Como os drones de combate irão perturbar a equação industrial e doutrinária da aviação de caça?

A chegada dos drones de combate, estes dispositivos não tripulados concebidos para realizar missões no lugar dos aviões de combate, é agora particularmente aguardada. Estes constituirão, de facto, o verdadeiro pivô daquela que é descrita como a 6ª geração de aviões de combate, à qual pertencerão os NGAD americanos, bem como os NGF e Tempests europeus.

Se todos antecipam esta evolução inevitável, a forma como estes drones serão utilizados e, portanto, a forma como serão concebidos, ainda permanece muito divergente dependendo dos projetos.

Assim, os russos projetaram o S-70 Okhotnik-B, um drone de combate de 20 toneladas, cujo desempenho, e certamente o preço, o aproxima de um avião de combate tradicional. O MQ-25 Stingray, desenvolvido pela Boeing para missões de reabastecimento aéreo da Marinha dos EUA, tem preço unitário de US$ 150 milhões, superior ao do F/A-18 E/F Super Hornet e do F-35C Lightning. II, seus dois atuais aeronaves de combate a bordo.

Por outro lado, os novos programas desenvolvidos, do outro lado do Atlântico, nesta área, tendem a conceber drones de combate muito mais económicos, como o MQ-28 Ghost Bat da Boeing, concebido em cooperação com a Austrália, que visa um preço unitário de 10 a 15 milhões de dólares, enquanto a Força Aérea dos EUA anunciou, como parte do programa NGAD, que pretendia adquirir uma frota de drones de combate semi-dispensáveis ​​custando entre um quarto e um terço do preço de um F-35A, ou seja, entre 22 e 30 milhões de dólares.

É precisamente nesta direcção que a Marinha dos EUA, depois do caríssimo MQ-25 Stingray, quer agora avançar, com, em última análise, uma profunda reviravolta na frota de caças embarcada a bordo dos porta-aviões americanos, bem como nos paradigmas que regem o funcionamento operacional. e aspectos industriais de aeronaves de combate.

A Marinha dos EUA quer drones de combate de US$ 15 milhões que voarão apenas 200 horas

É neste contexto que o novo programa Collaborative Combat Aircraft, ou CCA. Isso foi detalhado pelo contra-almirante Stephen Tedford, que chefia o Escritório Executivo do Programa para Aviação Não Tripulada e Armas de Ataque, ou PEO (U&W), na conferência anual Sea Air Space da Liga da Marinha, no início desta semana.

Drones de combate MQ-25 Stingray Super Hornet
Com preço unitário superior a US$ 150 milhões, o MQ-25 Stingray da Marinha dos EUA é um drone de combate com preço proibitivo, superando o do F-35C.

Segundo ele, a Marinha dos EUA pretende não seguir a trajetória do MQ-25, mas sim voltar-se para drones de combate muito mais económico, para acompanhar o seu Lightning II, o seu Super Hornet e o seu sucessor, o futuro NGAD, que não entrará em serviço antes do final da próxima década.

Mais especificamente, a Marinha dos EUA pretende adquirir drones de combate cujo preço unitário não exceda 15 milhões de dólares. Acima de tudo, estes dispositivos devem ter custos de implementação muito baixos e nenhum custo de manutenção.

E por uma boa razão, eles só terão que voar, na melhor das hipóteses, 200 horas, antes de serem usados ​​como alvo para atrair fogo inimigo ou como drone de ataque. Não há dúvida, nestas circunstâncias, de gastar mais do que o estritamente necessário para projetar e construir drones com vida útil limitada.

E acrescentar que, em última análise, a Marinha dos EUA pretende que mais de 60% da sua frota de aviões de combate seja constituída por aeronaves não tripuladas, operando ao serviço de aeronaves pilotadas, mas também de forma independente.

Quanto à Força Aérea dos EUA, a entrada em serviço do primeiro destes drones está prevista para o final da década, ainda que as capacidades esperadas neste momento sejam inferiores às visadas pelo programa, e exigirão, portanto, a supervisão e controle de um dispositivo pilotado.

Uma revolução iminente no modelo industrial e orçamentário da aviação de caça

O desempenho e as capacidades operacionais destes futuros drones de combate, quer sejam drones pesados ​​como os S-70, drones do tipo Loyal Wingmen, ou drones consumíveis, como o Remote Carrier Expendable, já foram discutidos em numerosos artigos publicados pela imprensa especializada.

S70 Okhotnik-B Su-57
O drone S-70 Okhotnik-B tem uma massa de combate entre 18 e 20 toneladas, para poder acompanhar os pesados ​​Su-57.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Drones de Combate | Análise de Defesa | Avião de combate

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

2 Comentários

REDES SOCIAIS

Últimos artigos