A Marinha Francesa quer modelar sua estratégia de capacidade em programas aeronáuticos

Quando entrou em serviço em 2002 na flotilha 12F da aeronáutica naval para substituir seu antediluviano F-8F Crusader, o primeiro Rafale Os fuzileiros navais foram entregues no padrão F1, que então só tinha capacidade ar-ar. Mas desde o início do programa, a escalabilidade do dispositivo e o planeamento das versões estiveram no centro da estratégia seguida pelo Ministério da Defesa e pela Equipa Rafale. Foi assim que, em 2005, a Aeronáutica começou a receber seus primeiros Rafale B e C para o padrão F2, especializado em ataques Aéreo-Terrestre para substituir a retirada dos Jaguares franco-britânicos SEPECAT, seguido em 2009 por Rafale F3, capaz de realizar ambas as missões, tanto para Rafale B e C da Força Aérea que o Rafale M da Marinha Francesa, conferindo-lhe o estatuto de aeronave multifuncional. Desde então, surgiram outras 3 versões sucessivas, o F-3O4T e depois o famoso F-3R, efetivamente omnirole e capaz de realizar simultaneamente missões ar-ar, ar-solo, ar-superfície e reconhecimento, e para as quais o 144 Rafale já entregues às forças aéreas francesas foram transportados a partir de 2018. A partir de agora, a Dassault Aviation e a equipe Rafale estão desenvolvendo a versão F-4 que deverá chegar em 2024 e que dará à aeronave capacidades emprestadas da famosa 5ª geração de aviões de combate, seguida em 2030 pela versão F5 que deverá permitir Rafale para controlar e evoluir ao lado de drones de combate.

Esta gestão da escalabilidade de forma flexível e planeada oferece inúmeras vantagens, tanto do ponto de vista operacional como do ponto de vista industrial e comercial. Em primeiro lugar, isto permite efetivamente que os dispositivos evitem a obsolescência, com desenvolvimentos regulares a cada cinco anos, oferecendo novas capacidades adaptadas às ameaças e necessidades em evolução. É assim que Rafale O próximo F4 receberá uma nova versão do seu sistema de autodefesa SPECTRA, bem como um novo míssil ar-ar MICA NG, de modo a adaptar a capacidade de sobrevivência e letalidade do dispositivo às mudanças nos meios disponíveis para potenciais adversários de França e seus clientes. Não é de modo algum surpreendente constatar que os primeiros operadores estrangeiros do Rafale, Egito e Catar, também mudaram seus Rafale F3 rumo à versão F-3R, enquanto todos apontam agora para a versão F4, atestando o rigor desta estratégia industrial e operacional seguida pela Dassault e pelas forças aéreas francesas.

RAFALE Análise de Defesa F4 | Aviões de combate | Construções navais militares
A escalabilidade de Rafale constitui um dos grandes trunfos do programa e também do dispositivo, na França e no cenário internacional

Além disso, esta abordagem oferece muitas vantagens tanto do ponto de vista orçamental como em termos de competitividade da oferta internacional. De fato, embora a maioria da frota em serviço precise evoluir a cada 5 anos, essa solução permite que o fabricante e seus subcontratados garantam a sustentabilidade de sua ferramenta de produção ao longo do tempo. Enquanto uma mudança de versão representa um investimento industrial equivalente a 20% da produção de um novo aparelho, uma frota de 450 aparelhos a longo prazo gerará, ao longo de cinco anos, uma atividade produtiva equivalente à produção anual de 18 novos dispositivos. , ou seja, um ritmo industrial amplamente suficiente para sustentar a ferramenta industrial ao longo de toda a vida operacional da frota de 30 a 40 anos. Essa visibilidade também permite que os fabricantes planejem a amortização de seus investimentos em infraestrutura, equipamentos de produção e mão de obra de forma segura ao longo do tempo, melhorando o desempenho orçamentário do programa. Falando no âmbito do Projeto de Lei das Finanças 2023 perante a Assembleia Nacional, o Chefe do Estado-Maior Naval, Almirante Pierre Vandier, anunciou que pretende, no futuro, inspirar-se nesta abordagem evolutiva recorrente para os seus próprios navios.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Análise de Defesa | Aviões de combate | Construções navais militares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos