5 revelações surpreendentes sobre o exército russo na Ucrânia

Apenas algumas semanas antes do início da ofensiva russa na Ucrânia, a imprensa polaca ecoou os resultados de um exercício de simulação muito perturbador. Designado “Zima-2020” (inverno 2020), mostrou que uma ofensiva russa contra a Polônia veria a queda de Varsóvia em apenas 4 dias, e todos os pontos-chave do país em apenas uma semana. Quatro semanas depois, as forças russas que lideravam a ofensiva em Kyiv foram bloqueadas nos subúrbios da cidade e sofreram perdas muito pesadas de um exército ucraniano muito combativo, mas ainda mal equipado e desorganizado. Um mês depois, Moscou decidiu retirar sua força no norte da Ucrânia, para tentar se voltar para Donbass e Kharkiv, que continuaram resistindo descaradamente às sucessivas ofensivas realizadas pelas tropas russas e seus auxiliares do Donbass e do sul do país. para tomar Mariupol e assim fazer a junção com o Donbass por um lado, e para tomar Odessa por outro. Hoje, sabemos que apenas Mariupol acaba cedendo após uma luta de raro heroísmo, enquanto as forças ucranianas lançam, há alguns dias, vastas ofensivas para retomar parte do território perdido no Donbass contra Kherson.

Obviamente, a percepção do poder militar russo mantida por especialistas, sejam militares ou civis, era amplamente errônea. O comportamento das tropas russas na Ucrânia, mas também a eficiência do equipamento e do comando, puseram em causa muitas certezas que existiam antes desta guerra. Entre essas descobertas e revelações surpreendentes, 5 delas merecem um olhar mais atento: as falhas de planejamento e inteligência, as dificuldades de ação de armas combinadas, a debilidade do poder aéreo, a ineficiência da força naval e a resiliência do país e os exércitos em face das perdas.

1- Falhas de planejamento e inteligência russos

Até 23 de fevereiro de 2022 à noite, muitos especialistas militares, bem como a maioria dos serviços de inteligência, com a notável exceção dos Estados Unidos, consideravam improvável, até impossível, uma ofensiva russa contra a Ucrânia. Na pior das hipóteses, foi, segundo eles, um novo desdobramento de forças nas fronteiras ucranianas para influenciar as negociações com a Europa e a OTAN. Para esses especialistas, não se tratava de ingenuidade em relação ao regime russo, nem de complacência equivocada de seu presidente, mas de uma análise factual da situação. De fato, a força militar implantada por Moscou, pouco mais de 200.000 homens, nas fronteiras da Ucrânia, parecia muito limitada para garantir a vitória sobre os cerca de 300.000 defensores ucranianos, mesmo levando em conta a superioridade então assumida pelo comando russo, material, poder de fogo, poder aéreo e tropas.

Análise das Forças Armadas Ucranianas Defesa | Jatos de combate | Conflito russo-ucraniano
As autoridades militares e civis russas obviamente subestimaram severamente a resistência dos ucranianos, pois superestimaram as capacidades de suas próprias unidades.

Além disso, se a ofensiva não conseguisse atingir seus objetivos em poucas semanas, os exércitos russos poderiam se ver severamente prejudicados em suas manobras pelo degelo no norte e leste do país. Em outras palavras, os exércitos russos não dispunham de meios para realizar com calma uma ofensiva tão ampla geograficamente quanto as que os desdobramentos de forças poderiam sugerir. O resto, claro, nós sabemos. A ofensiva russa foi interrompida em Kyiv, Kharkiv e Donbass, e apenas a frente sul permitiu que os exércitos russos obtivessem ganhos territoriais substanciais. A chegada do degelo no final de março obrigou o Estado-Maior russo a retirar suas tropas do norte do país, incapazes de manobrar efetivamente, enquanto sofria perdas crescentes e pesadas de unidades ucranianas mais leves e muito móveis.

Claramente, a operação militar russa sofria de sérias deficiências, tanto no planejamento quanto na inteligência. Os estrategistas russos, em primeiro lugar de quem Vladimir Putin adornou com todas as virtudes, incluindo o talento de um grande mestre em questões de xadrez, obviamente não foram capazes de prever os reveses aos quais os exércitos seriam expostos, e tinham subestimaram seriamente o espírito de luta e a capacidade de resistência dos próprios ucranianos, bem como de seus líderes. Até hoje, ainda não sabemos as razões de tais erros, que, no entanto, pareciam óbvios para os analistas ocidentais. É provável que, como muitas vezes acontece, vários fatores concomitantes tenham gerado tal fracasso, desde a pressão exercida pelo poder até a superavaliação das capacidades operacionais das unidades russas em um contexto de corrupção endêmica, bem como a séria subavaliação do potencial de resistência e mobilização do poder ucraniano. O fato é que, obviamente, a superioridade estratégica e tática dos exércitos russos, ainda assumida no início do ano de 2022, foi amplamente prejudicada por um exército formado por recrutas e reservistas, e é provável que se "Zima 2020 ” fossem repetidos hoje, os resultados seriam muito diferentes.

2- Dificuldades das unidades russas em termos de ação de armas combinadas


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Análise de Defesa | Aviões de combate | Conflito russo-ucraniano

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos