Por que o formato das Forças Armadas francesas não corresponde ao contrato operacional apresentado pelo Ministro das Forças Armadas?

O contrato operacional apresentado pelo Ministro das Forças Armadas, Sebastien Lecornu, à margem da votação da LPM 2024-2030, é coerente com o formato dos exércitos resultantes da aplicação desta LPM? Está longe de ser óbvio...

Enquanto a Comissão de Defesa da Assembleia Nacional alterou e validou o projeto de Lei de Programação Militar 2024-2030, acrescentando nomeadamente a obrigação de o Estado garantir os 13 mil milhões de euros de receitas excecionais no plano de financiamento, o ministro das Forças Armadas, em parte exasperado com as inúmeras críticas à "falta de ambição" deste LPM que ainda vai ver , e de longe o crescimento orçamental mais significativo das Forças Armadas em 30 anos, fez questão de especificar quais eram os objectivos, nomeadamente ao nível do contrato operacional.

É assim que em um Tweet em sua conta, Sebastien Lecornu quis detalhar o principal contrato operacional confiado aos 3 exércitos. Para o Exército, tratar-se-á de poder destacar uma divisão composta nomeadamente por 2 brigadas de combate, bem como todas as capacidades de comando para supervisionar um Corpo de Exército, de acordo com as atribuições da França na frente sul europeia dentro da OTAN.

A Marinha Francesa, por sua vez, terá que ser capaz de implantar seu grupo de batalha de porta-aviões organizado em torno do porta-aviões nuclear Charles de Gaulle e depois de seu sucessor. Por fim, a Força Aérea e Espacial, por sua vez, deverá poder desdobrar um esquadrão composto principalmente por 40 aeronaves de combate.

Os objectivos assim definidos parecem perfeitamente alinhados com os compromissos da França, nomeadamente face à NATO, e correspondem ao posicionamento da França como grande aliado e poder de equilíbrio avançado pelo executivo.

No entanto, revelam-se também muito superiores às que permitiram definir o formato dos exércitos franceses no quadro do Livro Branco de 2013, enquanto o LPM 2024-2030 se mantém baseado, em muitos aspetos, neste mesmo formato, e isso em relação aos 3 exércitos.

Coloca-se, assim, a questão da coerência entre o percurso traçado pelo futuro LPM, e o contrato operacional apresentado pelo Ministro das Forças Armadas.

Exército: Implante uma divisão de 2 brigadas

Os compromissos relativos ao Exército francês permanecem, mais ou menos, idênticos ao que eram até agora. De facto, a França já supervisiona a frente da Europa meridional da OTAN, devendo por isso assumir não só o comando de um Corpo de Exército constituído por divisões e brigadas de forças locais e aliadas dedicadas a esta frente (como a Bélgica), mas também contribuir para ela com uma divisão composta por 2 brigadas de combate.

Para isso, o Exército conta com 6 brigadas orgânicas divididas em 2 divisões. De acordo com os compromissos da França na OTAN, esta deve poder enviar uma primeira brigada de combate em uma semana, bem como uma segunda brigada em 30 dias.

o formato dos exércitos franceses não corresponde ao contrato operacional definido pelo MINARM

Para o conseguir, as brigadas francesas asseguram uma rotação operacional, com uma brigada a assegurar o alerta, como foi o caso da brigada Serval destacada no Mali em 2013 em prazo muito curto. Uma segunda brigada, que está em treinamento, garante o alerta de 30 dias, enquanto uma terceira brigada também está em treinamento, para poder fazer o alerta por sua vez.

As últimas 3 brigadas estão descansando e se regenerando, principalmente após desdobramentos, e também participam de outros desdobramentos fora da estrutura da OTAN. Infelizmente, esta organização acaba por ser mais teórica do que prática, e a própria OTAN considerava até há pouco que o Exército só poderia assegurar o destacamento de uma brigada reforçada aos 30 dias, e possivelmente de uma segunda brigada aos 90 dias.

O facto é que, para assumir tal postura operacional, seria necessário criar 2 novas brigadas para o Exército, de forma a dispor efectivamente de meios de rotação suficientes para assumir o destacamento sustentado ao longo do tempo de 2 brigadas por encomenda da NATO (não para mencionar um compromisso).

Além disso, deve-se ter em mente que uma parte significativa dos regimentos franceses é especializada, como unidades de infantaria de fuzileiros navais para assalto anfíbio, unidades de pára-quedas para combate aéreo e tropas de montanha .


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Planejamento e planos militares | Alianças militares | Análise de Defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos