Quando a guerra cibernética invade a guerra biológica

Uma das lições mais marcantes da crise da Covid, que atinge o mundo há mais de dois anos, não é provavelmente a vulnerabilidade das sociedades humanas ao aparecimento de um novo agente patogénico, um assunto que também tem sido longamente documentado há muitos anos. . anos. Por outro lado, esta crise pôs em evidência a imensa dependência das sociedades ocidentais do seu sistema de saúde e da adesão dos cidadãos a este sistema. Assim, nunca foi a taxa de incidência, embora o alfa e o ómega da epidemiologia, nem o número de mortes, que estiveram no centro das decisões políticas na Europa e nos Estados Unidos para conter os efeitos da pandemia, mas sim a taxa de ocupação de camas hospitalares, como as taxas de saturação dos serviços de urgência e de cuidados intensivos, que foram os principais indicadores que nortearam a decisão política, tendo esta última permitido, aliás, a implementação de estratégias regionalizadas.

Para responder aos custos crescentes das políticas de saúde pública nos países ocidentais, com uma população cada vez mais envelhecida e uma dependência crescente dos serviços de saúde, a grande maioria destes últimos tem aplicado soluções baseadas em abordagens digitais, permitindo otimizar a gestão médica. resposta a um determinado paciente, de modo a evitar redundâncias desnecessárias e aumentar a relevância e eficácia da oferta médica. Para além deste aspecto, em muitos países, incluindo em França, os efeitos durante a crise da Covid das campanhas mediáticas e nas redes sociais, parcialmente lançadas e/ou retransmitidas pelos meios de comunicação sob o controlo de potências externas, foram a origem de uma resistência real de uma parte da população às vacinas e às soluções propostas pelos governos, o que levou a um número ainda mal estimado, mas mais do que significativo, de excesso de mortalidade.

Principais Análises Defesa | Armas estratégicas | ESTADOS UNIDOS
A Força Aérea contribuiu para o esforço conjunto fornecendo meios de biocontenção com os C-130Js

Em ambos os casos, existe uma interligação directa entre o ambiente digital e as capacidades de saúde pública dos países ocidentais, com ameaças muito reais à actividade económica e à estabilidade social das nações. É precisamente sobre esta ameaça que 3 pesquisadores americanos soaram o alarme, destacando cenários que seriam tão catastróficos quanto prováveis ​​se um potencial adversário visasse o sistema de saúde como elo entre este sistema e a opinião pública através da ação cibernética. Para os cientistas, o sistema de saúde constitui hoje nada mais do que uma das maiores vulnerabilidades das sociedades ocidentais para um adversário determinado com certos meios. Além disso, como demonstrado pelo tremendo aumento dos ataques cibernéticos aos sistemas de informação médica durante a crise da Covid, que triplicou nos Estados Unidos, quanto mais o sistema médico está sob pressão, mais está potencialmente exposto a este tipo de ataque. .


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Análise de Defesa | Armas estratégicas | ESTADOS UNIDOS

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos