As forças armadas russas teriam recebido 1 tanques em 500

Segundo estimativas, as forças armadas russas perderam entre 2 e 200 tanques de combate desde o início da operação militar especial. Estas perdas representam, mais ou menos, 2% do número de tanques operacionais das unidades russas antes do início do conflito.

Tal como os tanques, todos os principais equipamentos utilizados na Ucrânia passaram por taxas de atrito muito altas, variando de 15 a 20% para equipamentos de voo pilotados (aeronaves de combate, helicópteros), a mais de 70% para veículos blindados de linha de frente, como o BMP e o BTR.

Apesar das perdas terríveis, os exércitos russos mantêm um potencial militar muito significativo

Apesar destas perdas que deveriam ter dissuadido qualquer outro atacante de pôr fim ao conflito, de acordo com a admissão do próprio Estado-Maior Ucraniano, Moscovo parece, hoje, mais determinado do que nunca a continuar a sua acção militar, sem que eles prejudiquem o potencial militar russo até ao seu ponto de ruptura. , como demonstra o fracasso da contra-ofensiva ucraniana.

Se a absorção das perdas humanas, tão importantes como as perdas materiais, é uma questão de controlo do Kremlin e da sua propaganda sobre as mentes, a manutenção de um potencial militar significativo, apesar do desgaste do equipamento, não é possível apenas através de um esforço industrial formidável, indo muito além das capacidades de que a indústria de defesa russa era capaz antes do conflito.

T-62 russos na frente
Dos 1 tanques anunciados como entregues pelo Ministério da Defesa da Rússia, uma parcela significativa é composta por modelos antigos que emergem do casulo e são enviados rapidamente para o front, como este T-500

Este tópico foi discutido várias vezes neste site, de janeiro de 2023. No entanto, em parte devido a uma comunicação ucraniana muito pouco equilibrada, que visa apresentar como provável a iminência de uma vitória total para apoiar o compromisso do Ocidente, mas também da opinião pública no país, apenas uma vez foi considerado o o fracasso da contra-ofensiva ucraniana de Verão é inevitável.

Não só era então óbvio que os exércitos russos mantiveram um potencial operacional significativo, mas de repente, a ameaça representada pelo aumento da produção industrial militar russa tornou-se uma questão estratégica, para convencer o Ocidente a aumentar a sua ajuda militar a Kiev.

1 tanques e 500 veículos blindados de combate entregues pela indústria de defesa russa em 2

Os números anunciados esta semana pelo ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, tendem a confirmar a realidade desta ameaça, para a Ucrânia, e não só, para a Europa. Num documento resumido sobre a produção industrial militar russa para 2023, citado pela Agência Tass, o Ministério da Defesa anuncia, de facto, ter recebido nada menos que 1 tanques de combate, ou pelo menos tantos quantos perdeu ao longo do ano, provavelmente mais.

Este mesmo documento relata a entrega de 2 veículos blindados de combate, 200 sistemas de artilharia e lançadores de foguetes, bem como 1 veículos, incluindo 400 veículos blindados ao longo do ano. Nada menos que 12 mil drones de diferentes tipos também foram entregues somente neste ano.

Fábrica Uralvagonzavod
A produção de novos tanques de guerra pela fábrica Uralvagonzavod hoje provavelmente atinge cerca de trinta unidades por mês. Esse número poderá aumentar nos próximos meses, se de fato a produção de novas turbinas permitir a retomada da produção do T-80.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Construção de veículos blindados | Notícias de Defesa | Tanques de batalha MBT

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

9 Comentários

  1. Estou atordoado, revoltado e zangado por não estarmos a assistir a qualquer sensibilização e a grandes investimentos na defesa e na produção. Depois da Ucrânia, seremos nós o alvo dos russos, isso é uma certeza e estaremos nus e eles não hesitarão um só segundo em esmagar-nos seja militarmente, economicamente ou por todos os meios possíveis até ao nosso colapso total. Embora eu pense que os nossos líderes não são idiotas, estou longe de me tranquilizar com o que vejo.

  2. Devemos primeiro contar com nós mesmos.
    O que estamos a fazer em França para produzir em massa munições (as mais eficazes, como as bombas de fragmentação), tanques modernos e bem protegidos, veículos blindados e meios de travessia? Sozinhos, deveríamos fazer o mesmo esforço que os polacos e fazer com que os russos queiram jogar connosco. Isto requer uma mudança no formato das nossas forças convencionais, mas também nucleares: se os russos nos atomizarem 50 vezes, devem ter a certeza de que serão exterminados pelo menos uma vez apenas com os nossos meios...
    Há uma necessidade urgente de produzir equipamento e munições, e de armar a Ucrânia para que os russos não só não possam vencer no terreno, mas também possam ser afastados dos territórios conquistados.
    Só a força pode acabar com esta guerra, forçando os russos a negociar.
    Pois eles pensam que são fortes.

