Europeus envolvem-se em tecnologias de guerra electrónica

- Publicidade -

Estaremos a assistir a uma tomada de consciência tardia, mas bem-vinda, da necessidade de guerra electrónica e de capacidades de supressão de defesa aérea na Europa? Independentemente disso, numa semana, foram feitos três anúncios importantes na Europa relativamente ao desenvolvimento de tecnologias de guerra electrónica montadas em aeronaves.

O primeiro anúncio é de origem alemã. A Airbus DS propôs efectivamente uma versão de guerra eletrônica de seu Typhoon, identificado como Typhoon ECR, um dispositivo especializado em missões de guerra eletrônica e supressão de defesas antiaéreas inimigas, ou SEAD. Destinado a substituir os poucos 28 Tornado ECR em serviço na Luftwaffe, faz parte da candidatura do fabricante europeu para vencer o concurso alemão para a substituição da sua frota Tornado, e no qual a aeronave europeia se opõe à Boeing F/A18 E/F Super Hornet, e sua versão de guerra eletrônica, oGrowler EA18G. A nova aeronave será projetada pela Airbus DS, que liderará um consórcio formado por Hensoldt, MBDA, MTU, Premium Aerotec e Rolls-Royce.

Ao mesmo tempo, na semana passada a Saab apresentou seu Pod de jammer de ataque eletrônico, ou EAJP, um pod de interferência destinado a equipar o caça JAS 39 E/F Gripen, e cujas características permitiriam não só garantir a autoproteção do dispositivo, mas estender essa proteção às aeronaves vizinhas, permitindo que o Gripen se transformasse também num dispositivo de guerra eletrónica, nomeadamente na sua versão de dois lugares F.

- Publicidade -
gripene eajp 00 Notícias de Defesa | Alemanha | Awacs e guerra eletrônica
O Gripen sueco equipado com o novo pote de guerra eletrônica EAJP durante seu primeiro vôo em 4 de novembro

Mas a maior surpresa vemum projeto lançado conjuntamente pela França, Itália e Espanha no âmbito da PESCO, o programa europeu de cooperação estruturada permanente, destinado a conceber um sistema de ataque electrónico aerotransportado (Airborne electronic attack system ou EAE em inglês), para equipar as aeronaves das forças armadas dos 3 países, bem como as de outras forças europeias. A Alemanha e a Suécia também são partes interessadas no programa. Espera-se um contrato para 2020, e é a espanhola Indra, também designada por Espanha como referência ao nível do programa FCAS, que liderará o programa, com a italiana Electronicca, a alemã Hensoldt, a francesa Thales e a sueca Saab. Este programa vai além das ambições das duas iniciativas anteriores, pois envolve o desenvolvimento não só de uma ferramenta, mas uma base de conhecimento e cooperação tecnológica à escala europeia, para todos os aspectos da guerra electrónica, incluindo as dimensões Cibernético. Vemos também que reúne países pertencentes ao programa FCAS assim como o programa Tempestadee pode, portanto, idealmente, constituir uma base colaborativa para reunir os dois programas europeus.

Notamos também que a Alemanha, e em particular o especialista em electrónica de defesa Hensoldt, participa em dois destes três programas, sugerindo que Berlim tem pouca intenção deabandonar o Typhoon para o benefício do F18 Super Hornet para substituir seu Tornado. Seja como for, só podemos ficar satisfeitos por ver que, finalmente, os Europeus parecem considerar seriamente essas questões de guerra eletrônica. O facto é que, para além da concepção puramente tecnológica do equipamento, serão necessários muitos anos até que possamos alinhar equipamentos verdadeiramente eficazes, o tempo, em particular, para registar e analisar oconjunto de sinais com os quais este equipamento pode ser confrontado. Como se costuma dizer, são necessários apenas alguns anos para que um exército perca uma capacidade operacional, enquanto muitas vezes leva mais de uma década para adquiri-la ou adquiri-la novamente….

- Publicidade -

Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos