Mais uma vez, o presidente RT Erdogan se opõe à adesão da Suécia e da Finlândia à OTAN

Não surpreendentemente, O presidente turco, RT Erdogan, anunciou na sexta-feira passada que se oporia à adesão da Suécia e da Finlândia à OTAN, isto apesar dos recentes esforços envidados por Estocolmo e Helsínquia para satisfazer as exigências das autoridades turcas. Tal como anteriormente, o chefe de Estado explica a sua decisão, que se revela estar a bloquear a adesão dos dois países escandinavos à Aliança Atlântica por exigir a unanimidade de votos, pelas políticas seguidas pelos dois países em matéria de asilo, e particularmente com em relação a certos membros do Partido dos Trabalhadores Turco ou designados como tal por Ancara, mas também em relação aos apoiantes dos pregadores Fethullah Gulen, opositor do Presidente Erdogan, e acusado pelas autoridades turcas de estar na origem da tentativa frustrada de golpe de Estado 2016. Para o presidente turco, seria uma questão de evitar reproduzir o mesmo erro de quando a Grécia aderiu à aliança atlântica, obedecendo à passagem de que os dois países aderiram conjuntamente à NATO em 18 de Fevereiro de 1952, e que a Turquia não tinha então o direito de opor-se à adesão de Atenas.

De momento, não se detectou qualquer reacção oficial relativamente ao anúncio feito pelo Presidente Erdogan na sexta-feira, nem da Casa Branca nem de outras capitais europeias. No entanto, o Supremo Tribunal sueco rejeitou ontem Pedido de extradição de Ancara para o jornalista Bulent Kenes, ex-editor-chefe do diário de oposição Zaman Daily, exilado em Estocolmo há vários anos. O argumento apresentado pelas autoridades suecas relativamente à independência do sistema judicial sueco, um conceito provavelmente obscuro para o Presidente Erdogan, claramente não convenceu as autoridades turcas, que protestaram veementemente. No entanto, há poucas dúvidas de que as autoridades suecas tinham previsto tal resultado, uma vez que o pedido de extradição apresentado por Ancara infringia as leis suecas e era muito improvável que pudesse ser autorizado pelos juízes do Supremo Tribunal sueco.

Bulent Kenes e1671449112398 Defesa Notícias | Alianças Militares | caças a jato
O pedido de extradição do jornalista da oposição Bulent Kenes foi rejeitado pelo Supremo Tribunal Sueco.

No entanto, o caso de Bulent Kenes revela verdadeiras ambições turcas. Na verdade, embora inicialmente Ancara tivesse anunciado que pretendia obter várias dezenas de extradições de “terroristas” de Estocolmo e Helsínquia, apenas um procedimento nominal formal foi realmente iniciado pelas autoridades turcas, ainda mais no caso de um jornalista, sabendo com toda a certeza que o as chances de sucesso eram mínimas. Por outras palavras, os argumentos avançados pelo Presidente Erdogan relativamente à recusa dos dois países escandinavos em aderir à NATO tiveram desde o início muito pouca materialidade e foram, portanto, apenas engodos destinados a velar os reais objectivos de Ancara, em particular no que diz respeito ao levantamento da Sanções americanas e europeias relativas certas tecnologias de defesa que permitem ao país continuar os seus ambiciosos programas de equipamento militar, mas também para obter a benevolente neutralidade ocidental em relação às ambições demonstradas por Erdogan na Síria, Iraque e no Cáucaso, bem como a neutralidade de facto face às tensões com Atenas.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Notícias de Defesa | Alianças militares | Avião de combate

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

2 Comentários

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos