O Kremlin coloca a Rússia em pé de guerra contra o Ocidente

Nos últimos dias, as declarações sucederam-se na Rússia, para apresentar a trajetória que Vladimir Putin pretende dar ao país, à Ucrânia e à Europa. Independentemente de ter sido provocado ou não pelos anúncios feitos pelo Presidente francês, o recém-reeleito Presidente russo já apresentou as suas cartas, quanto às suas ambições, e aos meios com os quais pretende equipar-se para as alcançar.

Assim, com a criação de duas novas forças armadas combinadas na zona ocidental, voltadas para a Europa, o aumento dos recursos industriais para entregar ainda mais armas e munições às forças, ou mesmo a requalificação da Operação Militar Especial na Ucrânia, em guerra, abrindo caminho a uma nova mobilização, tudo indica que a Rússia está agora em pé de guerra, visando, para além da Ucrânia, a própria Europa.

A Rússia prepara-se para se envolver mais na Ucrânia e em relação à Europa.

“Estamos em guerra. Sim, começou como uma operação militar especial, mas assim que esta sociedade se formou ali, quando o Ocidente coletivo se tornou participante dela por parte da Ucrânia, já se tornou uma guerra para nós. Estou convencido. E todos deveriam entender isso, para sua mobilização interna.”

Rússia Dmitry Peskov
O porta-voz do Kremlin, Smitry Peskov, reclassificou a Operação Militar Especial na Ucrânia como uma guerra numa entrevista.

Foi assim que se expressou o porta-voz do Kremlin, Dimtry Peskov, entrevistado pelo site de notícias russo Argumentos e fatos. Recordemos que até recentemente, o simples facto de se referir à operação militar especial russa, com o termo "guerra", era repreensível na lei russa e punepena de prisão até 15 anos, para jornalistas e figuras públicas.

Na verdade, esta mudança, nas palavras de Peskov, é tudo menos anedótica. Ele não só designa a Guerra na Ucrânia como uma guerra, o que abre caminho, por exemplo, à mobilização de reservistas adicionais, mas também estende a noção de inimigo ao "Ocidente colectivo", isto é, a todos os países do bloco ocidental que presta assistência militar a Kiev.

Sem conduzir directamente à abertura de hostilidades com os países europeus, esta declaração prepara a opinião russa para que o Kremlin e o seu presidente, recentemente reeleito, acelerem a transformação do país, no seio das instituições, ao mesmo tempo que atribuem a responsabilidade por esta evolução, ao apoio fornecido por estes mesmos ocidentais à Ucrânia.

Rumo a uma transformação rápida e massiva dos exércitos russos para ultrapassar a NATO

A declaração do porta-voz do Kremlin ocorre um dia depois o anúncio, por Sergei Shoigu, da criação de cerca de trinta novas grandes unidades, 14 divisões e 16 brigadas, bem como dois Corpos de Exército para integrá-los, posicionados no distrito militar de Zapad (oeste), bem como nos dois novos distritos militares, o de Leningrado, e o de Moscou.

T-80BVM Rússia Zapad 2017
T-80BVM russo e terminador durante o exercício Zapad 2017

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade.

Meta-Defesa comemora seu 5º aniversário!

LOGO meta defesa 114 Tensões entre OTAN e Rússia | Alianças militares | Análise de Defesa

- 20% na sua assinatura Classic ou Premium, com o código Metanniv24Até Somente 21 de maio !

Oferta válida de 10 a 21 de maio para a assinatura online de uma nova assinatura Classic ou Premium, anual ou semanal no site Meta-Defense.


Para mais

5 Comentários

  1. e aqui vai você de novo para transmitir a propaganda russa
    para sua informação, os ingleses que estão sempre muito bem informados em termos de espionagem estimam a entrega de veículos blindados para 300 em 2023 …………… estamos longe dos 1500 anunciados pelos russos

  2. O bloco Rússia-China tem-se armado a alta velocidade há mais de 10 anos e os nossos queridos e corajosos líderes europeus parecem apáticos “ah, sim, mas não, é seguro, mas não é bom…. nunca ousarão", relativamente à determinação destas mesmas pessoas, o famoso plano de 1 milhão de munições, do qual a Europa mal conseguiu honrar metade... os factos, nada mais que os factos, "os dividendos da paz "temos há 30 anos uma geração de políticos (dignos herdeiros de Daladier e Chamberlain) que não foram absolutamente capazes de se questionar a nível económico (orçamentos estabelecidos como se ainda estivéssemos no tempo das 30 gloriosas questões de crescimento e rendimento), bem como a geopolítica. Biden ao longo de janeiro de 2022 durante as transmissões de informações do risco iminente de ataque ou na véspera do ataque teria anunciado o envio de tropas americanas e da OTAN com um acordo de defesa para KIEV, nunca Putin (também conhecido como StaPoutler) não teria atacado, em vez disso um dia antes de Biden anunciar “nunca um soldado americano morrerá na Ucrânia”, resultado para Putin = luz verde e ele não se deixou pedir para fazê-lo, no dia seguinte foi para lá alegremente. os políticos desde 2014 viram muito bem a evolução, o pior é que as cassandras dos Estados Bálticos gritam dos telhados desde 2004, ameaçando-o com Putin. apesar disso e dos 2 anos de guerra nossas políticas parecem cair das nuvens, há palavras, mas nenhuma ação concreta, como muitas vezes aponta a Difesa online, estamos observando e não estaremos prontos no dia D, apenas observando o surge enquanto olha para ele e diz: "Não entendo como isso pode ter acontecido", na verdade, como você disse, "que eles não poderão mais alegar surpresa, se a situação se deteriorar ainda mais nos próximos meses e anos, e os Europeus encontram-se sem meios para contê-lo” infelizmente é isso que se aproxima… nenhum grande estadista actualmente no poder em todo o Ocidente…. finalmente obrigado por este site e suas postagens (embora às vezes um pouco chauvinistas), sendo binacional, lembro que a cooperação da indústria de defesa é necessária e vital hoje e acima de tudo que decidimos dar-lhe os meios para a nossa defesa em vez de exibindo as nossas divisões (que agradam a Putin, Xi e até mesmo aos americanos), sem as quais retrocederemos 30 anos, na melhor das hipóteses, ou os nossos filhos falarão russo, na pior.

  3. Bonjour Fabrice,

    É verdade que o futuro não é brilhante.
    Os nossos líderes estão a iniciar o rearmamento, mas é claramente insuficiente. No entanto, pensa que 600 homens seriam suficientes para vencer a NATO que, mesmo sem os Estados Unidos, continua a ser, na minha opinião, uma aliança bastante sólida no papel? Quanto aos tanques russos e aos tanques em geral, o seu número é tão vital como 000, por exemplo, tendo em vista o desenvolvimento de drones?

    Você também já ouviu falar de um possível aumento do orçamento militar na França?

    • Olá Jordão
      O problema com a NATO é que tendemos a somar as capacidades de todos os países para imaginar o seu poder militar global. No entanto, isso é uma ilusão. Por exemplo, a França nunca enviará para além das suas fronteiras mais de uma divisão e 60/70 aviões de combate, ou menos de metade das suas forças corpo a corpo. O mesmo para todos os países, exceto para os trabalhadores fronteiriços.
      Então, sim, 600 mil homens seriam um grande problema. Não para chegar a Bilbao, mas para tomar os países bálticos, certamente.
      Nenhuma informação sobre o aumento dos orçamentos militares franceses até à data.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos