Fabricante chinês Shenyang desenvolve novo caçador furtivo

De acordo com reportagem publicada na conta WeChat da empresa, a fabricante chinesa de aeronaves Shenyang, que constrói, entre outras coisas, caças J-11 derivado do Su-27, J-16 derivado do Su-30 e o caça J-15 derivado do Su-33, teria começado em 2018 o desenvolvimento de um novo caça furtivo. O codinome dado ao programa, “ JJ", diz-nos que se trata de um avião de combate, e não de um caça-bombardeiro, e que se destina às forças aéreas chinesas, e não à exportação como o FC-31 Gyrfalcon. O relatório não dá nenhuma indicação sobre o dispositivo e a sua função, a não ser que a furtividade recebe especial atenção, nomeadamente devido a uma ilustração que mostra entradas de ar concebidas para reduzir a exposição das pás da turbina aos radares opostos. Nenhum cronograma é apresentado de outra forma. No entanto, é possível fazer deduções informadas sobre estes diferentes pontos.

Na verdade, este anúncio parece eliminar qualquer possibilidade de um dia ver o Shenyang FC-31 entrar em serviço no Exército de Libertação Popular. Além disso, dadas as inúmeras dificuldades de desenvolvimento e o desempenho muito abaixo do esperado durante os primeiros testes, obrigando o fabricante a revisar minuciosamente seu dispositivo, é improvável que o dispositivo entre em serviço nem em uma força aérea estrangeira. Na verdade, Shenyang parece ter decidido abandonar o programa para se concentrar num novo dispositivo, indo ao encontro das expectativas do ELP.

FC31 Notícias Defesa | Jatos de combate | Construção de aeronaves militares
O protótipo FC-31 de Shenyang vê seu futuro escurecer com o anúncio do desenvolvimento do JJ

No entanto, hoje, as forças aéreas chinesas estão a utilizar duas aeronaves identificadas como totalmente de “2ª geração”[efn_note]equivalente à 3ª geração na nomenclatura ocidental[/efn_note], nomeadamente o caça-bombardeiro JH-7 e o caça de superioridade aérea J-11. O substituição para JH-7, identidade JH-XX, está, segundo vários relatórios, já bastante avançado, e diversas observações atestam que pelo menos um protótipo já está em testes. Como o programa JJ começou em 2018, não pode estar tão avançado. Portanto trata-se provavelmente de uma aeronave destinada a substituir o J-11 e, com isso, servir de base para uma nova família de caças pesados ​​para o PLA, cabendo ao fabricante Chengdu, que já produz o caça J-20, a tarefa de projetando o substituto do caça leve J-10.

Além disso, nos últimos 30 anos, a indústria da aviação chinesa produziu uma nova aeronave a cada 5 a 7 anos, em média. Assumindo que o JH-XX deverá entrar em serviço em 2025, quando a frota de JH-7 ultrapassará os 30 anos de serviço, o anúncio do JJ hoje é consistente com a substituição do J-11 que deverá ocorrer a partir de 2030. Poderíamos nos perguntar se o J-20 já não representaria um substituto de escolha para o J-11. Se os J16 se destinam principalmente a substituir os caças J-8 de “2ª geração” na nomenclatura chinesa (Mig 21, Mirage III, F4, etc.), a nova aeronave deve, no entanto, ser capaz de substituir os mais de 250 J-11. .em serviço nas forças armadas chinesas. Recordemos, a este respeito, que o Su-57 russo tem um preço “doméstico” de US$ 35 milhões, enquanto o J-20, projetado para se opor ao F22, ultrapassaria US$ 100 milhões. É provável que as autoridades chinesas pretendam um custo de produção semelhante de cerca de 35 milhões de dólares com o JJ, de modo a ter um dispositivo que possa ser produzido em grandes quantidades como o Su57 ou o F35, e não como o J -20 ou o F-22. Isso também explica o provável fim do FC-31, caça da categoria de 25 toneladas, e não de 33 toneladas como o J-11.

J11B 01 Notícias de Defesa | Aviões de combate | Construção de aeronaves militares
O J11B, reconhecível pelo seu radome preto que abriga o novo radar EASA, será provavelmente a última versão da família J11.

O fracasso observado do programa Gyrfalcon ainda deixa dúvidas sobre as reais capacidades da indústria chinesa para produzir aeronaves de combate de nova geração por conta própria, com uma relação desempenho/preço comparável às das aeronaves ocidentais e russas. A este respeito, os programas JJ e JH-XX funcionarão muito provavelmente como indicadores das capacidades aeronáuticas industriais e militares do país nas próximas décadas e, portanto, do potencial comprovado do Império Médio para desafiar a supremacia militar nos Estados Unidos. e seus aliados.

Nota: A ilustração principal deste artigo não representa o “JJ”, cuja aparência é desconhecida.

Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos