O programa do Reator Nuclear Transportável Pele do Pentágono decola

Todos os dias, o Pentágono consome 50 milhões de litros de combustível para as suas forças armadas, e este número poderá mais do que duplicar no caso de um grande confronto. Além dos custos exorbitantes que esse consumo representa, mesmo para um país produtor de petróleo como os Estados Unidos, e do impacto cada vez mais problemático para os cerca de 100 milhões de kg de CO2 lançados diariamente na atmosfera, esta dependência constitui também um problema logístico permanente. dor de cabeça para as forças americanas destacadas fora do território, embora a guerra na Ucrânia tenha demonstrado a imensa vulnerabilidade das cadeias logísticas face aos sistemas de armas modernos e motivado a exploração eficaz de técnicas de guerrilha pela infantaria. Além disso, o problema só aumentará com a entrada em serviço de cada vez mais capacidades operacionais ligadas à produção eléctrica, tais como armas de energia dirigida, veículos de propulsão eléctricos ou híbridos, sistemas informáticos, sistemas de detecção e comunicação cada vez mais potentes e, portanto, energéticos. -intensivo.

A ideia de implantar um minirreator nuclear para produzir a energia elétrica necessária às forças não é nova nos Estados Unidos. Assim, o Pentágono lançou estudos em meados da década de 50 para responder a esta necessidade específica, e o progresso técnico registado nos últimos anos permitiu revigorar este conceito a partir do início da década de 2010. No entanto, teremos de esperar. 2020 para a DARPA assumir oficialmente o projeto, e financia um estudo preliminar para o projeto de um reator nuclear com potência de 1 a 5 GW, capaz de ser carregado a bordo de um contêiner transportável por via aérea de 20 pés. Três empresas foram selecionadas para conduzir esta pesquisa preliminar, BWX Technologies, Inc na Virgínia, Westinghouse Government Services em Washington DC e X-energy em Maryland, e o programa foi oficialmente denominado Programa Pele, em homenagem à deusa do fogo e aos vulcões da mitologia havaiana.

Reator nuclear do Projeto Pele Notícias Defesa | Cadeia de abastecimento militar | Desdobramento de Força - Resseguro
O programa Pelé apresentado em 2020 pela DARPA

Na quarta-feira, 13 de abril, o Departamento de Defesa dos EUA anunciou que o programa Pelé daria um novo passo, com a construção de um protótipo por um dos dois finalistas selecionados, neste caso a BWX Technologies e a X-Energy, prevendo-se que a adjudicação do contrato final ocorra nas próximas semanas. O objetivo anunciado é poder começar a testar o novo reator em 2024 nas instalações do Laboratório Nacional de Idaho, e uma demonstração operacional a partir de 2025, segundo o Dr. Jeff Waksman responsável por este projeto. Em última análise, os reactores Pélé poderão ser transportados por via aérea por aeronaves C-17 sempre que necessário para apoiar o envio de forças americanas, simplificando assim consideravelmente a cadeia logística para apoiar estes esforços.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Notícias de Defesa | Cadeia logística militar | Desdobramento de forças – Resseguro

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos