A Estônia quer adquirir 12 armas CAESAR enquanto o KNDS visa 12 sistemas por mês

Depois da Bélgica, da República Checa, da Dinamarca e da Lituânia, a Estónia prepara-se para encomendar 12 canhões CAESAR ao KNDS-Nexter, para reforçar a sua artilharia, segundo o ministro da Defesa da Estónia, Hanno Pevkur.

Se este anúncio é sem dúvida uma excelente notícia para a Nexter, provavelmente não é uma surpresa para o industrial. Este último anunciou, de facto, à margem da visita do Secretário de Estado americano Anthony Blinken às suas instalações em Satory, que duplicaria, mais uma vez, as taxas de produção do CAESAR, para atingir 12 sistemas por mês, antecipando um provável aumento nas próximas encomendas internacionais, enquanto o cânone francês mostra desempenhos notáveis ​​na Ucrânia.

A guerra na Ucrânia revela o desempenho dos equipamentos franceses e aumenta a sua atratividade internacional

Durante muito tempo, as especificidades do equipamento de defesa francês não conseguiram convencer a Europa. Descompassados ​​com os paradigmas americanos, estes equipamentos franceses eram muitas vezes mais leves, mais económicos e centravam o seu valor acrescentado em critérios diferentes dos de outros fabricantes ocidentais.

55 armas césar na Ucrânia
Os Césares empregados pelas forças ucranianas desempenham um papel determinante na resistência aos assaltos russos.

A guerra na Ucrânia nos últimos dois anos parece mostrar que as apostas dos industriais e soldados franceses não foram em vão. Sem serem armas milagrosas, não existem, os AMX-10RC, SAMP/T e outros VAB entregues às forças ucranianas, considerados com certo desdém por muitos observadores no início do conflito, apresentam desempenho mais do que satisfatório, por vezes até notável em combate.

É particularmente o caso da arma KNDS-Nexter CAESAR, que constitui hoje um dos pilares da resistência ucraniana aos ataques russos. Eficiente e preciso graças ao seu tubo calibre 52 com alcance de 40 km e à sua calculadora balística dinâmica, o canhão portado de fabricação francesa brilha sobretudo pela sua grande mobilidade, permitindo-lhe evitar disparos de contra-bateria e drones de forças opostas, enquanto desferindo duros golpes nas linhas e dispositivos russos.

Estas performances de combate, associadas a um preço particularmente acessível, aumentam a atractividade do sistema francês na cena internacional, incluindo na Europa, depois no Bélgica, a República Checa e a Lituânia, já encomendei. Um segundo país báltico, a Estónia, acaba de anunciar que se prepara para fazer o mesmo, enquanto Nexter indicou que pretende levar a produção do CAESAR para 12 unidades por mês, em comparação com 6 hoje.

Depois da Lituânia, a Estónia prepara-se para aderir ao clube CAESAR

Com efeito, em 2 de Abril, o Ministro da Defesa da Estónia, Hanno Pevkur, indicou que o seu país pretendia adquirir 12 canhões CAESAR, em entrevista concedida ao site de informações Postimees. Eles serão alocados diretamente na 1ª Divisão e complementarão os 24 canhões autopropelidos K9 Thunder adquiridos da Coreia do Sul e os seis sistemas HIMARS encomendados dos Estados Unidos.

Finlândia K9
Os exércitos da Estônia usam 24 canhões autopropelidos sul-coreanos K9 Thunder.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo Metadefense 93x93 2 Artilharia | Notícias de Defesa | Conflito russo-ucraniano

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

3 Comentários

  1. Obrigado Sr. Wolf para esta iluminação como sempre interessante e documentada.

    Na verdade, a inspiração dos engenheiros César e esta prática de ataques de artilharia fazem-me pensar numa tradição francesa centenária, a do fogo rápido 75 e do seu " rafales » antes de 1914.
    Baterias com número reduzido de peças, capazes de saturar uma área específica com 200 projéteis em 5 minutos de tiro, sem desgastar muito o equipamento, blindadas em caso de contra-bateria, mas leves para escapar antecipadamente.
    Projetados para a mobilidade, os canhões franceses deveriam encorajar o movimento graças ao seu design vanguardista e, acima de tudo, evitar a guerra de trincheiras, como observado na Manchúria em 1904-1905.
    E funcionou contra os alemães, pelo menos por algum tempo, apesar do problema da gula dos 75 (também antecipado, com as caixas de granadas) e da complexidade do combate de armas combinadas da época.
    Mas isso não impediu que a guerra se enterrasse no outono de 1914, dando vantagem (na verdade, não mais decisiva) à artilharia pesada de campanha alemã, superior (por um tempo, novamente) à francesa.

    Apresentação. Hoje como ontem, esta mobilidade, esta “agilidade” de David contra Golias faz sonhar aqueles que desejam ardentemente uma guerra curta e decisiva (no Ocidente). Ou aqueles que querem defender (mais a leste), enfrentando um poder de fogo muito maior, por não poderem ter um poder tão avassalador como o inimigo. Em suma, promovem a “rusticidade” económica das armas francesas, comprovada (como há 100 anos) em terrenos exóticos. Muito melhor.
    Mas, infelizmente, nada de decisivo está à vista em solo europeu. e em 1914, as minas ainda estavam na sua infância...
    Deixo aí esse pequeno desenvolvimento histórico.
    Obrigado mais uma vez pelo prazer de ler você todos os dias.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos