Romênia, Filipinas, Argentina, Indonésia…: Submarino Scorpene do Naval Group em curta final em vários países

2023 será o ano do submarino Scorpene? Podemos pensar que sim, já que o navio do grupo Naval está na final curta em pelo menos 5 competições internacionais.

Na aeronáutica, o termo "final" designa a trajetória de uma aeronave uma vez alinhada com a pista, os trens de pouso (trem de pouso e flaps) estendidos e em uma planagem que conduz ao pouso. A "final curta", por sua vez, refere-se aos poucos segundos antes do touchdown, quando a aterrissagem é, por assim dizer, inevitável.

Este termo é, de facto, perfeitamente adequado para descrever a situação em que o submarino convencional Scorpene do Naval Group se encontra hoje em várias competições internacionais, na Roménia, Filipinas, Indonésia e Argentina, com grandes possibilidades de uma ou mais destas marinhas escolherem o submarino francês nas próximas semanas ou meses para modernizar suas capacidades subaquáticas.

Inicialmente concebido num projeto conjunto entre a francesa DCNS e a espanhola Navantia para a substituição dos submarinos Agosta da Marinha espanhola, o programa dividiu-se num contexto de denúncias de roubo de propriedade intelectual em meados dos anos 2000 entre os dois fabricantes europeus , para dar o Scorpene do Naval Group, por um lado, e o espanhol S-80, por outro.

O modelo Scorpene na verdade consiste em várias embarcações que variam de 60 a 82 metros de comprimento e um deslocamento de 1600 a 1800 toneladas na superfície. Foi encomendado até o momento em 14 exemplares por 4 fuzileiros navais, Chile para duas unidades que entraram em serviço em 2005 e 2006, Malásia para mais duas unidades que entraram em serviço em 2009, Índia para 6 navios da classe Kalvari que entraram em serviço entre 2017 e 2024, e Brasil para 4 prédios, sendo que o primeiro entrou em serviço em 2022, e os outros 3 entrarão em serviço até 2025.

Frota submarina da classe Kalvari | AIP de propulsão independente do ar | Análise de defesa
O grupo Naval demonstrou na Índia e no Brasil sua capacidade de apoiar as indústrias locais para produzir submarinos Scorpene com os padrões de qualidade exigidos

Além dos desempenhos apreciados pelas marinhas que operam esses navios e da possibilidade de implementar certas capacidades raras, como o míssil antinavio de mudança média SM39 Exocet, o Scorpene também permitiu ao Naval Group demonstrar seu domínio da construção local e transferências de tecnologia, particularmente na Índia e no Brasil.

De fato, hoje, o Scorpene flerta com o recorde de exportação de submarinos da história do Naval Group com os 15 submarinos da classe Daphne exportados entre 1967 e 1975 para Espanha, Portugal, Paquistão e África do Sul.

No entanto, ao contrário desta classe mas também dos concorrentes internacionais do Naval Group, o Scorpene sofre de uma grave desvantagem, pois nunca foi encomendado pela Marinha Francesa que implementa uma frota submarina composta apenas por edifícios com propulsão nuclear. Seja como for, o recorde Daphne pode ser quebrado em breve.

Primeiro na Romênia, depois que o Ministério da Defesa iniciou o processo legislativo em abril passado com o objetivo de autorizar um investimento de mais de US$ 100 milhões na lei de financiamento de defesa de 2023, precisamente para o arranque de um programa de construção de 2 ou 3 submarinos com vista a substituir o seu único submersível, o Delfinul, modelo soviético Kilo que entrou ao serviço em 1985, que hoje já não está apto para ir ao mar e só usado para fins de treinamento para manter certas habilidades.

Se o Scorpene e o Naval Group não são mencionados nominalmente no processo parlamentar, eles se baseiam em negociações iniciadas há vários anos entre Bucareste e o Naval Group. considerado muito avançado por várias indiscrições romenas e francesas sobre este assunto.

Refira-se que este novo programa poderá ainda permitir desbloquear a construção de 4 corvetas anti-submarinas Gowind 2500 atribuídas ao Naval Group em 2019, e desde então enredadas num desacordo entre o estaleiro romeno que deveria construir os navios, e a Naval Grupo que deve realizar transferências de tecnologia, mas também assumir a responsabilidade pelo cumprimento das 4 embarcações.

Grupo Naval Egípcio Corvette Gowind2500 Submarinos | AIP de propulsão independente do ar | Análise de defesa
O programa de construção de 4 corvetas Gowin 2500 poderá aproveitar a dinâmica do Scorpene para sair da rotina em que se encontra há 3 anos

LOGO meta defesa 70 Frota submarina | Propulsão Independente de Ar AIP | Análise de Defesa

O restante deste artigo é apenas para assinantes -

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
todos os artigos sem publicidade, a partir de € 1,99.

- Publicidade -

Para mais

4 Comentários

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos