A disputa israelo-colombiana está colocando o CAESAR francês de volta à disputa em Bogotá?

Em maio de 2022, no final de uma competição acirrada que o opôs aos israelenses ATMOS e aos turcos Yavus, cujo sistema de artilharia sobre rodas CAESAR da empresa francesa Nexter saiu vitorioso, o general Carlos Moreno, segundo comandante das forças armadas colombianas, teve foi para a França negociar a aquisição de pelo menos quatro unidades de Paris.

Em dezembro de 2022, foi a vez do Ministro da Defesa colombiano anunciar a encomenda dos sistemas CAESAR, concomitantemente ao fracasso das negociações em torno da aquisição de 3 a 4 dos Rafale que Bogotá iria adquirir, num contexto orçamental e político muito particular.

Como foi o caso da Dassault em relação ao Rafale Na Colômbia, a Nexter e as autoridades do país não conseguiram chegar a acordo sobre o curto espaço de tempo que lhes foi oferecido. Apesar do desempenho superior nos testes, o CAESAR foi, portanto, abandonado em favor do ATMOS do Elbit israelense, dos quais Bogotá anunciou a encomenda de 18 exemplares.

Armas israelenses nos exércitos colombianos

É verdade que, ao contrário da indústria de defesa francesa, cuja presença na Colômbia permaneceu relativamente modesta, o equipamento de defesa israelita estava muito presente nos exércitos colombianos, cujas forças aéreas mobilizaram 24 aviões de combate Kfir, bem como todos os sistemas de armas associados.

Galil exércitos colombianos
A infantaria colombiana está equipada com fuzis de assalto israelenses Galil

Enquanto isso, as forças terrestres colombianas empregam o fuzil de assalto israelense Galil, bem como o míssil antitanque SPIKE, e planejam adquirir o sistema antiaéreo Barak MX da IAI.

Na verdade, a recente grave disputa diplomática entre Bogotá e Jerusalém, num contexto de intervenção israelita em Gaza, e a decisão israelita de suspender todos os contratos de defesa com a Colômbia, tem graves consequências para os exércitos colombianos. Por outro lado, poderia muito bem abrir caminho para o regresso do CAESAR ao país.

As origens da disputa israelo-colombiana

Esta disputa, que resultou na suspensão dos contratos de defesa israelenses na Colômbia, é consequência deuma discussão acalorada entre o presidente colombiano Gustavo Petro e o embaixador israelense na Colômbia Gali Dagan, depois que o magistrado-chefe colombiano se recusou a condenar o ataque do Hamas contra Israel em 7 de outubro.

Briga israelo-colombiana Gali Dagan e Gustavo Petro
O Embaixador de Israel na Colômbia Gali Dagan (à esquerda) e o Presidente colombiano Gustavo Petro (à direita)

Pressionado por Gali Dagan a tomar posição contra o Hamas, o presidente colombiano respondeu, de facto, com uma resposta severa de Jerusalém.

Obviamente, a decisão de suspender os contratos de defesa israelitas com a Colômbia irá muito além de uma simples suspensão. Parece obviamente impensável que o Presidente Pétroologies se retratasse publicamente das suas declarações, uma condição provavelmente essencial para Israel inverter o rumo.

Da mesma forma, mesmo que Israel levantasse esta suspensão, é provável que Bogotá fique doravante muito relutante em relação à aquisição de equipamento de defesa israelita.

Esta disputa certamente não agrada aos industriais israelitas, especialmente porque a posição de Gustavo Petro, imbuída da herança bolivariana do continente, é relativamente partilhada na América do Sul e, portanto, corre o risco de alienar muitos destes países.

Um possível retorno da arma CAESAR à Colômbia

Pode, por outro lado, abrir caminho para um rápido regresso do BITD francês ao país e, em particular, do CAESAR da Nexter. Na verdade, se o quadro muito particular das negociações no final do ano passado não permitiu que os industriais franceses se posicionassem de forma eficaz, a revisão em curso permite aos negociadores franceses retomar rapidamente as discussões com os seus homólogos colombianos.

Artilharia César | Notícias de Defesa | Colômbia

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo Metadefense 93x93 2 Artilharia | Notícias de Defesa | Colômbia

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

REDES SOCIAIS

Últimos artigos