  3. Os dados do Ministério da Defesa estão, por definição, sujeitos a cautela! A sua informação faz parte da desinformação habitual em qualquer conflito em que cada lado aumenta as perdas do adversário e minimiza as suas próprias. Para terem causado tais perdas aos Russos, os Ucranianos devem ter sofrido, relativamente falando, tantas, se não mais, com a desvantagem de não poderem substituí-las. Seria, portanto, interessante conhecer as suas capacidades residuais.
    Quanto ao resto, fico chocado ao ver os efeitos da desinformação mediática: a Rússia está, portanto, a preparar a invasão da Europa, algo que foi incapaz de alcançar quando era a URSS e dominava os 3/4 da Europa de Leste?
    Para além da avaliação errada relativa às nossas capacidades nucleares, cuja utilização não é uma questão de nível de poder mas de vontade política para as utilizar, observo que o raciocínio continua a ser o de nos defendermos contra os russos até "até ao último Ucraniano! Quanto à negociação, deveríamos recordar que por duas vezes os ucranianos a propuseram aos russos que eram a favor dela, mas que os anglo-saxões forçaram Zelinski a desistir dela? Agora que a ajuda dos EUA e da Europa está a esgotar-se, seria de facto altura de a Ucrânia levantar o polegar, mesmo em condições menos vantajosas para ela.

    • Caro @Jean Michel, observo com prazer que você nos considera (eu) idiotas ao afirmar que estamos imaginando a invasão da Europa pela Rússia, nunca houve qualquer dúvida sobre isso. É claro que não tenho medo dos T-72 nos Campos Elísios, mas há muitas maneiras de fazer guerra a um país e destruí-lo do que com armas, e quem melhor do que os russos com a experiência da URSS pode saber melhor?

      Você também parece estar cuspindo livremente propaganda russa para saber mais sobre as negociações e os argumentos associados; a guerra está sendo travada contra nós pela Rússia, e não o contrário e nem sou eu quem está dizendo isso... você apenas tem que assistir ao noticiário da televisão com as simulações de ataques nucleares em nossas capitais e a propaganda associada que é implantada em todos os lugares. Além disso, foram eles que teorizaram a política de equilíbrio de poder e facto consumado, se não vêem a ameaça DIRETA que representam para nós, sendo a Ucrânia apenas o começo (plano Novorossia), então não há mais nada para discutir, não estamos no mesmo planeta.
      Quanto aos ucranianos, só eles darão sinal de positivo quando decidirem fazê-lo e eu não quero ir tão longe quanto os últimos ucranianos, isso é claro, mas sem o nosso apoio TOTAL e COMPLETO MASSIVO estas não são "menos" condições .vantajoso” de que estamos a falar... mas o fim do país pura e simplesmente, bem como uma continuação do conflito em todas as frentes possíveis (Moldávia, corredor de Suwalki, UE em geral, África, etc...) e se nós não mostremos os nossos músculos…seremos esmagados política e economicamente pelo eixo russo-chinês que nem sequer o esconde.
      Seja para apoiar a Ucrânia ou simplesmente para mostrar que não deixaremos que isto aconteça, um rearmamento MASSIVO é obrigatório para pelo menos compensar as décadas de dividendos da paz devido à nossa ingenuidade face a Putin e depois reafirmar a nossa posição de poder .

      • Então, não consigo mais ler! Você escreve: “Depois da Ucrânia, seremos nós o alvo dos russos, isso é uma certeza e estaremos nus e eles não hesitarão um só segundo em nos esmagar, seja militarmente, economicamente ou através de todos os meios possíveis até nosso colapso total. » Portanto, não o considero um idiota, se fosse esse o caso, eu o teria dito, mas sim um cidadão sob a influência da mídia europeia para quem a Rússia é um mal.
        Quanto às negociações, não estou a vomitar propaganda, mas apenas a citar a informação recolhida em obras relacionadas com este conflito, bem como na imprensa europeia e norte-americana, o que não parece ser o seu caso.
        Na verdade, não vejo qualquer perigo russo, porque também aqui estão enganados: a Rússia não está a travar uma guerra contra a Europa, mas os EUA estão a travar uma guerra contra a Rússia, e se não tivéssemos seguido como bois as sanções económicas decididas pelos EUA - que não não os incomodaria de forma alguma, muito pelo contrário – não enfrentaríamos os actuais problemas energéticos e, consequentemente, económicos.
        Então você vai me dizer que é perigoso ter uma Rússia agressiva na fronteira europeia (embora a Ucrânia não seja a Europa), mas o oposto é verdadeiro para a Rússia com a OTAN nas suas fronteiras que desde 1989, contrariamente aos compromissos de Reagan, tem continuado sua expansão para o Oriente.
        Há muito tempo devíamos ter considerado a Rússia como parte da Europa e saído dessa coisa (NATO) para assumir o comando dos nossos assuntos e deixar os EUA gerirem sozinhos as suas travessuras internacionais (2ª Guerra do Golfo, Afeganistão entre outros). Do jeito que as coisas estão, teremos que travar uma guerra contra a China pelo Tio Sam? Bem, vamos ver, vamos construir barcos e avisar os chineses, vamos segurar o Pacífico! Vejo a reação deles, entre espanto e gargalhadas. Com que orçamento, armados com que tripulações, movidos por que petróleo, com que armas. Volte à Terra, o rearmamento massivo de que você fala é uma ilusão e não somos mais uma grande potência. Podemos nos arrepender, eu estou, mas é um fato! O que nos resta é que temos know-how em certas áreas que poderiam garantir que estamos protegidos, mas desde que li as memórias de VGE, que admitiu que nunca teria dado a ordem de fogo nuclear, há algumas dúvidas que permanecem em o fato de que ainda somos uma grande nação.
        Em qualquer caso, fiquem tranquilos quanto ao destino dos ucranianos, ele será resolvido por um acordo direto russo-americano do qual a Europa será excluída e tudo voltará ao normal. Os EUA são o que são, mas politicamente pragmáticos e, se a vadiagem diplomática de Putin lhes causar problemas, farão o que tiver de ser feito no seu interesse!

        • Obviamente você caiu na armadilha da propaganda russa.
          Discutir com eles era perder a alma e felizmente não o fizemos.
          Suas histórias de energia e falta na França não existem, só temos os enlutados da lei de Lomé que voltam à terra (e isso é muito benéfico para meus impostos)
          De resto, todos vocês esquecem um ponto importante de um conflito e todos permanecem presos em suas trincheiras com seus morteiros: a terceira dimensão!!
          Quando vemos como a antiaérea russa brilha contra as engenhocas DIY, como é que elas as detêm? Rafale/Typhoon/F35 os russos?

  4. Você certamente está certo: não vamos discutir com os russos e preservar nossas queridas almas! Como resultado, a guerra continua e os ucranianos apenas perdem a vida! Não é grande coisa se eu acredito no seu raciocínio? A Europa e, finalmente, alguns países, incluindo o nosso, não se preocupam? Realmente ? Ter ligado o preço da electricidade ao do gás de xisto que os EUA nos vendem 3 vezes o do gás russo não é um problema tanto para os indivíduos como para a indústria? Se este não for o seu caso, tudo bem.
    A guerra não é apenas a qualidade dos materiais que se confrontam, mas também o seu volume e a capacidade de os substituir, a isto chama-se economia de guerra e nesta área os russos parecem estar um passo à frente de nós. A 3ª dimensão é certamente um elemento significativo mas a partir de certo ponto você tem que ocupar o terreno, certo? E para isso é preciso pessoal, tanques, morteiros, artilharia, enfim, é preciso entrar em contato.

  5. Esta besteira sobre o gás de xisto é acima de tudo um golpe publicitário de activistas ambientais.

    A França consome muito pouco volume de gás em comparação com a sua eletricidade. E outros fornecedores continuam sólidos, como a Noruega ou o Qatar.

    Você está confundindo a França e a Alemanha pela questão do gás.

    Quanto à ocupação terrestre, é a doutrina que tem precedência (basta ver o que a Ucrânia consegue fazer com 3 marders e 4 CV90). E quando se trata de doutrina, os soviéticos ficaram paralisados ​​há 80 anos.

    Para concluir, você me lembra um pouco daquela parte da França em 1940 que pensava que resolveria o problema de Hitler através da negociação. 6 meses depois os tanques estavam em Paris………

REDES SOCIAIS

Últimos artigos