Abandonada por Moscou, Armênia recorre à França diante da ameaça dos exércitos de Baku

Em 1992, a Arménia, juntamente com outras seis antigas repúblicas soviéticas, incluindo a Rússia, participaram na criação da Organização do Tratado de Segurança Colectiva, ou CSTO.

Pouco depois, o Azerbaijão aderiu à aliança que assume, tal como a NATO, que uma agressão contra um dos seus membros deve ser considerada uma agressão contra cada um dos seus membros, mesmo que o país estivesse em conflito com a Arménia em Nagorno-Karabakh. Esta adesão foi seguida, em 1993, pela da Geórgia.

Resumo histórico da organização do tratado de segurança coletiva, ou OTSC

Centrada em torno da Rússia, a OTSC constituiu então um órgão de controlo eficaz para Moscovo, a fim de manter as antigas repúblicas soviéticas na sua esfera de influência, em particular através do envio de tropas russas para estes diferentes países.

O edifício começou a ruir em 1999 com a criação da GUAM, uma organização de cooperação económica e política que reuniu a Ucrânia, a Moldávia, bem como dois desertores do OTSC, a Geórgia e o Azerbaijão, mas destituída de uma aliança militar. O Uzbequistão, por sua vez, evoluiu entre estas duas organizações até 2012, antes de seguir uma trajetória independente.

Guerra da Geórgia CSTO
Demorou apenas 5 dias para os exércitos russos chegarem às portas de Tbilisi, a capital georgiana, em Agosto de 2008.

Moscovo fez com que a Geórgia, a Ucrânia e a Moldávia pagassem caro por se recusarem a alinhar-se e pela sua mudança em direcção à Europa e à NATO. Primeiro, em 1992, ao apoiar militarmente o movimento separatista da Transnístria contra a Moldávia, durante a Guerra do Dniester, levando ao destacamento permanente de forças russas neste território separatista após o cessar-fogo de 1992.

Em 2008, os exércitos russos lançaram uma vasta operação militar contra a Geórgia, depois de terem, através de múltiplas provocações, levado Tbilisi a lançar uma operação de resposta na Ossétia do Sul.

No final de uma operação de 5 dias, a Geórgia foi forçada a aceitar as condições impostas pela Rússia para um cessar-fogo, concordando em dar independência alargada aos Oblasts da Ossétia do Sul e da Abcásia.

Finalmente, em 2014, os exércitos russos lançaram, à margem dos acontecimentos de Maidan que levaram à saída do Presidente pró-Rússia Yanukovych, uma operação militar que conduziu à captura da Crimeia e, em 2015, à eclosão do Donbass. guerra, que durou até Fevereiro de 2022, e o lançamento da operação militar especial russa contra toda a Ucrânia.

As guerras de Nagorno-Karabakh

O Azerbaijão, que é a única antiga República Soviética pertencente ao GUAM e não ao CSTO, que não sofreu agressão russa, lançou uma ofensiva em 2020 contra Nagorno-Karabakh, um território arménio histórico capturado por Yerevan durante a primeira guerra de Nagorno-Karabakh de 1988 a 1994.

Armênia Nagorno-Karabakh 2020 Forças Russas
As forças russas impuseram um cessar-fogo durante a Segunda Guerra de Nagorno-Karabakh, depois que os exércitos azeris abateram um helicóptero russo sobre solo armênio.

Em alguns dias, o Exército Azeri, apoiado pela Turquia e armado pela indústria israelense, esmagou as defesas armênias, levando a uma nova partição regional. Embora membro da OTSC, a Arménia não obteve assistência neste conflito de nenhum país membro da aliança, tendo Moscovo julgado que se tratava apenas de uma disputa territorial, e que Nagorno-Karabakh não era, estritamente falando, território arménio.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Defesa antiaérea | Notícias de Defesa | Alianças militares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos