A Lockheed-Martin testará seu Patriot PAC-3 MSE com o sistema AEGIS

A Lockheed-Martin realizará um teste de disparo de seu míssil Patriot PAC-3 MSE nesta primavera, usando uma infraestrutura que reproduz a configuração do sistema AEGIS em um contratorpedeiro da Marinha dos EUA.

No discurso do industrial, trata-se de colmatar certas lacunas da Marinha dos EUA em termos de defesa antimísseis balísticos nas camadas inferiores, área preferida do PAC-3 MSE, como demonstrado na Ucrânia. Na realidade, porém, trata-se principalmente de sacudir a Raytheon no seu mercado cativo, oferecendo uma alternativa ao SM-6.

No campo da defesa contra mísseis antibalísticos de camada baixa, dois fabricantes americanos estão envolvidos num impasse impiedoso para se afirmarem neste mercado crucial, abrindo caminho às tão procuradas capacidades antimísseis hipersónicos.

Por um lado, a Lockheed oferece o seu míssil Patriot PAC-3 MSE em serviço com o Exército dos EUA e encomendado por vários exércitos ocidentais. Por outro lado, a Raytheon está promovendo o novo SM6, projetado para equipar os destróieres AEGIS americanos e aliados.

Nesta área, a LM parece estar à frente do seu concorrente. Na verdade, a Marinha dos EUA realizará disparos de teste do seu PAC-3 MSE a partir de uma infra-estrutura que reproduz um sistema AEGIS.

Patriot PAC-3 MSE da Lockheed-Martin

É preciso dizer que o industrial americano não economizou nos meios para tentar perturbar este mercado, que até então estava nas mãos exclusivas da Raytheon. Primeiro, em 2015, roubando destes últimos o suculento mercado de mísseis Patriot PAC-3, com o PAC-3 Missile Segment Enhancement, ou MSE, escolhido pelo Exército dos EUA, depois por outros usuários do Patriot, no lugar do Raytheon PAC-3.

Patriota PAC-3 MSE
A Lockheed-Martin testará seu Patriot PAC-3 MSE com o sistema AEGIS 4

Co-desenvolvido pelos Estados Unidos, Alemanha e Itália, o PAC-3 MSE fazia inicialmente parte do programa Medium Extended Air Defense System, ou MEADS, projetado para fornecer defesa de 360° contra aeronaves, mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos de curto ou médio alcance. mísseis.

Com alcance e teto estendidos, maior manobrabilidade e sistema de orientação mais eficiente, o PAC-3 MSE aumenta significativamente o desempenho do MIM-104 Patriot, inclusive contra mísseis balísticos, e tornou-se, em pouco tempo, um dos símbolos da resistência ucraniana à agressão russa, anunciando intercepções bem sucedidas contra vários aviões de combate, mísseis de cruzeiro e especialmente mísseis balísticos, incluindo o famoso Kinzhal.

PAC-3 MSE vs SM-6: o impasse começa a armar a defesa antibalística de camada inferior do sistema Aegis

Mas as ambições da Lockheed-Martin não parecem parar nos próprios sistemas Patriot. Na verdade, o industrial investiu quase 100 milhões de dólares em capital próprio para invadir as plataformas navais da Raytheon, adaptando primeiro o Patriot PAC-3 MSE ao sistema AEGIS Ashore implantado no Havai, na Polónia e na Roménia.

Projetado para combater ameaças balísticas exoatmosféricas com o míssil SM-3, o sistema Aegis Ashore reproduz o sistema a bordo de destróieres e cruzadores da Marinha dos EUA, incluindo um radar SPY-1 e lançadores Mk41 VLS. No entanto, se o SM-3 se mostrar eficaz contra mísseis balísticos que operam acima de 60 km de altitude, será incapaz de interceptar alvos que naveguem abaixo deste nível.

Raytheon SM-3 Égide da Marinha dos EUA
O SM-3 foi projetado para interceptações exoatmosféricas ou endoatmosféricas altas e não pode ser usado contra mísseis de trajetória semibalística ou planadores hipersônicos operando sob seu piso de interceptação.

É precisamente por esta razão que a Raytheon promove, há vários anos, o seu míssil SM-6, concebido para completar o alcance de interceção entre o SM-3 exoatmosférico e o SM-2 endoatmosférico baixo.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Defesa antimísseis | Notícias de Defesa | ESTADOS UNIDOS

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos