Como a guerra na Ucrânia transformará o planejamento estratégico na Europa?

Há apenas 3 semanas, poucos no Ocidente acreditavam que a Rússia iria de facto travar uma guerra global de agressão contra a Ucrânia. Para muitos, o envio de força russa em torno da Ucrânia tinha como objectivo forçar o Presidente Zelensky a curvar-se sobre a sua adesão à NATO e o estatuto das repúblicas separatistas de Donbass. Para os mais bem informados, como o Estado-Maior dos Exércitos Franceses, e como discutimos em um artigo de 23 de fevereiro, os riscos militares e políticos associados a tal ofensiva não compensavam os benefícios potenciais, pelo que tal decisão parecia irracional e, portanto, improvável. Desde 24 de Fevereiro e o início da ofensiva russa, a situação geopolítica e de segurança na Europa evoluiu radicalmente, derrubando muitas certezas e conduzindo a mudanças por vezes radicais de postura, como quando a Alemanha anunciou um aumento espectacular no seu próprio esforço de defesa.

Além essas principais implicações estratégicas, este conflito é também rico em lições sobre a nova natureza da guerra moderna e destaca certos aspectos até então percebidos de forma diferente ou secundária pelos exércitos ocidentais e por aqueles que determinam o seu destino. Neste artigo estudaremos várias destas lições que tocam no cerne das capacidades, formatos e horários dos exércitos europeus, e que devem agora ser tidas em conta para responder à realidade operacional observada no campo de batalha.

1- A reavaliação da ameaça convencional russa

A maior surpresa deste início do conflito está inegavelmente ligada à muitas falhas que afetam os exércitos russos. É verdade que a resistência ucraniana surpreendeu, mas a falta de eficácia das unidades russas terá uma grande influência na Europa. Na verdade, mesmo que estes fracassos não ponham, de forma alguma, em risco o sucesso da actual ofensiva, levaram a perdas registadas em duas semanas de combate superiores às registadas durante um ano de guerra no Afeganistão durante a intervenção soviética de 1979. até 1989. Além disso, como o conflito ainda está longe de ser concluído, é provável que estas perdas russas continuem a acumular-se e a deteriorar gravemente os instrumentos militares e a força dos exércitos russos, prejudicando gravemente as capacidades operacionais convencionais russas durante muitos anos. .

Ka52 derrubar Alemanha | Alianças Militares | Análise de Defesa
As perdas russas agora chegam a 6000 mortos de acordo com as baixas estimativas do DoD americano, sugerindo que mais de 25.000 soldados russos foram colocados fora de ação desde o início do conflito, ou seja, quase 15% das tropas engajadas em solo ucraniano.

No entanto, nos últimos anos, uma grande maioria das decisões de defesa tomadas pelos líderes europeus assumiram um exército russo eficiente e ameaçador, precisamente no domínio convencional, levando os europeus a aproximarem-se dos Estados Unidos, percebidos como o único capaz de neutralizar esta ameaça. . Obviamente as coisas mudaram drasticamente em 2 semanas. Não só os exércitos russos mostram menos eficiência, mas todo o instrumento de defesa russo luta para apoiar uma operação militar face a um adversário que está tecnologicamente superado e tem pouca profundidade estratégica.

Estas conclusões têm duas consequências importantes para o planeamento e para o calendário estratégico europeu. Em primeiro lugar, parece agora óbvio que os Europeus, sob a forma de uma coligação, são hoje potencialmente capazes de conter uma ofensiva convencional russa, mesmo apesar dos seus meios terem sido desgastados por 30 anos de subinvestimento, e isto sem terem de depender da protecção americana. Além disso, a Europa tem agora um mínimo de dez anos para reconstruir e dimensionar as suas próprias ferramentas de defesa, incluindo em certas áreas tecnológicas críticas, os exércitos russos também devem aproveitar este período para reconstituir as suas forças antes de serem capazes de recuperar uma capacidade operacional significativo o suficiente para representar uma ameaça convencional. Finalmente, os europeus sabem agora que não estão a salvo de tal ameaça convencional e/ou estratégica, incluindo no seu próprio território, o que explica os anúncios em cascata da Finlândia, da Baixa, da Eslováquia ou mesmo da Polónia, relativamente ao aumento do seu esforço de defesa. Em qualquer caso, a partir de agora, e qualquer que seja a conclusão do conflito na Ucrânia, os europeus e a Rússia estarão envolvidos numa corrida pelo poder militar com prazo em torno de 2030.

2- o retorno da postura estratégica


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Alemanha | Alianças militares | Análise de Defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

4 Comentários

  1. […] “Αν υπάρχει ένα κομμάτι του εξοπλισμού που δίνει πλήρη ικανοποίησος ς νικές δυνάμεις σε υση, τουλάχιστον στη δημόσια σκηίιν, ε ρκικής κατασκευής ελαφρύ μαχητικό drone TB2 Bayraktar”, σημειώνει το κό ν ιτ meta-defence.fr . […]

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos