Infraestruturas defensivas serão construídas pelos países bálticos contra o bloco russo

- Publicidade -

Os três países bálticos assinaram um acordo para construir um conjunto de infra-estruturas defensivas ao longo das suas fronteiras comuns com a Rússia e a Bielorrússia, a fim de conter um possível ataque a estas antigas repúblicas soviéticas.

Se, na Europa Ocidental, a hipótese de uma possível invasão russa contra um membro da NATO é frequentemente rejeitada por muitos especialistas que acreditam, não sem razão, que tal acção seria suicida para Moscovo, os principais intervenientes, os europeus de Leste que partilham uma fronteira com a Rússia ou a Bielorrússia, leve essa ameaça muito a sério.

Uma preocupação sincera dos países bálticos face à ameaça russa

Este é particularmente o caso dos países bálticos. Não só partilham, em conjunto, 862 km de fronteiras com a Rússia e 851 km de fronteiras com a Bielorrússia, como partilham, com a Rússia, uma grande parte da sua história recente, enquanto antiga República Soviética, embora os três ainda tenham uma uma parte significativa da sua população é de origem russa e de língua russa.

- Publicidade -
Forças armadas dos Estados Bálticos
Os exércitos bálticos têm poucos recursos, mas estão a fazer esforços significativos para se modernizarem, especialmente na área de combate de alta intensidade.

Estas populações já representaram, para muitos, motivo de tensões com o Kremlin, especialmente porque até à sua chegada à União Europeia, as três repúblicas bálticas consideravam estas populações como cidadãos de segunda classe, sofrendo bullying e tendo imensas dificuldades, mesmo que apenas para obter documentos administrativos.

Finalmente, em conjunto, estes 3 países representam apenas 6 milhões de habitantes e um PIB global de 150 mil milhões de dólares. Eles têm, de facto, apenas meios limitados para constituir as suas forças armadas, nenhum deles tendo, por exemplo, aviação de caça.

Na verdade, os países bálticos sabem ser presas fáceis dos apetites territoriais do Kremlin, especialmente porque detêm uma posição estratégica para o controlo do Mar Báltico, bem como para o acesso terrestre ao enclave de Kaliningrado, e isso sabem, melhor do que ninguém, o método de tomada de decisão aplicado pelas autoridades russas.

- Publicidade -

É também muito provável que, se não tivessem aderido à NATO e à União Europeia, estes três países estariam na mira de Moscovo, ou já teriam de aderir manu militari à Federação Russa.

Uma rede defensiva ao longo de todas as fronteiras dos países bálticos com o bloco russo

Perante tal observação, os governos da Estónia, da Letónia e da Lituânia estão entre os mais exemplares em termos de esforço de defesa no seio da NATO, cedendo apenas aos Estados Unidos, à Grécia e à Polónia neste domínio.

Policiamento Aéreo do Báltico NATO Mirage 2000-5
Dois Mirage 2000-5Fs realizam um vôo após uma corrida de tango em 21 de agosto de 2018 na base aérea de Ämari, na Estônia.

LOGO meta defesa 70 Fortificações | Notícias de Defesa | Alianças militares

O restante deste artigo é apenas para assinantes

- Publicidade -

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
todos os artigos sem publicidade, a partir de € 1,99.


Assinatura de boletim

Registre-se para o Boletim Informativo de Meta-Defesa para receber o
últimos artigos de moda diariamente ou semanalmente

- Publicidade -

Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos