Como a guerra russo-ucraniana redesenhou o mapa geopolítico global em poucos dias?

Além a heróica resistência dos ucranianos e do seu presidente contra as forças russas, e a óbvia mudança de estratégia no plano de ataque do Kremlin, regressando a uma estratégia mais convencional mas também muito mais violenta contra as populações civis, a decisão de Vladimir Putin de lançar esta ofensiva contra a Ucrânia causou, à escala internacional, uma onda geopolítica de uma magnitude nunca vista desde a queda do Muro de Berlim. Porque se os militares russos subestimaram seriamente a capacidade de resistência dos militares, mas também dos civis ucranianos, o Kremlin, por seu lado, subestimou profundamente a unidade e a resposta que os ocidentais vão mostrar, e os europeus em particular, transformando este conflito que inicialmente deveria durar apenas alguns dias, num impasse entre a Rússia e os europeus de uma intensidade comparável à da crise dos euromíssil. A partir de agora, é o próprio regime de Vladimir Putin que está na mira dos Europeus, tão determinados que os Americanos e os Chineses permanecem, por enquanto, notavelmente discretos.

O despertar brutal dos europeus

Até ao início da ofensiva russa, muito poucos líderes europeus consideraram que um ataque tão massivo pudesse ocorrer. É verdade que entre as campanhas de influência muito eficazes levadas a cabo pelos meios de comunicação social e pela diplomacia russa junto de numerosos centros de opinião e grupos de reflexão, e o apoio prestado por Moscovo, directa ou indirectamente, a certos partidos políticos e a alguns dos seus líderes, muitos líderes europeus e eleitos, representantes preferiram desviar o olhar dos inúmeros sinais que mostravam, desde 2012, a trajetória seguida pela programação militar do país, seu controle cada vez mais firme sobre sua própria opinião pública e a radicalização de seu discurso no cenário internacional. Confortado pela passividade dos ocidentais e especialmente dos europeus, Vladimir Putin forjou a certeza de que este nunca iria atrapalhar suas ambições, quaisquer que fossem suas ações, enquanto, ao mesmo tempo, os Estados Unidos não podiam confrontar sistematicamente a Rússia e a China.

zapad2021 set2021 Alemanha | Alianças militares | Análise de Defesa
Para levar a cabo a operação militar na Ucrânia, o Kremlin empreendeu um plano de modernização e investimento das suas forças armadas iniciado em 2012, com o objetivo de criar a maior força militar moderna da Europa

de o início do ataque russo à Ucrânia, e a surpresa gerada por uma ofensiva global que visa objectivos que vão muito além do Donbass, a maioria dos líderes europeus e, mais genericamente, dos responsáveis ​​eleitos nacionais e europeus, tomaram subitamente consciência do seu erro de julgamento, conduzindo a uma dinâmica de uma uma determinação crescente no velho continente, indo muito além das fronteiras da União ou mesmo da NATO. Em poucos dias, a Europa transformou-se numa potência política, conseguindo pôr de lado todas as tensões que lhe opunham há poucos dias e que agora parecem muito insignificantes face ao sofrimento ucraniano e os riscos de conflagração colocados pelas posturas do Kremlin. Foi assim que, em menos de uma semana, os europeus conseguiram implementar um plano de sanções económicas de grande determinação, que já teve graves repercussões na economia russa, empenhar-se num apoio activo à Ucrânia e até satisfazer as expectativas do Presidente Zelensky para que o seu país pode aderir à União, próximo do pior cenário para o Kremlin.

Apoio maciço à Ucrânia e rápido rearmamento dos europeus

Para além destas posturas políticas e económicas muito mais do que simbólicas implementadas pela União Europeia, transformou-se também, em poucos dias, numa grande potência geopolítica em formação, ao anunciar a sua decisão de apoiar militarmente, a par da ajuda prestada pelo Os próprios países europeus, a Ucrânia na sua luta. Se este desejo foi apoiado durante muito tempo por Ursula von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia e antiga Ministra da Defesa de Angela Merkel, por Charles Michel, Presidente do Conselho Europeu e antigo Primeiro-Ministro belga, e ela representou o elemento estratégico objectivo do presidente francês, encontrou a rejeição da maioria das outras capitais europeias, temendo um enfraquecimento da NATO. Hoje, porém, é a UE, e não a NATO, que lidera o ataque contra o Kremlin, com a NATO a agir de forma mais discreta, mas igualmente eficaz, para reforçar a postura defensiva dos próprios países europeus, mostrando de facto que os dois órgãos não poderiam apenas colaboram, mas que encontraram nesta articulação uma complementaridade que reforça a sua eficácia respectiva e comum.

Mig29 Bulgária Alemanha | Alianças militares | Análise de Defesa
a União Europeia pretende transferir para a Ucrânia aviões de combate retirados das forças aéreas da Europa de Leste, que utilizam aeronaves do mesmo tipo que as tradicionalmente utilizadas pela força aérea ucraniana

Mas foi sem dúvida a mudança de postura da Alemanha que deu início à mudança europeia, através da voz do Chanceler Olaf Sholtz num discurso perante o Bundestag no domingo, anunciando a rápida reconstrução das capacidades militares alemãs através de um plano de investimento que inclui um envelope excepcional de 100 mil milhões de euros e um orçamento que excederá 2% do PIB. De repente, os europeus compreenderam que tinham capacidade económica e demográfica para construir poder militar suficiente para neutralizar as forças armadas russas, especialmente porque agora é mais do que provável que Paris e Londres também se envolvam num programa semelhante, tendo estes três países europeus sempre equilibraram os seus investimentos em defesa desde a remilitarização da Alemanha Federal.

Equilíbrios do mundo transformado


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Alemanha | Alianças militares | Análise de Defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos

Meta-Defesa

GRÁTIS
VISTA