Le Rafale mais favorito do que nunca na Índia contra o Super Hornet

Para modernizar a sua frota de caças a bordo e armar o novo porta-aviões INS Vikrant que entrará em serviço em 2 de setembro, a Marinha Indiana lançou uma competição envolvendo inicialmente 57 dispositivos de bordo. Após avaliações iniciais, duas aeronaves foram selecionadas para continuar a competição, o americano Boeing F/A-18 Super Hornet Block III e o Dassault Rafale M francês. Os dois caças participaram nomeadamente numa campanha de testes de trampolim na base aérea naval de Goa, no início do ano, tendo ambos demonstrado a sua capacidade de utilizar este tipo de dispositivo para alçar voo sem catapulta. A Boeing está a aumentar a comunicação com a imprensa indiana, a fim de agradar a opinião pública, embora seja difícil, nesta área, ofuscar a excelente imagem pública na Índia de Rafale e seu antecessor, o Mirage 2000. A aeronave francesa é, por sua vez, a grande favorita, posição reforçada pelos últimos anúncios da Marinha Indiana.

Na verdade, o seu vice-chefe do Estado-Maior, vice-almirante SN Ghormade, confirmou um boato que circulava há vários meses antes da imprensa na terça-feira, segundo o qual a ordem da Marinha indiana não se referiria a 57 aeronaves como inicialmente planejado, mas apenas em 26 caças, estes na frente desempenhar o papel de uma solução provisória enquanto se aguarda a chegada do futuro caça bimotor embarcado (Twin-Engined Deck Based Fighter ou TEDBF) desenvolvido pela Agência Indiana de Armamentos, DRDO. Neste contexto, o Rafale M da Dassault Aviation tem vantagens decisivas para vencer o seu rival americano, enquanto a concorrência tem sido, até agora, bastante indecisa.

Análise de defesa FA18ESuper Hornet | Jatos de combate | conflito indo-paquistanês
De acordo com o “Plano de Navegação 2045” apresentado pela Marinha dos EUA, terá retirado de serviço todos os seus Super Hornets até 2040/2045

Do ponto de vista do desempenho, ambos os dispositivos evoluem num lenço de bolso. Assim, se o Super Hornet tiver turbojatos F-414 mais potentes que os M-88 franceses do Rafale, a aeronave americana também é muito mais pesada que sua contraparte francesa, a potência adicional de seus motores apenas compensa a massa vazia adicional do F/A-18. Em termos de capacidade de carga, inclusive em trampolim, as duas aeronaves demonstraram desempenhos muito semelhantes, ainda que a configuração aerodinâmica do Rafale equipado com designs canard e carga alar inferior à do Super Hornet, a aeronave francesa favorece a aeronave francesa em termos de raio de ação com carga igual. Em termos de capacidades de detecção e autoprotecção, as duas aeronaves também apresentam desempenhos comparáveis, se não semelhantes, tal como no que diz respeito às armas de bordo, o Rafale tendo a vantagem do míssil ar-ar de longo alcance Meteor e do muito eficiente MICA NG, o Super Hornet e do míssil ar-solo anti-radiação Harm. No entanto, o Rafale pode contar hoje com um cronograma de produção e desenvolvimento de longo prazo muito mais rico e sereno do que o do Super Hornet, que não estará mais em serviço na Marinha dos EUA até 2040/2045, e que não será mais adquirido por ela além 2023.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Análise de Defesa | Aviões de combate | Conflito indo-paquistanês

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

4 Comentários

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos