F-35 holandês em breve pronto para missão nuclear da OTAN

Johan van Deventer, que chefia o Comando de Combate Aéreo Holandês, disse via tweet que os F-35As holandeses do Koninklijke Luchtmacht, ou KLu, receberam certificação inicial para realizar dissuasão nuclear e missões de ataque sob a OTAN, uma função que deveriam assumir a partir do início do próximo ano.

Desde a década de 60, as forças aéreas holandesas participam na missão de dissuasão nuclear no âmbito da OTAN. Para isso, algumas aeronaves da Força Aérea Holandesa, hoje F-16, foram transformadas, suas tripulações treinadas e a infraestrutura adaptada, para transportar uma bomba nuclear gravitacional B61-Mod3 ou Mod4 armazenada na base aérea de Volkel.

A dissuasão partilhada da OTAN

Estas bombas nucleares são controladas e implementadas pelos Estados Unidos, o único que tem o poder de as armar (ao contrário da crença popular ligada ao termo "chave dupla" por vezes utilizado), tendo os países que acolhem estas bombas, por outro lado, o direito de se oporem à utilização das suas bases aéreas e, quando aplicável, das suas aeronaves para esta missão, sob o comando da OTAN.

Hoje, quatro outros países europeus participam nesta missão de dissuasão partilhada da OTAN: a Alemanha na base aérea de Buchel com Tornado PA-200, a Bélgica na base aérea de Klein Brogel com F-16, os belgas, a Itália nas bases aéreas de Aviano e Ghedi, acolhendo respectivamente F-16 americanos e Tornado PA-200 italianos, bem como os holandeses, da base aérea de Volkel, com F-16 holandeses.

Um quinto membro da NATO participa na missão, neste caso a Turquia com cerca de vinte bombas nucleares B61 armazenadas na base aérea de Incirlik, mas os F-16 turcos e as suas tripulações não foram qualificados para o transporte de armas nucleares, restando apenas os F-15 americanos. 16 e F-XNUMX para realizar esta missão.

A transformação para o par F-35A e B61 Mod12

Em meados da década de 2000, a Força Aérea dos EUA comprometeu-se a desenvolver uma nova versão da sua arma nuclear gravitacional B61, respondendo à evolução tecnológica mas também às necessidades deste tipo de arma.

A bomba nuclear B61 Mod12 é, portanto, mais compacta, com uma massa de 375 kg, menos potente com uma potência nominal de 50 kt, e mais precisa, graças à orientação inercial avançada, do que os modelos 3 ou 4 que substitui. Ele é produzido desde novembro de 2021 e deve equipar os americanos F-15E, B-2 e B-21 Raider, além dos americanos e aliados F-35A.

F/A 18 E Super Hornet
Diante da recusa americana em equipar os Eurofighters Typhoon da bomba nuclear B61 Mod12, Berlim considerou inicialmente adquirir Boeing F/A 18 E/F Super Hornets para garantir a missão de dissuasão partilhada da OTAN. Washington mais uma vez recusou-se a qualificar esta aeronave para o B61 Mod 12, forçando Berlim a recorrer ao F-35A.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo Metadefense 93x93 2 Forças de Dissuasão | Notícias de Defesa | Alianças militares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos