Um comitê parlamentar suíço analisará as condições para a seleção do F-35 na Suíça

A escolha, pelas autoridades suíças, do F-35A e do sistema antiaéreo Patriot para a modernização das forças aéreas e da defesa antiaérea suíça em junho passado havia causado o fluxo de muita tinta, inclusive digital, de ambos os lados dos Alpes. Na verdade, até uma reunião improvisada entre o presidente dos EUA Joe Biden e Guy Parmelin, seu homólogo suíço, oA imprensa suíça deu a Rafale francês, mas também o sistema antiaéreo franco-italiano SAMP/T, amplamente favorecido da competição, e apenas uma semana após os anúncios oficiais. A tal ponto que até a Dassault Aviation antecipou esse sucesso, e começou a preparar sua comunicação sobre o assunto. Mal se reuniu com o presidente americano, que viera a Genebra para se encontrar com Vladimir Poutine, quando a imprensa suíça foi informada, menos de 48 horas depois, que o F-35A como o Patriot seriam os vencedores.

Quando a decisão foi anunciada, as autoridades responsáveis ​​pelo processo especificaram que o Lockheed-Martin F-35A tinha superado todos os seus concorrentes em quase todas as categorias de avaliação, e totalizou uma pontuação global muito superior à dos outros concorrentes, que, mais uma vez, foi totalmente contra as numerosas declarações não oficiais feitas nas semanas anteriores e veiculadas pela imprensa especializada, que deram precisamente esta mesma clara vantagem ao Rafale Francês. Agravantemente, os documentos de trabalho da Armassuisse, entidade responsável pelo processo de avaliação dos diversos dispositivos, terão sido alegadamente destruídos, permitindo apenas considerar a conclusão final do processo, e não avaliar o progresso alcançado. os 2 anos de competição.

IMG 3537 2 Defesa Notícias | Jatos de combate | Construção de aeronaves militares
Le Rafale O francês foi considerado o grande favorito na competição suíça durante os últimos meses da competição, até o encontro entre o presidente Joe Biden e Guy Parmelin em Genebra

Questionados sobre certos resultados, para dizer o menos questionáveis, desta avaliação, como o fato de que o F-35A parecia ser a aeronave mais econômica para usar em Berna, embora, ao mesmo tempo, a Força Aérea dos EUA fosse - até iniciou uma queda de braço com o Congresso americano para reduzir o volume do F-35A encomendado justamente por motivos de custos de posse "muito maiores" do que o previsto, estes argumentaram sobre o fato de que não era sua responsabilidade verificar a realidade do dados transmitidos pelos fabricantes. Em outras palavras, Armassuisse teria considerado pelo valor de face os dados fornecidos pela Lockheed-martin em termos de custos de propriedade, sem nem mesmo notar que eles diferiam muito. dados publicados pela USAF e pelo Comitê de Defesa da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. Além disso, parece que os critérios de cooperação industrial, os mesmos que constituíam um grande trunfo para a Dassault Aviation como para o Airbus DS, teriam sido consideravelmente subvalorizados no processo, para desgosto dos próprios fabricantes suíços, principais perdedores em este caso.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Notícias de Defesa | Aviões de combate | Construção de aeronaves militares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos