Diante da possível chegada de Su-35 e S-400 ao Irã, Israel formaliza pedido de 25 F-15EX da Boeing

As tensões entre Jerusalém e Teerã estão, hoje, no centro da instabilidade estrutural do teatro do Oriente Médio. Estes são principalmente o resultado dos confrontos recorrentes entre as forças armadas israelenses e o xiita Hezbollah no Líbano, bem como aqueles com as milícias iranianas na Síria. Nos últimos anos, no entanto, essas tensões experimentaram um endurecimento muito perceptível, em torno dos programas de mísseis balísticos, mísseis de cruzeiro e drones de longo alcance desenvolvidos pela indústria de defesa iraniana, dando a seus exércitos capacidades de ataque eficazes contra o território israelense e, em particular, contra seu território crítico. infraestruturas. Acima de tudo, o progresso alcançado pelo programa nuclear iraniano está agora no centro das preocupações imediatas de Jerusalém, que estima que Teerã estaria a apenas alguns meses de ter material físsil refinado suficiente para construir sua primeira bomba nuclear.

De fato, há mais de dois anos, as forças aéreas treinam para realizar ataques de longo alcance, para poder, se necessário, atacar as infraestruturas nucleares e os locais de mísseis no Irã. Para isso, a Força Aérea de Israel adquiriu dois esquadrões de caças furtivos F-35i, uma encomenda de 50 aeronaves, versão derivada do caça F-35A da Lockheed-Martin equipado com sistemas israelenses, além dos 25 F-15i, 50 F-15A/B/C/D e 6 esquadrões de F-16 C/i. Diante do aumento da ameaça iraniana, Jerusalém anunciou, em 2020, sua intenção de comandar um novo esquadrão de F-35i, mas também um esquadrão de novos F-15, encarregando-se o primeiro de eliminar as defesas antiaéreas, o segundo de destruir as infra-estruturas e cobrir a Iluminação contra a caça adversária, se necessário. Devido à instabilidade política do país, apenas a encomenda de 25 F-35i foi efetivamente formalizada. A aproximação cada vez mais flagrante entre Teerão e Moscovo, em torno do conflito na Ucrânia, e as suas consequências na aquisição de armas russas pelo Irão, parecem ter convencido Jerusalém, que teria formalizado, nos últimos dias, o pedido de 25 F-15EX da Boeing, bem como a conversão de seu F-15i para este padrão (além dos comandos de voo elétricos).

F 35I Adir decolagem Análises de defesa HAA | Jatos de combate | conflito sírio
Israel desenvolveu tanques furtivos para aumentar a autonomia de seu F-35i sem alterar sua furtividade

De fato, além a próxima chegada de 24 a 30 Su-35s no Irã, declarações recentes do embaixador russo no Irã, parece indicar que Teerã também poderia receber outros sistemas de armas de Moscou, em particular os sistemas antiaéreos S-400. A Força Aérea de Israel está familiarizada com esse sistema, em serviço na Síria para proteger a infraestrutura russa, e sabe como avaliar seu desempenho. Se tais sistemas fossem implantados no Irã, ao lado de caças Su-35 muito mais eficientes do que os caças em serviço na força aérea iraniana, as restrições aplicadas a uma possível frota de bombardeio e, especialmente, para apoiar aeronaves como os tanques e os avançados aviões de alerta aéreo que deveriam acompanhá-los, seriam de fato muito mais importantes. É neste contexto que o casal F-35i e F-15EX faria sentido.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Análise de Defesa | Aviões de combate | Conflito sírio

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

  1. […] O anúncio do envio dos novos CAESARs provavelmente permitirá que Paris saia por cima da polêmica que está crescendo sobre a entrega de tanques Leclerc, ou mesmo Mirage 2000, para Kiev. Como discutimos há alguns meses, enviar tanques franceses Leclerc para a Ucrânia seria uma decisão muito prejudicial, já que o Exército possui apenas um pequeno número desses tanques, que de outra forma são complexos de implementar e manter, enquanto nenhuma capacidade industrial que poderia possibilitar a substituição desses veículos blindados existentes no país. Ao mesmo tempo, o envio de aviões de combate ocidentais, Mirage 2000 como F-16, é de momento considerado fora de questão por Washington, provavelmente por questões de risco de escalada por parte de Moscovo, quer seja na Ucrânia aumentando ataques contra alvos civis, ou fora deste teatro, seja por ações clandestinas ou pela instrumentação de tensões como no Irã. […]

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos