Os europeus estão reproduzindo os erros dos Estados Unidos para 'racionalizar' a indústria de defesa?

Durante vários anos, os europeus não pouparam esforços para tentar dar vida a uma indústria de defesa europeia racionalizada, com o objectivo final de aumentar a autonomia estratégica do velho continente.

Foi assim que foram lançadas diversas iniciativas, nomeadamente ao nível da União Europeia, como a Cooperação Estruturada Permanente ou PESCO e o Fundo Europeu de Defesa, destinadas a proporcionar um quadro de cooperação e acesso a créditos para programas de defesa. , realizado por países europeus.

Outras iniciativas, como o programa de aviões de combate FCAS, o tanque de combate MGCS de nova geração, o drone de combate RPAS Eurodrone ou as fragatas FREMM, foram lançadas através de acordos nacionais, por vezes no âmbito da OCCAR (Organização Conjunta para a Cooperação em Armamentos).

Uma declaração clara

É preciso dizer que a observação feita pelas autoridades europeias há alguns anos foi intrigante. Assim, se os Estados Unidos mobilizaram, em 2019, 2.779 aviões de combate pertencentes a 11 modelos diferentes, todos produzidos em solo americano, os membros da União, por sua vez, colocaram em campo apenas 1.700, mas 19 modelos diferentes, mais de metade dos quais foram importados.

Esta situação está longe de ser apenas relativa aos aviões de combate, sendo estritamente idêntica no domínio dos veículos blindados, dos sistemas antiaéreos, dos navios de combate ou mesmo dos helicópteros, ainda que em várias destas categorias a quota de equipamentos europeus se revele superior.

gripe sueca francês rafales treinam juntos1 Tecido Industrial Defesa BITD | Alemanha | Análise de Defesa
Os exércitos europeus utilizam o dobro de modelos de aeronaves de combate que os exércitos dos EUA, embora sejam 50% maiores.

Perante tais números, parecia óbvio que era necessário racionalizar não só os programas de equipamento dos exércitos europeus, de modo a melhorar a interoperabilidade, mas também reduzir custos e melhorar a manutenibilidade e a escalabilidade das frotas, e assim evitar inventar a mesma roda várias vezes. vezes.

Por exemplo, hoje, quatro fabricantes europeus (TKMS, Kockums, Navantia e Naval Group) estão projetando submarinos com propulsão convencional ou AIP, enquanto seis grandes escritórios de design naval (os quatro mencionados anteriormente, bem como Damen e Fincantieri) projetam fragatas, destróieres e grandes combatentes de superfície.

As despesas replicadas em I&D são óbvias e poderiam, de facto, ser poupadas em benefício de mais equipamento para os exércitos e de menos despesas para os governos, muitas vezes expostos a grandes défices públicos.

Um desejo de racionalizar a indústria de defesa europeia

De facto, e previsivelmente, as instituições europeias, tal como os líderes dos países mais inclinados a apoiar esta leitura da situação, como a França ou a Alemanha, comprometeram-se a "corrigir a situação", lançando programas conjuntos, no âmbito da União Europeia instituições ou multilateralmente.

Alguns anos depois, é evidente que o caminho percorrido revelou-se obviamente muito mais caótico do que o previsto, enquanto muitos programas franco-alemães, como o MAWS, o CIFS e o Tigre III, tiveram um destino desastroso, que o FCAS e Os programas MGCS não carecem de tensões e dificuldades, e que os programas europeus fazem frequentemente o mesmo, especialmente quando se referem ao dimensionamento de capacidades, como no contexto da defesa anti-míssil.

No entanto, as recentes declarações através do Atlântico poderão lançar alguma luz sobre as consequências desta estratégia europeia, que é semelhante à aplicada nos Estados Unidos há três décadas.

KMW Leopard2 fábrica e1683202464684 Tecido industrial de defesa BITD | Alemanha | Análise de Defesa
Linha de produção Krauss-Maffei-Wegmann para Leopard 2

Os efeitos perversos do novo cenário industrial de defesa americano

Com efeito, há poucos dias, o antigo negociador-chefe dos programas armamentistas do Pentágono e antigo vice-presidente da gigante Raytheon, fez uma observação contundente sobre a evolução da base industrial e tecnológica dos EUA que é, segundo ele, na origem das dificuldades encontradas pelo Pentágono para modernizar as suas forças e enfrentar o desafio colocado por Pequim e Moscovo.

Na verdade, hoje, as principais empresas de defesa americanas, e em particular o Top 5 composto pela Lockheed-Martin, Boeing, Raytheon, Northrop-Grumman e General Dynamics, alcançaram um tal poder económico, social e político que é impossível para o Pentágono para controlar o aumento dos custos dos equipamentos, devido à falta de concorrência.

Por exemplo, o míssil terra-ar de muito curto alcance Stinger custava US$ 25.000 mil no início dos anos 90, em comparação com US$ 400 mil hojei, ou 7 vezes mais caro, considerando a inflação e a evolução tecnológica.

A indústria de defesa dos EUA aumentou os preços bem acima da inflação desde 1993
Os Stingers enviados para a Ucrânia pelos Estados Unidos custaram ao Exército dos EUA US$ 25 no início da década de 000. Eles estão sendo substituídos por Stingers comprados hoje por US$ 90 da Raytheon.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Tecido industrial de defesa BITD | Alemanha | Análise de Defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos