O exército francês pode recorrer ao tanque KF-51? Panther do alemão Rheinmetall?

É isso... eles racharam... É provavelmente nesses termos que a grande maioria dos leitores, pelo menos os mais comedidos entre eles, abordaram este novo artigo com seu título levemente provocativo.

En effet, o novo tanque KF-51 Panther apresentado por seu designer, o alemão Rheinmetall, durante a exposição Eurosatory 2022, é hoje a principal ferramenta nas mãos de seu CEO, Armin Papperger, em uma tentativa de inviabilizar o programa franco-alemão MGCS que visa projetar, justamente, a substituição do tanque francês Leclerc, bem como o Leopard 2 alemão. Desenvolvido com recursos próprios, o Panther é oferecido pela Rheinmetall a qualquer pessoa que demonstre interesse em adquirir um novo tanque pesado, inclusive em montagens que são no mínimo improváveis.

Como, neste caso, podemos imaginar que a França poderia recorrer a este veículo blindado, mesmo desenvolvendo o MGCS e modernizando o Leclerc?

Como sempre, o ponto de vista a partir do qual se aborda um problema condiciona significativamente o raciocínio e, portanto, a conclusão que se pode chegar a ele. Assim, hoje, as autoridades francesas, tal como a opinião pública do país, apoiam activamente o conceito de um exército global para os exércitos franceses, ou seja, uma força armada com a maioria das capacidades necessárias para responder a um campo de utilização muito extensa.

É assim que o Exército tem forças adaptadas ao combate simétrico de alta intensidade e à projeção de forças em ambiente assimétrico, é assim que a Marinha tem uma componente aérea naval que faz inveja a muitos outros países e um know-how em matéria naval supremacia e projeção de poder muito ampla, e que a Força Aérea é capaz de apoiar esses dois exércitos em todos os cenários de emprego.

Além do mais, a França tem um dissuasor de dois componentes, que também é tecnologicamente muito avançado, o que lhe confere um peso aproximadamente igual ao da China nessa área. O que é ainda mais raro, a França possui uma Base Industrial e Tecnológica de Defesa, ou BITD, também global, o que lhe confere grande autonomia de ação e decisão quanto ao emprego de suas forças armadas, além de um importante trunfo no cenário internacional graças às exportações de armas.

Para reforçar a frota de tanques Leclerc, o Exército poderá recorrer ao KF-51? Panther da Rheinmetall?
O Exército modernizará apenas 200 de seus 226 Leclercs ainda em serviço

Para o conseguir, a França dedica vários milhares de milhões de euros todos os anos ao financiamento dos programas de Investigação e Desenvolvimento do BITD, de modo a manter armas que sejam tão eficientes no terreno como atractivas na cena da exportação, o que lhe permite, em particular, acumular quantidades significativas receitas orçamentais e fiscais associadas a este último aspecto e que permitem reduzir a carga orçamental sobre as finanças públicas, nomeadamente graças a determinados equipamentos de exportação estrela, como as aeronaves Rafale, o canhão CAESAR, o submarino Scorpène ou a fragata FDI. Neste contexto, a questão colocada no título deste artigo parece provavelmente desnecessariamente provocativa.

No entanto, desde que estudemos o assunto de forma metódica e objetiva, verifica-se que o projeto de alguns equipamentos, em particular os tanques pesados, gera custos na França que estão longe de serem compensados ​​pelas receitas de exportação, mas também longe de oferecer um retorno operacional suficientemente significativo ou benefício político para justificar tais desenvolvimentos, ao invés de recorrer a soluções propostas por parceiros internacionais, e que se possam revelar mais económicas e menos restritivas tanto para a aquisição como para a implementação destes equipamentos. Nós continuamos ?


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Tanques de Batalha MBT | Análise de Defesa | Orçamentos das Forças Armadas e Esforços de Defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

33 Comentários

    • Ah bom ! Só uma coisa conta, a independência industrial do nosso país e que não tenhamos de nos deitar perante estados estrangeiros para actuar onde a necessidade o exigir! E com isso, temos que dominar todos os setores de armamento, custe o que custar! Temos margens econômicas amplamente suficientes para prescindir dos alemães ou de outros instrutores europeus ou transatlânticos. Isso não agrada aos aproveitadores da globalização, mas vemos todos os dias os limites dessa deriva extranacional. Gastamos "sem contar" somas astronômicas para "ajudar" ou comprar a paz social interna ou externa, que seria mais bem utilizada para promover nossas indústrias, nossas infra-estruturas e, portanto, também nossa independência!

      • Essa é toda a questão: é melhor dar 500 tanques alemães ao exército, ou 250 tanques franceses, com o mesmo orçamento (€ 10 bilhões)?
        A questão surgiu em 1993 para a Marinha, que preferiu adquirir 48 Hornets e não 12 Rafale M. Mas no caso do tanque, também deve ser levado em consideração que a influência política ligada à exportação/importação é relativamente muito baixa porque o uso do tanque é muito mais específico e raro do que o de um avião de combate. Além disso, é claro que se a Dassault até agora exportou muito bem os seus aviões de combate, as exportações de tanques o são muito menos, especialmente porque a concorrência está a tornar-se cada vez mais acirrada.
        Em suma, podemos naturalmente apoiar o conceito de BITD global, mas devemos admitir que isso terá um efeito muito significativo nos formatos dos exércitos franceses.

  1. Dadas as qualidades do K2 sul-coreano e as capacidades de produção da indústria sul-coreana, não haveria interesse em recorrer, como a Polónia, à Coreia para obter rapidamente o que tanto nos falta?

    Existem perspectivas de uma possível colaboração com o BITD coreano ou os laços da Coreia com os EUA proíbem qualquer cooperação global com a França?

    • Sim, a propósito, está no artigo. Mas como a Hanwa já tem um grande parceiro na Europa, podemos supor que as margens de negociação seriam menores do que com a Rheinmetall que parece disposta a fazer de tudo para ter uma primeira referência para o KF51.
      Por outro lado, K2 traria provavelmente menos valor acrescentado do que Panther, em particular devido à integração de um APS duplo hardkill contra tiros tensos e ameaças de mergulho.

  2. Quando observamos os métodos do Sr. Papperger para se impor no acordo franco-alemão inicial, depois para deixar a França e Nexter apenas um papel menor no chamado projeto "comum" e, finalmente, impedir o sucesso do MGCS, um só posso duvidar da possibilidade de obter qualquer coisa da Rheinmetall A idéia parece fazer da FRG a única fabricante de tanques da Europa
    A revista RAID publicou recentemente um HS sobre veículos blindados, lamentando a falta de modernização atempada do Leclerc.No entanto, o autor parece sugerir que a França ainda tem o know-how para criar um sucessor do Leclerc.
    Além do problema de custos e amortização de investimentos em um grande número de blindados produzidos, o que você acha?
    O próprio Leclerc não era movido por uma turbina MTU alemã?

    • A menos que eu esteja enganado, o Leclerc ATF é motorizado francês. É o dos Emirados Árabes Unidos que é MTU motorizado

      • Como resultado, o modelo de exportação não se beneficia da força principal do tanque (que é beta): uma velocidade insana na inicialização (motor hiperbarra)
        Esse recurso torna o tanque extremamente difícil de mirar e acertar para o oponente.

    • Sim, o autor é o Sr. Chassillan, um dos maiores especialistas da Europa no assunto. Não há dúvida de que poderíamos fazê-lo, simplesmente reunindo tijolos tecnológicos existentes. No entanto, a questão é se é apropriado fazê-lo. Este é todo o assunto do artigo.
      Assim, se for necessário investir hoje 5 mil milhões de euros para desenvolver um MBT, e se começarmos com uma frota de 250 MBT, temos um custo distribuído de I&D de 20 milhões de euros por máquina, ou o preço de um segundo tanque. E como o mercado de exportação é muito difícil, não há indícios de que possamos nos “refazer” nas exportações, como é o caso de Rafale por exemplo.
      Além disso, o valor agregado operacional de um MBT nacional é altamente discutível, ao passo que o é muito menos para outros equipamentos que podem ser utilizados em contextos de soberania exclusiva.

  3. Ótimo artigo como sempre.
    Depois, continuo não convencido do interesse de uma grande frota de tanques.
    O conflito ucraniano, em minha opinião, demonstrou acima de tudo que sem o domínio aéreo é um aborrecimento.
    Temos uma fantástica ferramenta de dominação aérea com o Rafale. Aumentar seu volume operacional para 350 exemplares me parece mais interessante taticamente falando.
    Com este zoizo, mais artilharia e mais apoio de fogo e de repente um verdadeiro inferno para um atacante.
    Não esqueçamos a doutrina militar que nos permitiu vencer todas as nossas batalhas: velocidade é vida.
    Na Síria, o Rafaleentrou nas áreas contestadas como manteiga (S300/400), jogou fora as BGUs e voltou para o barco.

    Eu vejo mais um futuro como este do que coortes de veículos blindados atirando uns nos outros o dia inteiro. 🙂 .

  4. Análise muito relevante. Podemos acrescentar (com base em seus artigos anteriores) que uma parte importante do programa (eletrônica, comunicações, etc.): poderia ser fornecida por atores franceses. Resta conciliar a preferência francesa por tanques mais leves e móveis do que os preferidos pelos alemães.

  5. Obrigado a todos por seus comentários informativos.

    Parece-me que a reflexão sobre o dogma do BITD global é necessária, mas que deve levar em conta as lições recentes:

    – se você incluir certos produtos estrangeiros, americanos ou alemães, por exemplo, você não pode mais exportar livremente, então você não amortiza mais seus custos de P&D em possíveis vendas no exterior

    – na pior das hipóteses, você fica preso na água porque não produz mais paracetamol ou outras drogas ou máscaras. chips e você depende da boa vontade de seus fornecedores hoje, que amanhã acenderão o Courbet ou o banirão do Estreito de Taiwan

    Então, sim, o custo unitário é alto, mas pelo menos você tem o produto….

    O BITD é caro, mas é o preço da independência nacional

    Há economias a serem feitas em outros lugares e, como muitos artigos excelentes neste site mostram, agora é a hora de reconstruir uma Defesa Nacional.

    ..

    • Uma coisa é certa, essas trocas são construtivas e relevantes, e não me arrependo nem por um segundo da ativação dos comentários aos assinantes.
      Dando seguimento aos seus comentários, o problema hoje é que o planeamento industrial e tecnológico se baseia em considerações operacionais, industriais e políticas de curto prazo, e apenas raramente integra uma reflexão objectiva real sobre as exportações e, portanto, sobre o conceito de equilíbrio orçamental e sustentabilidade. Isto está ligado a muitos factores, nomeadamente à forma como o orçamento funciona, mas também a um certo conservadorismo que é muito difícil de mover, mesmo com argumentos sólidos. Muitas vezes, os interesses directos e de curto prazo suplantam o pensamento benéfico a médio prazo. O exemplo mais revelador é a decisão do DA de desmantelar a linha M2000, não por falta de perspectiva, mas por receio de que o governo (Fillon na altura) voltasse novamente para o ano 2000 em detrimento do Rafale. Podemos muito bem imaginar o quão bem-sucedida uma linha de 2000 Rafalises teria sido desde 2015-2016 contra o Gripen C e o F16 bloco 70.

  6. O cidadão preocupado com questões de defesa só pode sentir pavor e consternação diante do cenário militar francês que se vê obrigado a contemplar: exércitos reduzidos em número e que não conseguem nem recrutar, nem reter, equipamentos para os quais a qualificação de amostragem é usada com mais frequência, veículos e edifícios mal equipados e mal armados, flagrante falta de munição de todas as categorias, etc.
    Lembro de um excelente artigo, creio que de Michel GOYA, na DSI sobre o tema: quem a França poderia enfrentar vitoriosamente? Irã? , Turquia?: a resposta não era óbvia, ao que parece e a hipótese de uma derrota esmagadora não foi descartada….
    Depois de anos em que o "dividendo da paz" permitiu fazer quase tudo, podemos esperar um retorno a uma lucidez e pragmatismo salutares? fortalecer os pontos fortes do BITD e investir para preencher as lacunas?

  7. Bonsoir,

    Obrigado por este artigo estimulante e pelos comentários que o acompanham.

    Talvez uma ideia maluca, mas estou testando: é realista oferecer à Rheinmetall uma produção sob licença?

    Na ideia:
    – uma parceria de longo prazo;
    – ter uma corrente no hexágono;
    – menos “medo” do desequilíbrio com a Alemanha no tanque do futuro.

    • Foi isto que os húngaros conseguiram com o KF41 Lynx pelo que nada o excluía, pelo contrário uma vez que a Rheinmetall procura desesperadamente uma referência credível para lançar o seu tanque. Também poderíamos discutir com os italianos que desejam adquirir 125 tanques e 200 VCI. Podem surgir sinergias industriais e comerciais interessantes.

      • Quem é capaz na França, por um lado, de projetar e produzir o sistema de propulsão de um novo tanque e, por outro lado, principalmente propor uma solução mais econômica no consumo de combustível do que a de um Abrams, por exemplo?

        Construir um tanque apenas com propulsão elétrica – e não híbrida – é concebível hoje?

        • Casado,
          Não creio que exista um reservatório de energia tão eficiente quanto um tanque de óleo para movimentar tamanha massa.
          A eletricidade também apresenta outros problemas logísticos na ausência de equipar os tanques com CNR (mini reator)….

  8. Passe a espontaneidade soberana de desenvolver sozinho um substituto para o Leclerc, a solução para a rápida ampliação da frota de rafaleÉ atraente!
    E fabricar rapidamente sob licença para aguardar o MGCS em 2045.
    Ainda assim, ainda teríamos o direito de esperar um pouco mais de reciprocidade de nossos amigos do outro lado do Reno…..

    • Você vai entender, o Panther é utilizado aqui como exemplo ilustrativo para refletir sobre a relevância (ou não) de focar em um BITD global. por exemplo, houve muitas críticas à decisão de recorrer à alemã FA HK416 ou à italiana BRF. No entanto, foi o mesmo raciocínio.

      • Sabemos onde está o projeto de aquisição de 1770 tanques pelas autoridades indianas.

        11 profissionais, incluindo KNDS, estavam interessados….
        No entanto, o momento das primeiras entregas seria perfeito para nossos dois países….

        • Não consigo imaginar os indianos, acostumados com o T-72 ou T-90S a menos de US$ 4 milhões por unidade, voltando-se para Leopard US$ 2 a US$ 15 milhões ou para K2 de US$ 10 a US$ 12 milhões. Por esse preço, farão o desenvolvimento local com transferência de tecnologia dos russos que estão apenas esperando por isso para financiar a continuação da família Armata...

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos