Quais serão as consequências dos ataques americanos e britânicos contra o Iémen?

- Publicidade -

As forças armadas americanas e britânicas, apoiadas por navios da Austrália, Bahrein, Canadá e Holanda, realizaram uma série de ataques em 12 de janeiro contra instalações militares Houthi no Iémen, identificadas como tendo uma ligação com os numerosos ataques de drones e mísseis lançados por os rebeldes Houthi do oeste do Iémen, contra os navios que transitam pelo Mar Vermelho.

Ataques dos EUA e da Grã-Bretanha contra instalações militares Houthi

Segundo nota divulgada pelo secretário de Defesa, Lloyd Austin, ainda hospitalizado, os ataques americanos e britânicos realizados em 12 de janeiro locais de mísseis balísticos e de cruzeiro direcionados, bem como locais de lançamento de drones, mas também instalações de radares costeiros e meios de deteção aérea (conhecer as bases aéreas a partir das quais estes meios operam).

Americano ataca Arleigh Burke BGM 109 Tomahawk
Os destróieres americanos da classe Arleigh Burke geralmente carregam 24 mísseis de cruzeiro BGM-109 Tomahawk.

Os comunicados de imprensa Houthi e os testemunhos recolhidos pelas diversas agências de imprensa relatam, de facto, numerosas explosões vindas da base militar adjacente ao aeroporto de Sanaa, bem como contra a base naval de Hodeidah e vários locais militares na região de Hajjah, na fronteira com o Rio Vermelho. Mar e fronteira saudita no noroeste do país.

- Publicidade -

Para o presidente dos EUA, Joe Biden, que ordenou estes ataques, isto foi uma resposta aos numerosos ataques realizados nas últimas semanas pelas forças Houthi contra embarcações militares e civis que navegavam no Mar Vermelho e perto do Golfo de Aden, bem como o envio de uma mensagem. mensagem clara ao governo Houthi, mas também aos iranianos que os apoiam e que estão directamente implicados pelo executivo americano.

Os navios da coligação que navegam nesta área para proteger o tráfego marítimo civil registaram, de facto, 27 ataques realizados por drones, mísseis de cruzeiro, bem como mísseis balísticos antinavio, contra navios nesta área, incluindo navios da Marinha dos EUA, da Marinha Real Marinha ou Marinha Nacional Francesa.

Como seria de esperar, esta resposta, por ser apenas uma resposta após múltiplas provocações, contra as instalações militares Houthi, deu imediatamente origem a reações violentas e condenações por parte do governo Houthis, mas também do Irão.

- Publicidade -
Fragata Languedoc
A fragata francesa Languedoc também interceptou vários mísseis e drones Houthi lançados contra ela, ou contra navios civis, mas não participou nos ataques americanos e britânicos de 12 de janeiro.

A Rússia, por sua vez, solicitou imediatamente uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas. As autoridades sauditas, por seu lado, apelaram à desescalada e à contenção, enquanto o Egipto, embora fortemente afectado pela redução do tráfego marítimo no Mar Vermelho e, portanto, no Canal de Suez, permaneceu por enquanto em silêncio.

Provocações Houthi no Mar Vermelho, mas com que propósito?

Não há dúvida de que estes repetidos ataques a navios mercantes e militares no Mar Vermelho, levados a cabo pelas forças armadas Houthi a partir da costa do Iémen, tinham como objectivo provocar tal resposta por parte dos Estados Unidos e dos seus aliados. O facto de terem intervindo não é, portanto, de forma alguma uma surpresa, nem para os observadores externos, nem para as autoridades Houthi e os seus apoiantes em Teerão.


LOGO meta defesa 70 ataques preventivos | Notícias de Defesa | Alianças militares

O restante deste artigo é apenas para assinantes

- Publicidade -

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
todos os artigos sem publicidade, a partir de € 1,99.


Assinatura de boletim

Registre-se para o Boletim Informativo de Meta-Defesa para receber o
últimos artigos de moda diariamente ou semanalmente

- Publicidade -

Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos