Com o submarino Hai Kun, Taiwan consegue mais de uma façanha para enfrentar a ameaça de Pequim

O lançamento do submarino Hai Kun (Narval), o primeiro submarino de fabricação taiwanesa, deu origem a uma cerimônia de escala nacional na presença do presidente Tsai Ing-wen que destacou sua natureza excepcional afirmando que este projecto ainda era considerado impossível de realizar há apenas alguns anos.

E por um bom motivo! Para dar origem a este momento histórico para Taiwan, os militares, os engenheiros, mas também os políticos da ilha tiveram que enfrentar inúmeros desafios que pareciam inacessíveis até então, para projetar e construir um submarino capaz de competir com a Marinha Chinesa e o meios submarinos e anti-submarinos muito importantes que implanta ininterruptamente em torno da ilha cobiçada por Pequim.

Convencer os Estados Unidos a patrocinar politicamente o programa

A primeira montanha que Taipei teve que superar para alcançar este resultado foi alcançar convencer os Estados Unidos da sua indispensabilidade, e isto já em 2018, quando as tensões entre Washington e Pequim estavam longe de atingir o nível que atingiram hoje.

Era, de facto, necessário que os Estados Unidos se comprometessem conjuntamente com Taiwan neste ambicioso programa, em particular para apoiar e formar engenheiros taiwaneses em domínios e tecnologias que muito poucos países dominam.

lançamento de submarino discurso de Hai Kun Presidente Tsai Ing-wen
A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, destacou a natureza histórica do evento durante o lançamento do Hai Kun.

Além disso, os novos submarinos taiwaneses terão de transportar certas tecnologias, no domínio dos sistemas de detecção ou do armamento, como o torpedo Mk48 e o míssil anti-navio Harpoon com mudança média, que teria sido impossível esconder de Pequim.

Por outras palavras, Washington teve de ajudar Taipé a levar a cabo o seu projecto, e fazê-lo abertamente, o que não deixou de provocar a ira de Pequim.

Convencer os europeus de transferências de tecnologia discretas, mas essenciais para o projeto do submarino Hai Kun

O apoio americano também foi necessário para uma segunda parte, igualmente crítica, do programa, que envolvia convencer os europeus de certas transferências de tecnologia relativas a aspectos que os fabricantes americanos, que já não projetam ou constroem submarinos para propulsão convencional há mais de 50 anos, iriam não conseguiram fornecer.

Ao contrário dos Estados Unidos, os europeus recusam-se, de facto, a ajudar publicamente os exércitos de Taiwan, temendo represálias económicas da República Popular da China, o que fez desta ameaça uma ferramenta valiosa para enfraquecer militarmente a ilha autónoma.

Tipo 212 TKMS Marinha Italiana
O modelo europeu do qual o Hai Kun está mais próximo é o Type 212 da alemã TKMS

Foi, portanto, necessário que as autoridades taiwanesas mobilizassem raros talentos de negociação e discrição, para conseguirem convencer os poucos industriais europeus que provavelmente forneceriam as tecnologias que faltavam para conceberem um submarino de ataque eficaz, capaz de enfrentar a Marinha Chinesa.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Planejamento e planos militares | Construção Naval Militar | ESTADOS UNIDOS

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos