O míssil russo 3M22 Tzirkon ao alcance do Aster 30 francês e dos Patriots americanos?

Entre as novas armas utilizadas pelos exércitos russos nos últimos anos, o míssil hipersónico 3M22 Tzirkon foi, juntamente com o planador hipersónico Avangard, o mais preocupante para o campo ocidental.

Este míssil, com um alcance de 1000 km, tinha, de facto, o potencial de transformar profundamente a geometria do combate aéreo e naval, ao reduzir consideravelmente os tempos de reacção dos navios alvo, ao mesmo tempo que era quase invulnerável aos ataques antiaéreos e antiaéreos. -defesas antimísseis existentes hoje, como o americano SM-6, ou o francês Aster 30.

A tal ponto que muitas vozes se levantaram para questionar a sustentabilidade de grandes unidades navais aéreas e anfíbias de superfície, como porta-aviões ou porta-helicópteros de assalto, descritos como alvos preferenciais para este tipo de míssil.

O desempenho do outro míssil hipersónico, ou apresentado como tal por Moscovo, o Kinzhal, na Ucrânia, provavelmente deveria ter exigido mais cautela nesta área, uma vez que não é nem hipersónico, nem invulnerável às defesas modernas anti-mísseis ucranianas. mísseis.

Moscou lança mísseis hipersônicos Tzirkon contra a Ucrânia

Se o Kinzhal continua a ser uma arma balística formidável, que exige, para ser interceptado, que a bateria anti-míssil seja posicionada perto do alvo pretendido, perdeu, na Ucrânia, a aura de invencibilidade que tinha sido construída pela comunicação sobre ele.

Míssil 3M22 Tzirkon
Disparo de um míssil 3M22 Tzirkon da fragata Almirante Gorshkov, durante testes.

Talvez tenha sido isto que levou Moscovo a utilizar, esta semana, a sua segunda Wunderwaffen (arma milagrosa), contra Kiev, o míssil 3M22 Tzirkon, embora tenha sido inicialmente concebido como um míssil anti-navio com ataques em direcção a terra, e não como um míssil de superfície. -míssil de cruzeiro para a superfície.

Ao contrário do Kinzhal, o Tzirkon possui um super-estato-reator e capacidade de manobra, o que o torna uma verdadeira arma hipersônica, capaz de evoluir a mais de Mach 5, para frustrar as mais modernas defesas antiaéreas inimigas, como o American Patriot PAC-3, ou Aster 30 do sistema franco-italiano SAMP/T Mamba.

A velocidade do Tzirkon funcionou conforme o esperado. Na verdade, onde os habitantes de Kiev tinham, até agora, várias dezenas de minutos para chegar aos abrigos após o lançamento de um alerta, ficaram surpresos ao notar que as explosões do DCA ucraniano, depois os próprios mísseis, chegaram apenas alguns minutos depois que o alerta foi dado.

Desempenho inferior ao esperado do míssil 3M22 Tzirkon, segundo imprensa especializada ucraniana

Parece, no entanto, que outras surpresas aguardavam os ucranianos em relação a estes ataques, mas desta vez não foram surpresas. De fato, segundo a imprensa especializada ucraniana, se o Tzirkon realmente tivesse uma velocidade de trânsito hipersônico, teria desacelerado para cerca de Mach 4,5, para sua fase final de mergulho.

Fragata Almirante Gorshkov da Marinha Russa
Fragata Almirante Gorshkov durante testes do míssil hipersônico 3M22 Tzirkon

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Defesa antimísseis | Análise de Defesa | Armas e mísseis hipersônicos

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

4 Comentários

  1. Já havíamos discutido esse assunto quando este míssil foi lançado oficialmente.
    Deve ser colocado no mesmo saco que o torpedo Poseidon ou o Sarmat Mesc***illes.
    Estes são powerpoints de propaganda bastante rudimentares.
    Um aluno do 5º ano resolve problemas de física para demonstrar que um torpedo não pode em caso algum libertar a energia de um tsunami e que um míssil com mais de mach 5 é incontrolável a baixa altitude (não resistiria à mudança de direção)

  2. O assunto não está muito bem colocado. Não há dúvida sobre a capacidade de um míssil interceptar um míssil em movimento rápido. O problema é o envelope de intercepção que é particularmente pequeno. O ou um Aster 30 cobre uma área de 160 km de altura e 200 km de largura para um vetor hostil navegando em Mach1, para um vetor em Mach 4 ou 5, a área provavelmente terá 20 km de altura e 50 km de largura. Seriam, portanto, necessárias mais baterias para cobrir a linha da frente. É puramente geométrico. E ter esse efeito de desaceleração na fase final certamente ajuda, mas também não muda completamente o problema. Dos 8 sistemas para cobrir a linha de frente, seriam necessários 256 para uma cobertura comparável contra a hipersônica. Não é a mesma história ou os mesmos custos.

    • Isto é mencionado no artigo, pois é dito que a bateria do Aster/Patriot/SM-6 deve estar próxima do alvo pretendido. Na verdade, não é uma questão de velocidade, mas de teto. Esses mísseis atingem o pico entre 25 e 35 km de altitude, onde os hipersônicos transitam entre 50 e 60 km de altitude, justamente para evitar os Patriots porque estão muito altos, e os SM-3/THAADs porque estão muito baixos.
      Na verdade, a única maneira de interceptá-los é quando eles mergulham e passam sob o teto do Aster/Patriot/SM6. Como esses mísseis são projetados para interceptar alvos balísticos de mergulho que se movem de Mach 3 a Mach 5, eles podem interceptar o Tzirkon. Por outro lado, como só podem interceptar a uma altitude de 30 km +/- 5 km, devem ficar muito próximos da área alvo do míssil.
      Porém, no caso do 3M22, que é acima de tudo um míssil antinavio, esta é uma boa notícia, porque no que diz respeito às fragatas e aos contratorpedeiros, o alvo e a bateria são um só. Basta posicionar-se perto de alvos prováveis, o PAN, PHA ou BRF, para estar dentro do envelope de tiro exigido.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos