O drone furtivo Sharp Sword equipará o porta-aviões Tipo 001A da Marinha Chinesa

A Marinha Chinesa será, portanto, a primeira a implantar um drone de combate furtivo a partir de um porta-aviões. Na verdade, de acordo com site do South China Morning Post, citando fontes pertencentes ao Ministério da Defesa, o segundo porta-aviões chinês e primeiro navio inteiramente projetado e construído na China, o Tipo 001A, será equipado para sua entrada em serviço com drones furtivos Sharp Sword, destinados a missões de reconhecimento, e capaz usar o trampolim do navio para decolar. Este drone participará, segundo fotos postadas no Twitter, no desfile do 7º aniversário da República Popular da China, no dia 1º de outubro. É um dos drones do programa AVIC 601-S, que visa desenvolver diversos tipos de UCAVs atendendo a diversos objetivos.

A utilização de um trampolim, e não de catapultas, obrigou o fabricante AVIC, pertencente ao grupo Shenyang, a tornar o dispositivo mais leve e, portanto, a abdicar da sua capacidade de transporte de armas, mesmo que a Espada Afiada continue equipada com um depósito de munições. Por outro lado, o drone estará equipado com numerosos sensores e equipamentos de comunicação, para cumprir as missões de reconhecimento que lhe são confiadas. Pelas mesmas razões, a Sharp Sword não pode ser usada para reabastecimento aéreo, como o MQ-25 Stingray da Marinha dos EUA. No entanto, assim que o primeiro porta-aviões equipado com catapultas estiver em serviço na Marinha Chinesa, é provável que as missões confiadas ao drone evoluam, e integrem componentes de ataque, guerra electrónica e possivelmente de reabastecimento.

Voo inaugural do chinês Lijian “Sharp Sword” Stealth UCAV 4 Defense News | Drones de combate | Drones militares e robótica
Esta foto permite apreciar as dimensões da Espada Afiada com envergadura de 14 m.

Concretamente, a Espada Afiada terá a função de efectuar reconhecimentos em áreas contestadas, determinar a posição exacta e os meios utilizados pelas frotas ou defesas adversárias, de modo a poder realizar ataques de longa distância, efectuados por -dispositivos de bordo ou escolta de porta-aviões. Além disso, poderá realizar missões de inteligência eletrónica e escuta, bem como missões de vigilância “discretas”, para acompanhar o progresso de uma frota adversária, por exemplo.

Com este primeiro drone de combate a bordo, o grupo aeronáutico de Shenyang confirma a sua capacidade de desenvolver dispositivos destinados às forças de aviação naval, como o J15 e o J15D para guerra eletrónica. Enquanto o seu concorrente Chengdu, que fabrica o J10 e o J20, parece ter os favores da força aérea, Shenyang parece ter os favores da aviação naval chinesa, uma distribuição que lembra a oposição Boeing/Lockheed nos Estados Unidos. Resta que, se o Shenyang FC-31 foi durante muito tempo o favorito para equipar porta-aviõess equipado com catapultas da marinha chinesa, anúncios recentes parecem indicar que, em última análise, uma versão aprovada do J20 seria preferida, provavelmente na sequência das dificuldades encontradas pelo grupo chinês em dar ao FC-31 o desempenho esperado.

Notícias de Defesa Tipo 001A | Drones de combate | Drones militares e robótica
O porta-aviões Tipo 001A concluiu testes no mar e deverá entrar em serviço antes do final de 2019

As declarações chinesas não carecem de ironias, já que admitem ter se inspirado em grande parte no X47, no Taranis de Bae e no Neuron da Dassault, para projetar a Espada Afiada. Infelizmente para os europeus, o programa franco-britânico FCAS, que permitiria colocar em serviço um drone de combate em 2030, e do qual os drones Taranis e Neuron constituíam os estudos preliminares, foi abandonado por Londres, antes de ser mais ou menos absorvido pelo programa FCAS do lado francês, mas com um atraso muito maior.

Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos