A Marinha dos EUA oferece 3 opções para o futuro de sua força naval

Durante muitos anos, o planeamento da construção naval da Marinha dos EUA tem sido caótico, para dizer o mínimo, com sucessivos planos e objectivos divergentes, por vezes até contraditórios. O assunto é também objecto de feroz oposição entre senadores e representantes republicanos, apoiantes de uma frota enorme, e os seus homólogos democratas que desejam manter o orçamento da Defesa sob controlo. Para além das ambições por vezes fantasiosas apresentadas nos últimos anos, e dos numerosos impasses entre o Pentágono e os parlamentares americanos, particularmente no que diz respeito à retirada de certos edifícios, foi, portanto, necessário que a Marinha dos EUA apresentasse uma estratégia de planejamento naval coerente e razoável, de modo a antecipar e manter sob controle o aumento do poder das forças navais de alguns países, em particular da China e da Rússia. E o plano apresentado esta semana pelo Estado-Maior da Marinha dos EUA responde a esta necessidade, ao mesmo tempo que se enquadra no contexto particular do equilíbrio de forças políticas nos Estados Unidos.

Na verdade, o plano apresentado não se baseia em um, mas em 3 hipóteses, oferecendo aos legisladores americanos a possibilidade de arbitrarem eficazmente num determinado quadro as orientações desta estratégia naval, bem como as ambições americanas nesta área, e assim confrontá-los, de certa forma, com as suas próprias responsabilidades, para além de posturas partidárias e estéreis que têm dificultado esses esforços há anos. As duas primeiras hipóteses baseiam-se num esforço orçamental constante sem um aumento significativo dos investimentos federais na construção naval para além da compensação da inflação, é verdade um parâmetro importante nos últimos anos do outro lado do Atlântico. A terceira hipótese baseia-se num esforço acrescido nesta área, com um aumento orçamental total de 75 mil milhões de dólares entre 2025 e 2045. Estes planos dizem apenas respeito a navios com tripulação, a estratégia que visa equipar a Marinha dos EUA com 89 a 149 navios autônomos até 2045 independente desse esforço.

destruidor da classe burke Análise de Defesa | Construções Navais Militares | drones navais
Com a aposentadoria dos cruzadores Ticonderoga até 2027, e enquanto se aguarda a chegada dos novos destróieres DDG(x), o DDG51 Arleigh Burkes será o único grande combatente de superfície da Marinha dos EUA por vários anos.

As duas primeiras hipóteses propõem um trade-off relativamente simples, uma vez que a primeira depende de um maior número de grandes navios de combate em detrimento do formato geral da Marinha dos EUA, enquanto a segunda propõe uma redução no número destes grandes navios. para financiar mais navios de médio porte e submarinos de ataque. Assim, a primeira hipótese propõe, para 2045, uma frota composta por 10 porta-aviões nucleares, 75 destróieres, 44 fragatas e LCS, 55 submarinos de ataque nuclear, 47 navios anfíbios, 46 navios logísticos e 29 navios de apoio. Na segunda hipótese, a frota é reorganizada com 10 porta-aviões (-), 70 contratorpedeiros (-5), 49 fragatas e LCS (+5), 60 submarinos de ataque nuclear (+5), 40 navios anfíbios (-7), 51 navios de logística (+5) e 29 navios de apoio, bem como um primeiro novo submarino nuclear com mísseis de cruzeiro, para um total de 322 navios em comparação com 318 na hipótese 1. Na verdade, a primeira hipótese favorece o poder de fogo, um destróier transportando o dobro muitos mísseis como uma fragata e um submarino de ataque nuclear combinados, mas um menor potencial de distribuição de força, enquanto o segundo propõe uma maior capacidade de distribuição, mas menos poder de fogo.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Análise de Defesa | Construção Naval Militar | Drones navais

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

3 Comentários

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos