Quais são os 4 pilares que farão da China a superpotência militar do mundo em 2035?

Se hoje a China continuar a ser ultrapassada pelos Estados Unidos, poderá muito bem, em 2035, tornar-se a primeira superpotência militar do planeta, apoiando-se em quatro pilares eficazmente controlados.

Com 2 milhões de soldados, menos de 3000 tanques modernos, mil aviões de combate de 4ª geração e apenas dois porta-aviões e cerca de trinta destróieres, os exércitos chineses estão, pelo menos no papel, longe de representar um adversário com potencial fora do alcance dos Estados Unidos. Estados Unidos, e menos ainda do campo ocidental como um todo.

No entanto, a construção militar empreendida por Pequim durante cerca de trinta anos é hoje a obsessão dos soldados e estrategistas americanos, a tal ponto que todos os desenvolvimentos materiais e doutrinários empreendidos através do Atlântico ao longo dos últimos dez anos apenas visam “conter o aumento da poder dos exércitos chineses.

Na verdade, para além da percepção instantânea das forças de Pequim hoje, a China depende de 4 pilares estratégicos que poderiam, se executados correctamente, tornar o país a principal potência militar do mundo até 2035., e dar-lhe vantagens estratégicas que serão muito difíceis para os Estados Unidos. Estados e seus aliados para combater.

1- Uma estratégia tecnológica ambiciosa mas comedida;

Ao longo da Guerra Fria, a estratégia ocidental teve como objectivo neutralizar a superioridade numérica das forças soviéticas e dos seus satélites do Pacto de Varsóvia, apoiando-se, em grande parte, numa vantagem tecnológica suficiente para actuar como um multiplicador de força.

A Guerra do Golfo de 1991 confirmou, de certa forma, a relevância desta doutrina, tendo as forças da coligação eliminado os exércitos iraquianos utilizando principalmente equipamento soviético em apenas algumas semanas de campanha aérea e 100 horas de combate terrestre, embora a coligação tenha desembarcado as forças estavam em pé de igualdade numérica com os exércitos iraquianos.

Para os Estados Unidos, e grande parte de seus aliados, ficou demonstrado que a superioridade tecnológica trazia uma vantagem operacional líquida, podendo compensar até certo ponto uma fraqueza numérica.

Foi assim que, do outro lado do Atlântico, uma euforia tecnóloga tomou conta do Pentágono, com o desenvolvimento de numerosos programas com ambições desproporcionais que resultaram em fracassos retumbantes, como os destróieres Zumwalt, o helicóptero de combate Comanche ou as inúmeras tentativas de substituição do M2 Bradley

A superpotência militar da China está construindo um investimento significativo para desenvolver equipamentos modernos e de alto desempenho
O J-10C não é superior ao F-16, mas está longe de ficar em desvantagem em relação à aeronave americana

Os estrategas chineses também aprenderam lições valiosas desta guerra. Para eles, se um dia um dia enfrentar os exércitos ocidentais, era necessário primeiro neutralizar o gradiente tecnológico destas forças, não tentando desenvolver equipamentos mais eficientes do que os Estados Unidos ou os europeus, mas dotando-se de equipamentos suficientemente próximos dos seus, para que o multiplicador do coeficiente que estava em plena força durante a Guerra do Golfo, viu-se neutralizada.

Não há, portanto, nada de surpreendente em notar que o caça monomotor J-10 oferece desempenhos e capacidades muito próximos aos do F-16 e do Mirage 2000, que o J-11 se aproxima dos do F-15 e que o J-16 tem muito pouco a invejar do F-15E. Quanto ao J-20, tal como o J-35 actualmente em testes, provavelmente não se equipararão ao F-22 ou ao F-35, mas também não permitirão que estas aeronaves obtenham uma vantagem decisiva.

Na verdade, ao longo dos últimos 15 anos, muitos novos equipamentos chineses foram claramente inspirados em design e desempenho por aqueles que constituem a maior parte das forças ocidentais, como o helicóptero Z-20 em comparação com o UH-60, o Black Hawk e a sua versão naval. MH-60 Romeo, o avião de transporte Y-20 versus C-17, o destróier Tipo 052D versus os destróieres Arleigh Burke, ou mesmo o avião radar embarcou KJ-600 em relação ao E-2D Hawkeye.

Os Estados Unidos não são a única fonte de “inspiração” para os engenheiros de Pequim, como demonstra o canhão montado num camião PCL-181 inspirado no CAESAR francês. Mais recentemente, pudemos observar um certo encurtamento do tempo de resposta chinês às inovações ocidentais, por exemplo a apresentação de uma cópia do drone de combate XQ-58A Valkyrie, embora este ainda esteja apenas “na fase de protótipo”.

pcl 181 Equilíbrio de poder militar | Alianças Militares | Análise de defesa
A relação entre o novo PCL-181 chinês e o CAESAR francês é óbvia

A China não se abstém obviamente de realizar certos avanços tecnológicos decisivos, como no caso das armas hipersónicas, por exemplo, mas a parte essencial da sua estratégia actual baseia-se efectivamente na neutralização do gradiente tecnológico ocidental, de modo a privar os Estados Unidos de este ativo que serve como multiplicador de forças em caso de confronto.

Além do mais, para não desencadear uma corrida armamentista como as vividas pelos Estados Unidos e pela União Soviética na década de 50, Pequim permanece inteiramente comedida nas suas ambições, nunca procurando explorar excessivamente a sua vantagem, incluindo a entendida numericamente. Pelo menos por enquanto.

2- Planejamento operacional e industrial exemplar

Se a China não quer fazer da tecnologia de defesa um activo decisivo, mas simplesmente neutralizar esse activo nas mãos do Ocidente, é porque possui outros activos, muito mais exclusivos. A primeira delas nada mais é do que a excepcional qualidade do seu planejamento de defesa operacional e industrial há cerca de trinta anos.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Equilíbrio de poder militar | Alianças militares | Análise de Defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

6 Comentários

REDES SOCIAIS

Últimos artigos