Estas 7 tecnologias que transformarão a guerra até 2030

Desde o início da agressão russa contra a Ucrânia, muitas análises, inclusive neste site, se concentraram nas várias lições que esses combates de altíssima intensidade trouxeram à tona, como o agora indiscutível papel do tanque, mas também da artilharia, da costa ou defesas antiaéreas e, claro, drones, para falar apenas da questão tecnológica. E, de fato, muitos exércitos desenvolveram seu planejamento militar nos últimos meses justamente para responder a essas lições. Foi assim que a Polónia embarcou num esforço sem precedentes para reconstituir uma força terrestre muito poderosa alinhando 6 divisões, 1250 tanques pesados, pelo menos 1400 viaturas de combate de infantaria, 700 canhões autopropulsados ​​e outros 500 lançadores de foguetes de longo alcance. No entanto, certo número de tecnologias atualmente em desenvolvimento ou difundidas não são, ou muito pouco, utilizadas pela Ucrânia ou pela Rússia nesta guerra, ainda que tenham o potencial de transformar profundamente a condução das operações militares a partir de 2030. Neste artigo, estudará 7 dessas tecnologias críticas emergentes e seu impacto potencial na guerra além de 2030: a chegada massiva de drones, sistemas de defesa ativa, armas hipersônicas, sistemas furtivos e passivos, armas de energia direcionada, sistemas C2 multidomínio e Inteligência Artificial.

1- Drones e Robotização, uma resposta parcial às massas

Drones e, até certo ponto, tecnologias robóticas já são empregadas tanto pela Rússia quanto pela Ucrânia neste conflito. É também o primeiro conflito (e não a primeira vez) em que drones são usados ​​como armas estratégicas para destruir instalações e alvos civis. No entanto, a maior parte dos equipamentos é utilizada ali individualmente, em benefício de um único teatro tático, muitas vezes para realizar reconhecimento, guiar um ataque de artilharia ou atacar o adversário, longe das doutrinas de emprego de drones em curso de difusão nas grandes exércitos do mundo, em particular nos Estados Unidos e na China. Com efeito, nos próximos anos, a utilização de drones tenderá a generalizar-se a todos os níveis operacionais, oferecendo uma vasta gama de serviços que vão desde o reconhecimento à logística, passando por ataques de saturação ou eliminação direcionada. Portanto, se os drones são bem utilizados na Ucrânia, a escala em que se encontram, mas também o desempenho das máquinas como as suas capacidades operacionais, ainda estão muito longe dos materiais em desenvolvimento, como o Remote Carrier e o Loyal Wingmen em a força aérea, navios e submarinos autônomos no domínio naval, ou mesmo robôs autônomos e enxames de drones no domínio terrestre. Além da especialização dos drones, estes também oferecerão capacidades significativas de cooperação e integração com sistemas aliados no campo de batalha, muito além de seu uso atual.

operadora remota 100i operadora remota 200 e1596474079466 Analisa Defesa | Armas e Mísseis Hipersônicos | Armas a laser e energia direcionada
Os drones em desenvolvimento, como os Remote Carriers do programa FCAS, oferecerão desempenhos e capacidades sem comparação com os modelos usados ​​na Ucrânia pelos dois campos

A robotização também entrou no campo de batalha, não apenas através dos vários sistemas totalmente autónomos, mas também dentro de sistemas pilotados, de modo a substituir, sempre que possível, a acção humana. Novamente, isso não é novidade. Assim, os sistemas de carregamento automático dos tanques russos T-72, T-80 e T-90, mas também do Leclerc ou do sul-coreano K2, permitiram reduzir a tripulação do veículo blindado para apenas 3 membros, em comparação para 4 na borda do Abrams ou do Leopard 2 que estão desprovidos dele, substituindo precisamente a estação de carregamento. A robotização permitirá assim não só reduzir as tripulações dos veículos blindados ou de apoio, mas também as dos navios de combate e de muitos outros sistemas. Quer se trate de drones ou de aplicações robóticas, trata-se de substituir sistematicamente pela tecnologia uma missão que, até agora, era da responsabilidade dos soldados, e assim dar uma resposta parcial ao problema das massas, e particularmente em termos de recursos humanos, incluindo reduzindo os efeitos do desgaste naquele que promete ser o elemento mais valioso para os exércitos nos próximos anos, o próprio soldado, cada vez mais difícil de recrutar, treinar e reter.

De facto, em 2030, os drones vão constituir o coração de muitas missões críticas, como a superioridade aérea, o reconhecimento, os ataques em profundidade, a supressão de defesas ou mesmo o apoio de fogo, e isto nos 4 elementos (Terra, ar, mar e espaço ). Os sistemas robóticos, por outro lado, atuarão como um multiplicador de força, permitindo que mais equipamentos sejam alinhados na mesma base da força humana. O domínio das tecnologias robóticas e dos drones vai assim condicionar não só a eficácia das forças, mas também a massa de forças disponíveis, compensando em parte a fragilidade do recrutamento nos exércitos.

2- Sistemas de proteção ativa Soft e Hard-Kill para o retorno do predomínio ofensivo

Desde o fim do Primeiro Mundo, e a chegada simultânea de veículos blindados e aviação tática, as guerras de alta intensidade deram, na maioria das vezes, uma clara vantagem para ofensivas e manobras sobre posturas puramente defensivas. Com exceção de alguns conflitos, notadamente a guerra Irã-Iraque de 1980 a 1988, essa superioridade ofensiva foi muito raramente negada ao longo de todo o século XX para engajamentos de alta intensidade, mesmo que a guerra híbrida e insurgente certamente colocasse problemas muito importantes com os exércitos americanos no Vietnã e os soviéticos no Afeganistão. O início do século XXI parecia fazer parte da mesma dinâmica, como durante a segunda Guerra do Golfo, ou em Nagorno-Karabakh. A partir daí, foi uma grande surpresa para muitos staffs e estrategistas, quando a invasão russa da Ucrânia se transformou em guerra de posição a partir da primavera de 2022, marcando um claro retorno ao predomínio defensivo neste tipo de conflito.

Troféu Abrams e1674662797953 Análise Defesa | Armas e Mísseis Hipersônicos | Armas a laser e energia direcionada
APS hard-Kill como o sistema Trophy aqui montado em um M1A2 Abrams, aumenta significativamente a capacidade de sobrevivência de veículos blindados em combate

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Análise de Defesa | Armas e mísseis hipersônicos | Armas laser e energia dirigida

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

2 Comentários

  1. Caros assinantes,
    Agora você pode trocar com a equipe editorial ou entre si sobre os artigos diretamente através desta interface de comentários. Faremos o nosso melhor para responder a você da forma mais rápida e eficiente possível.
    Por favor, respeite o tema do artigo em seus comentários.
    Metadefesa

REDES SOCIAIS

Últimos artigos