As forças de autodefesa japonesas vêem o seu orçamento crescer 12% para resistir ao choque chinês

Tal como Washington e Taipei, Tóquio comprometeu-se, nos últimos anos, a transformar as forças de autodefesa japonesas, para se preparar para um possível conflito com Pequim.

Assim, desde 2019, a trajetória traçada pelas autoridades do país, e pelo Primeiro-Ministro, Fumio Kishida, visa modernizar e ampliar os meios à disposição das suas forças armadas para dissuadir e, se necessário, resistir a um ataque do Exército Popular de Libertação.

Para isso, e após intensas negociações políticas que permitiram, nomeadamente, quebrar o tecto de vidro de um esforço de defesa limitado a 1% do PIB, Tóquio está empenhada em trazer esse mesmo esforço de defesa para 2% do PIB do país, ou 100 mil milhões de dólares, até 2027.

No entanto, as forças de autodefesa japonesas enfrentam dificuldades significativas no recrutamento e retenção de pessoal, ainda mais visivelmente do que para outros exércitos ocidentais, enquanto a demografia japonesa é caracterizada por um rápido envelhecimento da população e até mesmo por um declínio demográfico significativo nas próximas décadas.

17º aniversário do míssil DF70 Orçamentos e Esforços de Defesa das Forças Armadas | Análise de Defesa | Construções Navais Militares
O Exército de Libertação Popular e as suas armas balísticas ou hipersónicas de longo alcance são levados muito a sério pelas autoridades japonesas.

7 bilhões de ienes em 700 para as forças de autodefesa japonesas

É neste contexto marcado por uma grande ameaça, prazos relativamente curtos para reagir, grandes ambições e restrições significativas, que as autoridades do país prepararam o orçamento de defesa para 2024, como parte do plano quinquenal 2022-2027, que prevê uma dotação global de 43 000 mil milhões de ienes, ou 271 mil milhões de euros.

Como seria de esperar, isto é caracterizado por um aumento significativo de recursos, com um orçamento total de 7 mil milhões de ienes, ou 700 mil milhões de euros e um aumento de 12% em comparação com o orçamento de 2023 de 6 mil milhões de ienes (820 mil milhões de euros), já em forte aumento.

Segundo comentários das autoridades do país, este aumento permitirá nomeadamente financiar a construção de um novo posto de comando integrado que reúna as três forças armadas do país, como o Pentágono americano, por um montante de 10,5 mil milhões de ienes.

Acima de tudo, permitirá financiar vários programas anunciados recentemente, como a construção de dois destróieres pesados ​​AEGIS que substituirá o dispositivo AEGIS Ashore abandonado em 2021, para proteger as ilhas japonesas de ataques balísticos da China, Coreia do Norte ou Rússia.

Pré-visualização do navio Arsenal ASEV do Japão e1672148325905 Orçamentos do Exército e Esforço de Defesa | Análise de Defesa | Construções Navais Militares
Visual emitido pelo Ministério da Defesa Japonês sobre o programa ASEV do destróier pesado AEGIS armado para proteção antibalística

Só em 2024, este programa receberá 380 mil milhões de ienes (2,4 mil milhões de euros) para financiar trabalhos de investigação e design nos dois navios que deverão entrar em serviço até ao final da década.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Orçamentos das Forças Armadas e Esforços de Defesa | Análise de Defesa | Construções navais militares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos