O Top 5 dos armamentos mais eficientes da Ucrânia

Desde o início da agressão russa, em 24 de fevereiro, a Ucrânia tornou-se relutantemente a maior plataforma de testes de sistemas de armas russos, ucranianos e ocidentais, após 30 anos de conflitos larvais e assimétricos que não permitiam análises comparativas objetivas. Dentre esses sistemas, alguns demonstraram sua eficácia, a ponto de se tornarem famosos, inclusive entre o público em geral. Mas quais são os 5 sistemas de armas que mais se destacaram desde o início deste conflito, a ponto de evoluirem certos designs que há muito foram elevados à categoria de dogma nos exércitos ocidentais e mundiais?

5 – O drone TB2 Bayraktar: Türkiye

O drone Medium Altitude Long Endurance ou MALE tornou-se, nos últimos trinta anos, um componente-chave da ação militar moderna. No entanto, a sua baixa velocidade, fraca manobrabilidade e falta de furtividade sugeriam que, se se mostrassem eficazes e mesmo formidáveis ​​durante os chamados conflitos de baixa intensidade, enfrentando forças insurgentes mal equipadas com sistemas antiaéreos, seriam demasiado vulneráveis ​​para serem utilizados. em conflitos de alta intensidade. E as numerosas perdas de drones deste tipo, sejam americanos, chineses ou turcos, durante a guerra civil na Líbia, mas também na Síria, pareciam atestar a hipótese. No entanto, o drone ligeiro MACHO TB2 Bayraktar, ponta de lança da empresa turca Baykar, tem repetidamente desempenhado um papel decisivo neste conflito, seja assediando a coluna russa que se dirigia para Kiev no início do conflito, utilizando munições ligeiras e guiando os ucranianos. ataques de artilharia, mas também localizando e iscando o cruzador Moskva, o que permitiu que os mísseis anti-navio Netuno atacassem e afundassem a nau capitânia da Frota Russa do Mar Negro.

drone TB2 Alemanha | Análise de Defesa | armas estratégicas

Fundamentalmente, as reservas sobre a vulnerabilidade dos drones MASCULINOS num ambiente contestado também foram confirmadas durante o conflito, e a frota TB2 ucraniana pagou um preço elevado pelos seus confrontos com a defesa antiaérea russa, uma vez colocada em vigor. A tal ponto que, a partir de agora, o drone turco quase não é mais utilizado perto da linha de combate ou em operações ofensivas, preferindo os ucranianos drones mais leves, menos caros e mais difíceis de engajar para missões de reconhecimento e orientação de artilharia. No entanto, é inegável que o TB2 desempenhou um papel decisivo nos primeiros meses desta guerra, embora desde então tenha marcado os seus limites. Também convenceu no cenário internacional, nada menos que 27 países que adquiriram ou fizeram encomendas do sistema turco, segundo Baykar.

4- O canhão antiaéreo Gepard: Alemanha

No final da década de 60, a Bundeswehr comprometeu-se a equipar-se com um canhão autopropulsado para uso antiaéreo, a fim de fortalecer a proteção próxima de suas unidades blindadas e mecanizadas contra aviões de combate e helicópteros soviéticos. Foi assim que nasceu o Flakpanzer Gepard, que é baseado em um chassi de tanque Leopard uma torre armada com dois canhões Oerlikon de 35 mm com alta cadência de tiro dirigida por um radar Doppler pulsado de banda S, um radar de controle de fogo de banda Ku, bem como um sistema de mira eletro-óptico, proporcionando capacidade de engajamento e detecção estendidos, inclusive contra alvos lentos ou pequenos e num ambiente de guerra eletrônica. Ao longo dos anos, porém, a chegada massiva de munições aéreas de precisão, que permitem aos aviões de combate largá-las a grandes altitudes, fora do envelope de fogo da artilharia, mas também de munições stand-off, ou seja, lançadas de uma distância segura, levou os exércitos a abandonar os sistemas antiaéreos baseados na artilharia terra-ar, para substituí-los por mísseis capazes de atingir alvos em altitudes mais elevadas e a distâncias maiores. No início do conflito ucraniano, sistemas antiaéreos como o Gepard pareciam pertencer ao passado.

Visão geral do Gepard 1a2 Alemanha | Análise de Defesa | armas estratégicas

Desde então, tal como o TB2 ou o Javelin, o Gepard tornou-se um dos símbolos da resistência ucraniana, embora apenas cerca de trinta destes sistemas tenham sido entregues a Kiev pela Rheinmetall, e Berlim esteja a lutar para fornecer os projécteis ao seu aliado. 35 mm, face à recusa da Suíça em ceder os seus stocks de munições para não se envolver neste conflito com a Rússia. Na verdade, o Gepard provou ser um dos sistemas mais eficientes para interceptar mísseis de cruzeiro russos, mas acima de tudo para destruir os drones Geranium II de longo alcance, que não são outros senão os drones suicidas Shahed 136 adquiridos ao Irão. O Gepard não só é capaz de detectar, perseguir e destruir Geranium passando num raio de 3 km, mas também precisa apenas de algumas dezenas de projéteis de 35 mm para destruir seu alvo, portanto um custo compatível com o preço do alvo estimado em US$ 20.000, onde o menor míssil antiaéreo leve ultrapassa US$ 300.000. Embora se espere que a ameaça de munições à espreita de longo alcance se expanda (veja abaixo), é provável que o sucesso do Gepard na Ucrânia promova o retorno ao favor da artilharia antiaérea, pelo menos na expectativa de sistemas de energia direcionados. .

3- O canhão CAESAR: França


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logo Metadefense 93x93 2 Allemagne | Analyses Défense | Armes stratégiques

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

3 Comentários

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos