O eurofundamentalismo do Ministério das Forças Armadas prejudica as capacidades de equipamento dos Exércitos?

Durante quase uma década, o Ministério da Defesa, hoje Ministério das Forças Armadas, e a Direcção Geral de Armamentos, que supervisiona todos os programas industriais das Forças Armadas, têm dado quase sistematicamente preferência a uma visão europeia dos programas de Defesa. Assim durante a sua última audiência o delegado geral dos Armamentos Joel Barre, descartou a possibilidade de dar preferência ao Falcon X da Dassault Aviation para a substituição do Atlantique 2 da Patrouille Maritime, caso o programa MAWS tivesse que ser executado sem a Alemanha (que acaba de pedido 5 American P-8A Poseidon para substituir os seus mais antigos P-3C), argumentando que existem outras soluções “na Europa” para este tipo de aeronaves.

A resposta de Joël Barre é característica do estado de espírito que reina hoje entre as elites dominantes que pilotam programas de defesa. Apesar de os muitos contratempos registados no domínio da cooperação europeia no domínio da defesa, estas autoridades continuam a dar prioridade sistemática a uma visão de cooperação europeia de programas, mesmo que isso signifique minar o tecido industrial de defesa nacional, minar o seu papel como piloto da investigação francesa e degradar o investimento económico, social e orçamental do investimento industrial de defesa, o aquele que pode constituir o pulmão que permite aumentar os investimentos em defesa sem ter de ser financiado por dívidas ou impostos adicionais.

Justificativas muito questionáveis

Para justificar o tropismo europeu seguido por Paris em quase todos os seus programas de defesa lançados desde o início de 2010, são apresentados numerosos argumentos, sejam eles económicos, tecnológicos ou de massa industrial crítica. Contudo, todos estes argumentos, sem exceção, não suportam uma análise metódica e objetiva. Assim, o argumento apresentado relativamente à partilha de custos foi, em diversas ocasiões, denunciado nomeadamente pelo Tribunal de Contas, através de análises a posteriori dos programas. Por exemplo, o programa FREMM, apresentado como um motor da cooperação franco-italiana, acabou por permitir apenas reunir 15% dos navios franceses e italianos, devido às expectativas divergentes dos dois países. Segundo o CdC, o programa teria custado exactamente o mesmo valor se tivesse sido pilotado inteiramente a partir de França (para navios franceses). Da mesma forma, podemos ver que o programa Eurofighter Typhoon reunindo Grã-Bretanha, Alemanha, Itália e Espanha, terá custado mais do dobro em termos de I&D em comparação com o programa Rafale liderado apenas pela França, e que o próprio avião, embora na melhor das hipóteses em pé de igualdade com o caça francês, custa 20% mais para comprar do que este último. E os custos e atrasos observados em programas como Euromale, NH90 e A400M? Na realidade, na maioria das vezes, os constrangimentos ligados à cooperação geram custos adicionais que neutralizam a distribuição dos investimentos entre os participantes.

A Marinha Francesa terá 6 FREMM e 2 FREMM DA Análises Défense | Jatos de combate | Aviação de Patrulha Marítima
Os FREMMs franceses da classe Aquitânia e Alsácia e seus colegas italianos da classe Bergamini compartilham apenas 15% dos componentes comuns.

Outro argumento frequentemente apresentado é tecnológico. De tudo, isto é o mais questionável, porque a indústria de defesa francesa (ainda) tem capacidade para conceber e fabricar a grande maioria dos seus próprios componentes e equipamentos. A crescente dependência dos componentes europeus não resulta de uma ausência de know-how tecnológico, mas de escolhas políticas, destinadas a fornecer garantias aos parceiros europeus da França. Foi assim que Paris favoreceu a aquisição dos petroleiros Volcano desenhados pela Fincantieri, embora os estaleiros franceses tivessem naturalmente o know-how para tal projecto. Esta ordem foi um forte acto político no quadro da reaproximação naval entre a França e a Itália, uma reaproximação que acabou por chegar ao fim, mas que permitiu à França gastar mil milhões de euros, o equivalente a 1 empregos anuais, na indústria italiana, sem qualquer retorno político ou industrial (pelo contrário, tendo a Fincantieri minado repetidamente as negociações francesas com alguns dos seus clientes).

O último argumento apresentado é o da massa crítica industrial, segundo a qual a produção em larga escala permitiria reduzir os custos unitários e simplificar a manutenção e o desenvolvimento dos equipamentos. É verdade que este argumento teve o valor de um dogma industrial durante as últimas três décadas. Mas o trabalho recente de Will Roper no âmbito do programa americano NGAD mostrou que este não era o caso e que as restrições associadas a grandes séries, particularmente em termos de evolução repetida, neutralizaram os benefícios esperados desta abordagem. Aqui, novamente, o exemplo típico é o programa Rafale, que em última análise evolui melhor do que o Typhoon, a um custo inferior, embora até recentemente a sua base instalada fosse quase 3 vezes inferior à das aeronaves europeias, minando este paradigma. É certamente preferível poder distribuir os investimentos em I&D por um maior número de equipamentos produzidos, mas aqui, mais uma vez, as restrições impostas pela cooperação geram custos adicionais que neutralizam os benefícios esperados de grandes séries.

Parceiros que não compartilham da mesma visão


LOGO meta defesa 70 Análises Defesa | Aviões de combate | Aviação de Patrulha Marítima

O restante deste artigo é apenas para assinantes

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
todos os artigos sem publicidade, a partir de € 1,99.


Assinatura de boletim

Registre-se para o Boletim Informativo de Meta-Defesa para receber o
últimos artigos de moda diariamente ou semanalmente

- Publicidade -

Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos