O F-35 se afasta ainda mais dos Emirados Árabes Unidos

No início de dezembro de 2021, os Emirados Árabes Unidos e a França anunciaram a assinatura de um contrato histórico de 14 mil milhões de euros relativo, entre outras coisas, à aquisição de 80 aeronaves Rafale F4 para substituir o Mirage 2000-9 dos Emirados Árabes Unidos.

Esta decisão seguiu-se à suspensão, por Joe Biden, de um potencial contrato com os Estados Unidos para a compra de 50 sistemas de drones F-35As e 9 MQ-9B Gardian, por Abu Dhabi, em Janeiro de 2021. Para o presidente americano, a segurança os requisitos para a exportação do F-35A não foram, de facto, cumpridos pelos Emirados Árabes Unidos, apesar de terem adjudicado à chinesa Huawei o contrato para a implantação do 5G no país.

Desde então, os F-35As dos Emirados foram, em diversas ocasiões, convidados para o noticiário, seja para anunciar a retomada das negociações sobre este assunto, seja para constatar a evidente ausência de progressos nesta área. Como tal, as negociações anuais realizadas entre Abu Dhabi e Washington esta semana não dão muitos motivos para otimismo para a Lockheed Martin.

O F-35 ausente das negociações anuais entre Washington e Abu Dhabi

En effet, o relatório relativo a estas negociações, embora relate avanços significativos no campo industrial e tecnológico civil, bem como em torno dos futuros drones Gardian projetados pelos EUA, nenhuma menção é feita ao caça furtivo americano.

Trump 6 de janeiro de 2021
Donald Trump assinou a ordem dos Emirados relativa, entre outros, a 50 F-35As, um dia antes da sua transferência do poder para Joe Biden.

Lembre-se que duas semanas após o anúncio do pedido de 80 Rafale com a França, as autoridades dos Emirados tornaram público o fim das negociações com os Estados Unidos sobre o F-35. Segundo Abu Dhabi, não se registaram quaisquer progressos num ano de negociações, depois de Joe Biden ter suspendido este contrato, poucos dias depois de tomar posse.

Na verdade, a ausência de referência ao F-35 nestas discussões anuais provavelmente não é um bom presságio para este contrato, e talvez para as relações especiais mantidas pelos Emirados Árabes Unidos, bem como pela Arábia Saudita, com os Estados Unidos, nessa região.

O espectro da reaproximação entre os Emirados Árabes Unidos e a China

Se esta informação é preocupante para Washington, não é uma surpresa, longe disso. Na verdade, não só a chinesa Huawei concluiu com sucesso o contrato relativo à rede 5G nos Emirados Árabes Unidos, mas Abu Dhabi e Pequim tornaram-se mais próximos em muitas áreas há três anos.

Assim, as primeiras aeronaves chinesas de treinamento avançado Hongdu L-15A Falcon, encomendadas pela Força Aérea dos Emirados Árabes Unidos, foram entregues em 2023, e já participam da educação e treinamento de seus pilotos de caça.

Falcão Hongdu L-15A
Os Emirados Árabes Unidos encomendaram 48 aeronaves de treinamento avançado Hongdu L-15A Falcon de Pequim.

Mas são, sem a menor dúvida, as negociações iniciadas entre os dois países, relativas à possível construção de uma base militar chinesa no país, capaz de acolher forças do Exército de Libertação Popular, que tendem a impedir qualquer progresso no F- 35 neste país.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo da Metadefense 93x93 2 Aviação de caça | Notícias de Defesa | Construção de aeronaves militares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos