Na Austrália, Joe Biden abre uma caixa de Pandora muito perigosa

Desde a confirmação do cancelamento do contrato para a aquisição de 12 submarinos de propulsão convencionais Shortfin Barracuda projetados pelo Grupo Naval Francês, e a integração de Canberra em uma aliança tripartida com os Estados Unidos e Grã-Bretanha Brittany incluindo, entre outras coisas, o venda de submarinos de ataque nuclear americanos, a comunidade de defesa está em crise, especialmente na França. "Stab", "Traição" .. Não faltam ressalvas quanto à substância, mas também à forma como essa decisão foi divulgada, prejudicando gravemente a imagem internacional da indústria naval militar francesa por muitos anos. Por outro lado, muito poucos, inclusive entre a mídia anglo-saxônica, parecem se importar com as consequências geopolíticas implicadas por tal decisão. No entanto, ambos são numerosos e potencialmente extremamente perigosos, tanto para a paz no teatro Indo-Pacífico como em todo o planeta.

Por quarenta anos, americanos, britânicos, russos, franceses e chineses tiveram de fato uma leitura tácita comum do tratado de não proliferação. Embora proibisse estritamente a exportação ou transferência de tecnologia de armas nucleares, isso também se estendia, por capilaridade, ao uso da energia nuclear como fonte de energia para equipamentos militares. Em outras palavras, não há dúvida, para os 5 membros permanentes do Conselho de Segurança, de deixar um novo ator entrar em seu círculo íntimo, a menos que este consiga por si mesmo adquirir as tecnologias necessárias para projetar um reator capaz de 'entrar em um submarino ou um navio de guerra. Na verdade, a frota de submarinos com propulsão nuclear permaneceu restrita apenas a esses países. A Índia desenvolveu seu próprio reator que lhe permitiu integrar este grupo com os SSBNs da classe Arihant, e que permitiu a Moscou contratar um submarino de ataque nuclear da classe Akula. E se a França está apoiando o Brasil em seu programa de submarinos de ataque nuclear, em todo caso não participa do projeto do reator em si, limitando-se a assistência à sua integração em navio.

submarino classe akula Alianças militares | Análise de Defesa | Austrália
A Índia aluga há vários anos um submarino russo de ataque nuclear da classe 971 Shchouka-B, designado na OTAN sob o código Akula.

Na verdade, quando Joe Biden, Boris Johnson e Scott Morrisson anunciam que os Estados Unidos e a Grã-Bretanha vão exportar ANS para a Austrália, um país que não tem nem um programa nuclear civil, e que proibiu lá por um tempinho ainda o acesso aos seus portos para os submarinos de propulsão nuclear, os 3 homens estão quebrando todas as regras tácitas que tornaram possível limitar a proliferação desse tipo de armamento no mundo. Este ponto não é ignorado, tendo o próprio Joe Biden indicado que serão envidados todos os esforços para respeitar o pacto de não proliferação. Se houver alguma dúvida de que realmente será respeitado na letra, será inquestionavelmente transgredido no espírito. A partir de então, nada impede agora Pequim de vender ANS para Islamabad ou Pyongyang, como Moscou de oferecer seu próprio Yasen-M em Nova Delhi, Cairo ou Caracas em um prazo que imaginamos muito curto. Essa mudança de paradigma pode até servir a Paris, sendo a classe Suffren de longe a ANS que oferece a melhor relação desempenho-preço no momento no Ocidente, com um custo de construção de cerca de US $ 1,2 bilhão, contra US $ 1,9 bilhão do britânico Astute, e quase US $ 2,8 bilhões para a Virgínia americana e oportunidades na Coréia do Sul, Índia ou Brasil.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Alianças Militares | Análise de Defesa | Austrália

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

Todos os Produtos

2 Comentários

  1. […] Criada em setembro de 2021, a AUKUS Alliance (Austrália, Reino Unido, EUA) visava ir além do quadro de acordos bilaterais de defesa entre os Estados Unidos e seus aliados no Pacífico. Com efeito, para fazer face à ascensão dos exércitos chineses, rapidamente se tornou claro em Washington que uma aliança, se não comparável, pelo menos inspirada no princípio da NATO, poderia constituir a melhor resposta para conter e dissuadir a China, sobretudo vis- em relação a Taiwan. Infelizmente para as ambições americanas, o lamentável abalo em torno do cancelamento do programa submarino de propulsão convencional desenvolvido desde 2015 por Canberra com o Grupo Naval Francês, a fim de recorrer a uma solução anglo-americana de submarinos para propulsão nuclear para a Marinha Real Australiana, prejudicou gravemente a recepção internacional do projeto americano, em particular em relação aos riscos de proliferação de navios movidos a energia nuclear no teatro, uma vez que a caixa de Pandora foi aberta por Joe Biden. […]

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos

Meta-Defesa

GRÁTIS
VISTA