Dispositivos de interferência de drones nos T-90M, T-73B3 e T-80BVM russos na Ucrânia?

O bloqueio de drones tornou-se, na Ucrânia, uma questão tática e estratégica. Na verdade, entre as muitas tecnologias que demonstraram a sua eficácia em combate na Ucrânia, foram sem dúvida os drones de reconhecimento ou de ataque, por vezes chamados de munições à espreita, que causaram as perturbações mais significativas na condução das operações militares.

Esses drones leves de reconhecimento não apenas desopacificaram o campo de batalha, tornando quase ineficazes todas as manobras de engano e surpresa, mas, na forma de munição à espreita, atingiram fortemente veículos blindados, sistemas de artilharia e infraestrutura de ambos os campos.

Nas últimas semanas, fotos vindas da Rússia parecem mostrar que este problema é levado a sério pelos militares e industriais do país. Estes mostram, de fato, sistemas de interferência destinados a combater drones, montados nas gaiolas de proteção dos novos tanques T-80BVM, T-72B3 e T-90M.

A vulnerabilidade dos tanques russos e ocidentais para atacar drones na Ucrânia

Tradicionalmente, era aceito que o tanque era o pior inimigo do tanque. No entanto, muitos previram, até recentemente, que a eficácia dos modernos mísseis antitanque significaria o fim dos tanques de guerra.

Ataque de drone tanque russo
A neutralização dos drones tornou-se uma questão importante, tanto para os exércitos russo como ucraniano, ao longo da linha de combate.

Se os mísseis antitanque demonstraram a sua eficácia em combate na Ucrânia, não puseram de forma alguma em causa a necessidade do tanque, que continua a ser um compromisso único entre protecção, mobilidade e poder de fogo, o único capaz de fornecer certas opções num guerra congelada pela artilharia e pelo poder aéreo que foi amplamente neutralizado.

Embora a ameaça dos mísseis tenha sido admitida pelos estados-maiores russos e ucranianos, nem um nem outro, nem os apoiantes ocidentais em Kiev, tinham previsto o papel crucial que os drones iriam desempenhar, neste conflito, tanto no que diz respeito à limpeza de campo de batalha e seu uso para realizar ataques além da linha de visão.

Nesta área, os tanques russos, tal como os seus homólogos ocidentais, têm demonstrado uma vulnerabilidade significativa aos ataques deste tipo de drones, em particular do russo Lancet, ou do americano Switchblade utilizado pelos ucranianos, destruindo um grande número de tanques que, a maioria muitas vezes, nem sabiam que eram o alvo.

Gaiolas de proteção instaladas rapidamente em tanques russos

Uma primeira resposta a este tipo de ameaça, bem como aos mísseis antitanque americanos Javelin, que também atingem a blindagem visada por cima, foi fornecida por engenheiros russos, apenas algumas semanas após o início do conflito.

Gaiola protetora T-80
A gaiola protetora apareceu em tanques russos em abril de 2022 e desde então inspirou vários exércitos combatentes, incluindo os exércitos ucraniano e israelense.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo Metadefense 93x93 2 tanques de batalha MBT | Notícias de Defesa | Conflito russo-ucraniano

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos