As 5 vantagens de Rafale enfrentando o Super Hornet para a aviação naval indiana

Le Rafale M1, a primeira aeronave do programa destinada à aeronáutica naval francesa, está hoje no centro das atenções da Dassault Aviation e de toda a equipe Rafale. De fato, é esta aeronave que foi enviada em 6 de janeiro para a base aérea naval indiana em Goa demonstrar sua capacidade de ser implementado a partir de uma plataforma do tipo Ski-Jump, e não a partir de um porta-aviões equipado com catapultas. Estes testes, o primeiro dos quais teve lugar esta manhã e decorreram nominalmente, vão durar até ao início de Fevereiro e permitirão validar não só a capacidade do aparelho de aspirar ar deste trampolim, mas também validar o seu desempenho nesta configuração, nomeadamente em termos de capacidade de carga em termos de combustível e armas, que influenciam simultaneamente o peso à descolagem e o arrasto que o Rafale e seus dois turbojatos M88 terão que compensar para decolar.

O concorrente de Rafale nesta competição que envolve 36 a 57 aeronaves destinadas a operar a partir dos dois porta-aviões equipados com trampolim da Marinha da Índia, o INS Vikramaditya atualmente em serviço e INS Vikrant, que está concluindo seus testes operacionais, não é outro senão o F/A-18 E/F Super Hornet da americana Boeing, que deverá passar pela mesma fase de testes do Rafale em Goa durante o mês de Março. Nesta competição decisiva entre os dois fabricantes, o Rafale A França tem vários activos muito importantes, 5 no total, susceptíveis de convencer Nova Deli e a Marinha Indiana face aos numerosos argumentos e pressões exercidos por Washington para favorecer o seu próprio aparelho.

1- Pequenas dimensões com consequências importantes

A primeira vantagem Rafale nesta competição nada mais são do que as suas dimensões reduzidas, em particular contra o Super Hornet. Com comprimento de 15,27 m e envergadura de 10,86 metros, o Rafale é na verdade 3 metros mais curto e 3 metros mais estreito que o Super Hornet, tem 18,62 metros de comprimento e envergadura de 13,62 m. Acima de tudo, é menor que o Mig-29K, com 17,3 metros de comprimento e 12 metros de envergadura, aeronave que hoje equipa as flotilhas de combate da aviação naval indiana e em torno da qual foram projetados os porta-aviões indianos. As consequências destas dimensões reduzidas das aeronaves francesas são de facto muito importantes para a Marinha Indiana, uma vez que não exigirá qualquer adaptação da infra-estrutura existente a ser implantada a bordo dos porta-aviões existentes, nomeadamente no que diz respeito aos dois elevadores que permitem a transferência da aeronave da cabine de comando aos hangares. No entanto, parece que devido à sua extensão, o Super Hornet exigiria, por seu lado, modificações significativas nestas infra-estruturas, conduzindo a custos adicionais, imobilização de navios e atrasos adicionais.

Análise de defesa IAC1 INS Vikrant | Jatos de combate | conflito indo-paquistanês
O novo porta-aviões indiano INS Vikrant será declarado operacional este ano. Tudo o que precisa é de caças modernos para se tornar um poderoso navio de combate.

Por outro lado, estas dimensões reduzidas permitirão aos porta-aviões indianos embarcar mais de Rafale do que o Super Hornet. Assim, o INS Vikramaditya só será capaz de acomodar e operar 10 ou 11 Super Hornets na melhor das hipóteses, em comparação com 14 Rafale. No entanto, o poder operacional de um porta-aviões, a sua capacidade de se defender e de atacar, depende directamente do número de aeronaves que é capaz de mobilizar, e uma diferença de 30 a 40% no formato do caça a bordo constitui naturalmente um grande desafio, especialmente face aos navios chineses que transportam cerca de vinte J-15. Note-se que, segundo a imprensa indiana, o Rafale também seria compatível com os espelhos de pouso e travamento dos porta-aviões indianos, ao contrário do Super Hornet.

2- Desempenho potencialmente superior

Se o Super-Hornet é mais imponente que o Rafale, também é mais pesado, com uma massa vazia de 14,5 toneladas em comparação com 10,2 toneladas do avião francês. A área das asas das duas aeronaves é relativamente próxima, sendo 45,7 m2 para o Rafale em comparação com 46,5 m2 do Super-Hornet. Para se impulsionar, o F/A 18 E/F carrega dois reatores F414 da General Electrique, cada um desenvolvendo 63,2 KN a seco e 97,9 KN com Pós Combustão, onde os dois M88 do Rafale desenvolvem apenas 50 KN a seco e 75 KN com pós-combustão. Contudo, a capacidade de transporte de combustível e armas do Super-Hornet, 15 toneladas para uma massa máxima à descolagem de 29,5 toneladas, é estritamente idêntica à do Rafale com peso máximo de decolagem de 25 toneladas.

Petroleiro Super Hornet USS Gearld Ford EMALS Análise de Defesa | Jatos de combate | conflito indo-paquistanês
com uma massa vazia superior a 4 toneladas superior à Rafale M, e uma área de asa equivalente, o Super Hornet consome muito mais energia para transportar a mesma carga que o Rafale.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Análise de Defesa | Aviões de combate | Conflito indo-paquistanês

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos