As autodefesas japonesas estão reorganizando suas aquisições para antecipar a chegada massiva de drones

Enfrentando simultaneamente um aumento das ameaças e um declínio nos recursos humanos mobilizáveis, as forças de autodefesa japonesas iniciaram uma profunda transformação dos seus futuros programas de equipamento, voltando-se para drones e soluções robóticas sempre que possível.

O endurecimento rápido e maciço das ameaças chinesas e Norte-coreanos na Península Japonesa levou as autoridades japonesas a iniciar profundas mudanças no campo da defesa.

Alémum Livro Branco rompendo com a tradição japonesa nesta área, e a agora assumida ambição de aumentar o esforço de defesa de 1 para 2% do PIB, ou seja, duas vezes o orçamento da França para o mesmo esforço, Tóquio também anunciou vários programas baseados em o uso maciço de capacidades de ataque de longo alcancemas também muitos drones em vez de sistemas que empregam o recurso mais difícil de mobilizar no arquipélago, os recursos humanos.

Se até agora os anúncios eram essencialmente qualitativos, relativos a ambições de longo prazo e programas de desenvolvimento ou aquisição necessária para alcançá-lo, A Agência de Aquisições, Tecnologia e Logística do Japão acaba de divulgar um relatório atualizando as ambições de seus programas em andamento, o que oferece uma visão mais concreta não apenas das ambições, mas também do cronograma que Tóquio almeja.

Neste novo relatório, o número de aeronaves de patrulha marítima Kawasaki P-1 é assim reduzido de 70 para 61 aeronaves, enquanto no final de fevereiro as autodefesas navais japonesas anunciaram que pretendiam veja o MQ-9B SeaGuardian da General Atomics realizar parte das missões de vigilância e patrulha marítima, inclusive no campo da guerra anti-submarina.

Especialmente concebido para realizar este tipo de missão, o SeaGuardian, uma evolução do MQ-9 Reaper, pode transportar 40 sonobóias grandes, ou 80 bóias pequenas, e transporta um poderoso radar Leonardo Seaspray AESA com síntese de abertura inversa, conferindo-lhe uma excelente capacidade naval. capacidades de detecção, inclusive em zonas costeiras. Assim equipado, o drone pode manter uma patrulha de 8 horas a 1.200 km de sua base, essencialmente o mesmo desempenho oferecido pelo P-2.200, além de portar armas.

Forças de autodefesa do Japão recorrem a drones
O MQ-9B SeaGuardian pode transportar até 4 pods, cada um equipado com 10 sonobóias pesadas ou 20 leves.

É provável que a provável chegada do SeaGuardian também tenha desempenhado um papel na decisão anunciada de reduzir a frota de helicópteros SH-60K, com a frota alvo sendo agora de 71 aeronaves nos próximos 20 anos, em comparação com 91 aeronaves nos 15 anos anteriores.

Com efeito, os contratorpedeiros e fragatas japoneses, que implementam precisamente o SH-60K, operam na maioria das vezes em relativa proximidade das costas do país, portanto com o apoio potencial dos SeaGuardians e dos P-1, com constrangimentos de implementação. helicópteros navais a bordo, ainda que estes tenham capacidades únicas, como a possibilidade de utilização de sonar de mergulho e também de detector de anomalias magnéticas, muito úteis para estabelecer a posição precisa de um submersível para entregar a munição.

Por outro lado, a nota produzida pela agência japonesa prevê um aumento significativo no número de aeronaves de apoio à frota de caças, com a aquisição de 18 aeronaves de alerta precoce E-2D Hawkeye face às 13 inicialmente previstas, bem como 15 KC- 46A avião-tanque Pegasus, 5 a mais do que o plano previsto.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logo Metadefense 93x93 2 Planification et plans militaires | Analyses Défense | Contrats et Appels d'offre Défense

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

2 Comentários

  1. […] Para responder a esses déficits recorrentes, as autoridades japonesas empreenderam três ações complementares. Por um lado, foi criada uma comissão com o objetivo de produzir até este verão um conjunto de recomendações para melhorar a atratividade da profissão das armas no arquipélago e, assim, aumentar o recrutamento e a retenção de pessoal. Entre os eixos previstos estão o aumento dos vencimentos para equiparar-se aos salários oferecidos pelo setor privado, mas também a melhoria das condições de vida dos militares e seus cônjuges. O segundo eixo assenta na constituição de uma maior reserva operacional, ainda que segundo o estado-maior japonês, as forças de reserva não atinjam a eficiência operacional das forças profissionais, devido a uma melhor formação. Finalmente, as FADJ iniciaram uma vasta e rápida transição para aumentar a robotização dos exércitos, substituindo sempre que possível as tripulações por inteligência artificial. É a pensar nisso que, há algumas semanas, anunciaram a intenção de substituir os seus helicópteros de combate e reconhecimento por drones, bem como uma grande reorganização das aquisições de equipamentos para se enquadrarem nesta dinâmica... […]

REDES SOCIAIS

Últimos artigos