Com o Rafale F5, a França ainda precisa do FCAS?

Le Rafale F5 agora tem prioridade sobre FCAS! Esta é essencialmente a afirmação feita por Eric Trappier, CEO da Dassault Aviation, durante sua passagem no canal francês de notícias econômicas BFM Business.

Para o gestor, os meios hoje estão voltados para o objetivo de trazer à tona o novo padrão de Rafale para 2030, depois os drones que o acompanharão, enquanto o programa FCAS visa um calendário mais distante.

De forma mais diplomática do que o habitual, Eric Trappier também, durante esta entrevista, renovou as suas preocupações sobre o futuro do programa de aviões de combate que reúne França, Alemanha e Espanha.

Um futuro ainda incerto para o programa FCAS

Com efeito, se as tarefas e a partilha industrial estão relativamente bem definidas no que diz respeito à fase de estudo 1B que antecede a concepção do demonstrador até 2027, a imprecisão permanece para além.

lecornu robles Pistorius FCAS 1B e1683031737378 Aviões de combate | Análise de Defesa | Construção de aeronaves militares
Foi necessária a intervenção conjunta dos três Ministros da Defesa francês, espanhol e alemão para tirar o programa FCAS da rotina em que se encontrava durante um ano.

Claramente, a Dassault Aviation teme um novo impasse com a Airbus DS em torno da pilotagem do NGF (Next Generation Fighter), o caça de combate e primeiro pilar do programa, já na origem das fortes tensões que levaram o programa ao à beira da implosão há apenas dois anos, até que os ministros responsáveis ​​pelos três países assumiram o controlo dela.

O facto é que as preocupações de Eric Trappier são bem fundamentadas. Não só nada está realmente definido para além da fase 1B, como outro programa poderá destruir o frágil equilíbrio em torno do programa FCAS.

As ligações entre os programas FCAS e MGCS

Na verdade, ao mesmo tempo, o outro programa de defesa franco-alemão, o MGCS, é hoje objecto de um grande confronto entre Paris e Berlim, novamente sobre a questão da partilha industrial.

MGCS Konzept 130 mm Turm ohne BEsatzung 211361 1 Rheinmetall Fighters aeronaves | Análise de Defesa | Construção de aeronaves militares
Os programas MGCS e FCAS estão politicamente ligados e o fracasso de um pode muito bem levar ao fracasso do outro.

Acima de tudo, a França pretende impor, durante a próxima reunião entre os ministros Sébastien Lecornu e Boris Pistorius, no final de setembro, a entrada da Itália no programa, de modo a forçar um reequilíbrio salutar do programa. No entanto, isto não parece agradar a Berlim e, em particular, aos seus dois industriais.

No entanto, para Berlim, ou melhor, para o Bundestag, os dois programas MGCS e FCAS estão ligados, particularmente no que diz respeito à partilha de responsabilidades e à gestão industrial: a Alemanha gere o MGCS, a França gere o FCAS, mesmo que seja contestado pela Airbus DS.

Em suma, se o MGCS cair nas próximas semanas ou meses, há grandes probabilidades de que o programa FCAS faça o mesmo. Isto, Eric Trappier, tal como Sébastien Lecornu, sabem perfeitamente bem.

As ambições de Rafale F5 revisado para cima pelo novo LPM

É precisamente aqui que o padrão F5 do Rafale. Com efeito, sem ser apresentado oficialmente como uma alternativa ao FCAS, este novo padrão foi, por ocasião da nova Lei de Programação Militar, adornado com tais atributos que poderia, sem dúvida, pretender sê-lo.

RAFALE F4 e1641823636618 Aviões de combate | Análise de Defesa | Construção de aeronaves militares
A versão F4 do Rafale em breve começará a chegar aos exércitos franceses

A tal ponto que hoje podemos perguntar-nos se, no contexto actual, a França ainda precisa do FCAS com a próxima chegada do Rafale F5?


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Aviação de Caça | Análise de Defesa | Construção de aeronaves militares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

3 Comentários

    • Olá, artigo sábio e que lança uma nova luz sobre as necessidades da França em termos de armamentos. se seguirmos com o processo rafale 5 em vez de scaf, por que fazer um porta-aviões tão grande quando poderíamos fazer 2 se o rafale 5 foi feito em versão marinho?
      pode haver motivos para fazer muitas perguntas sobre este assunto…
      jeans

  1. Fala-se também de um Rafale F5 re-motorizado, o que implicaria uma evolução da fuselagem (como aquelas operadas entre o F18 Hornet e o F18 SuperHornet ou como entre o Gripen E/F e as gerações anteriores).
    Ainda é o mesmo avião neste caso?
    E os custos de desenvolvimento?

    Mas se a evolução da célula e do novo motor permitirem aumentar significativamente a produção elétrica, ter mais opções para a disposição de novos sensores, não seria esta, em última análise, a solução certa?

REDES SOCIAIS

Últimos artigos