sua capacidade de exportação de petróleo bruto e causaram um aumento de quase 10% no preço do barril de petróleo bruto. nos mercados globais nesta segunda-feira. Na verdade, segundo o príncipe herdeiro Mohammed Bin-Salman, o Reino está pronto para realizar ataques retaliatórios contra o patrocinador do ataque, sabendo muito bem que tudo aponta para Teerão.

Um ataque retaliatório contra o Irão, liderado pela Arábia Saudita, provavelmente desencadearia uma conflagração generalizada na região, com consequências significativas no mercado petrolífero global, mais de 25% do qual passa através do Estreito de Ormuz. A partir daí, Riade pretende garantir o apoio dos seus principais aliados como os Emirados Árabes Unidos e os Estados Unidos, bem como dos seus parceiros europeus, chineses e israelitas.

Typhoon Notícias de Defesa da Arábia Saudita | Arábia Saudita | Drones de combate
Com 72 Typhoon, 224 F15 e 80 Tornado, as forças aéreas sauditas são capazes de realizar ataques retaliatórios contra Teerã,

Como tal, o Presidente Trump já declarou, como habitualmente no Twitter, que estava pronto para apoiar militarmente um ataque contra os agressores do Reino. As autoridades chinesas manifestaram grande preocupação com as consequências de tal acção. Na verdade, a anterior crise energética em grande escala, consequências da guerra Irão-Iraque em 1979-1980, desencadeou uma redução de 9% na oferta global num mercado de 60 milhões de barris por ano, com consequências muito significativas no crescimento e na economia global. economia. Um conflito entre a Arábia Saudita e o Irão hoje poderia ameaçar 15% a 20% do abastecimento global de petróleo num mercado de 80 milhões de barris por ano, causando consequências não só para os países ocidentais, mas para os países emergentes, particularmente a China e a Índia, com riscos significativos de instabilidade.

Além disso, um tal conflito condenaria sem dúvida os esforços europeus para tentar preservar o que resta dos acordos de Viena, que, se fossem definitivamente abandonados, poderiam levar a Israel realizará ataques contra instalações nucleares iranianas, com provável contágio do conflito no Iraque, na Síria e no Líbano.

Os próximos dias serão, portanto, cruciais para o futuro do Médio Oriente, que se torna cada dia mais sombrio.

Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos