Os programas de defesa europeus estão no ritmo tecnológico certo?

Embora as três principais potências militares mundiais, os Estados Unidos, a China e a Rússia, pareçam ter entrado numa nova corrida armamentista tecnológica, as indústrias europeias continuam envolvidas em programas cujo calendário parece estar fora de sincronia com o ritmo tecnológico dado por estas superpotências. No entanto, se a contraprogramação pode ser uma ferramenta eficaz para a conquista do mercado, também pode ter consequências muito prejudiciais em determinadas circunstâncias, para a própria sustentabilidade da indústria de defesa europeia. Portanto, como podemos analisar a estratégia europeia, as suas origens e os seus efeitos previsíveis a médio e longo prazo?

Programas europeus contra os tempos

Desde meados de 2010, parece que as três grandes potências militares americanas, chinesas e russas relançaram uma corrida em tecnologia de defesa. Caracteriza-se pela proliferação de contratos para modernizar o equipamento das forças com equipamentos mais modernos e, muitas vezes, por uma ruptura doutrinária com os que estão em serviço, bem como por avanços significativos em campos tecnológicos inteiramente novos, provavelmente modificar profundamente a ação militar. Ao mesmo tempo, os europeus, embora tenham demonstrado uma iniciativa renovada nos últimos anos, continuam principalmente ligados a programas mais convencionais e apenas encaram a disrupção tecnológica num calendário muito mais distante do que o das nações.

Su 57 e S70 Okhotnik B Alemanha | Análise de Defesa | Arquivos
Em 2030, as forças aéreas russas colocarão em campo mais de uma centena de Su-57 e o mesmo número de drones de combate Okhotnik, nenhum destes equipamentos tendo equivalente na indústria europeia.

Foi a China, e especialmente a Rússia, que lançou a actual corrida tecnológica. Do lado russo, caracteriza-se por programas como Su-57 Criminoso, o tanque de batalha T-14 Armata, ou o Sistema antiaéreo S-500. Por outro lado, o país desenvolveu uma série de tecnologias disruptivas que lhe conferem uma vantagem notável sobre a NATO, particularmente em o campo das armas hipersônicas, com o míssil balístico aerotransportado Kinzhal, o míssil antinavio 3M22 Tzirkon e o planador atmosférico Avangard. Soma-se a isso programas de modernização de equipamentos atualmente em serviço, como os tanques T-72B3M ou T-90M, as aeronaves Su-34 e Su-35, os submarinos Anteï e Improved Kilo. O objectivo de todos estes programas é dar à Rússia, até 2030, uma vantagem militar tecnológica e numérica indiscutível sobre a componente europeia das forças da NATO.

Os Estados Unidos tomaram a medida das convulsões em curso e lançaram, desde 2015, uma série de programas destinados a neutralizar o mais rapidamente possível este avanço tecnológico em benefício dos seus potenciais adversários. O Exército dos EUA lançou assim o grande programa BIG-6, com o objetivo de reproduzir os sucessos do programa BIG-5 da década de 70, que viu o surgimento do veículo de combate de infantaria Bradley, do helicóptero UH-60 Black Hawk e do míssil Patriot, e que lhe deu ascendência tecnológica no campo de batalha por mais de 30 anos. A Força Aérea dos EUA está empenhada numa profunda evolução da sua frota, com o programa F35A para a sua frota de caças, o KC-46 para a sua frota de aviões-tanque e o programa B-21 para sua frota de bombardeiros estratégicos. Quanto ao Exército dos EUA, o objetivo é atingir um nível operacional até 2030, para poder enfrentar o desafio colocado pela Rússia e especialmente pela China. Prejudicada pelas consequências de vários programas mal concebidos e com utilização intensiva de crédito, como os destróieres Zumwalt ou as corvetas LCS, a Marinha dos EUA parece estar hoje em retirada, especialmente porque é incapaz de quadrar o círculo que representa o seu planeamento. Mas tem feito progressos significativos em termos de navios autónomos, sejam de superfície ou submarinos, ao ponto de representarem agora para muitos uma solução preferida para responder ao fortalecimento da marinha chinesa, e das suas capacidades tecnológicas navais.

raider X sikorsky Alemanha | Análise de Defesa | Arquivos
Em 2030, o Exército dos EUA contará com helicópteros de nova geração dos programas FLRAA e FARA, como aqui o Raider-X da Sikorsky, finalista da competição FARA

A Europa, por seu lado, simplesmente não tem em curso nenhum programa de avanço tecnológico com um prazo operacional antes de 2035, ou mesmo 2040. O programa decaça FCAS de nova geração Franco-Alemão não entrará em serviço antes de 2040, e Programa MGCS Next Generation Tank aponta para 2035 como data de entrada em serviço. No que diz respeito aos programas de helicópteros, todos eles permanecem desconcertantemente clássicos face à aos programas FARA ou FLRAA americana. Actualmente não existe nenhum programa avançado relacionado com armas hipersónicas, ou sistemas capazes de combater estas armas. Na verdade, até 2035, na melhor das hipóteses, os exércitos e as indústrias europeias colocarão em campo aeronaves de combate da geração Rafale ou o Typhoon, tanques de batalha da geração de Leopard 2 ou Leclerc, helicópteros da geração Tiger ou NH90. Provavelmente não terá nenhum equipamento como canhões eléctricos ou mísseis hipersónicos, nem terá qualquer outra tecnologia identificada como potencialmente perturbadora do campo de batalha de 2030...

As razões para esta banca europeia

Obviamente, esta desconexão temporal e tecnológica não é consequência de um único fator. Na verdade, é o resultado de diversas decisões e avaliações de situações ao longo dos últimos 30 anos. Em primeiro lugar, é a doutrina dos “Benefícios da Paz” que deve ser posta em causa. Após o colapso do bloco soviético, os líderes europeus empreenderam uma rápida redução dos recursos militares à sua disposição, devido ao desaparecimento do adversário que justificava os gastos com defesa durante mais de 50 anos. O objectivo era obviamente reduzir os orçamentos dos exércitos, ou pelo menos deixar de os aumentar, o que foi perfeitamente implementado pelas chancelarias europeias durante mais de 25 anos. Os limitados recursos de que os exércitos dispunham na época não permitiam a renovação atempada dos equipamentos nem a correção da sua obsolescência. Na verdade, desde 2015 e o fim desta doutrina um tanto idealizada, os exércitos europeus concentraram os seus recursos não para se prepararem para 2030, mas para alcançarem 2010.

Leopard 2 Noruega Alemanha | Análise de Defesa | Arquivos
Le Leopard 2 continuará a ser o único tanque pesado europeu em produção até 2035, tendo as correntes dos franceses Leclercs e do britânico Challenger II sido desmanteladas há mais de 20 anos.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Alemanha | Análise de Defesa | Arquivos

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos